AS 10 CANÇÕES
1 2
3 4
5 6
7 8
9 10

festival da canção 2014
convento do beato
8 e 15 março


 

 

Canção nº 1

RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL

© RTP


Título: Mea culpa

Intérprete:  Catarina Pereira

Compositor: Andrej Babic
Autor:
Carlos Coelho

Restantes elementos de palco:
Alexander Alexandrov, Augusto Gonçalves, Estrela Fernandes, Joana Almeida e Nuel d'Oliveira

Estilista/Designer:
Jordann Santos

Entrevistas

Biografias

Entrevista a Carlos Coelho Entrevista a Catarina PereiraEntrevista a Andrej Babic e Carlos Coelho

Notícias sobre esta canção

Vídeo

 

Canção nº 2

RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL

© RTP


Título: Eu vou

Intérprete:  Ivo Lucas

Compositor: João Só
Autor:
João Só

Restantes elementos de palco:
David Rangel, Filipe Ferreira, Jonas Cardoso, Pedro Coelho e Ricardo Quintas
Estilista/Designer:
Cátia Castel-Branco
 

Entrevistas

Biografias

Ivo Lucas - entrevista 1Ivo Lucas - entrevista 2

Notícias sobre esta canção

Vídeo


Canção nº 3

RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL

© RTP


Título: Nas asas da sorte

Intérprete:  Zana

Compositor: Jan van Dijck
Autor:
Paulo Abreu Lima

Restantes elementos de palco:
Alexandre Sousa, Almir Moreno, David Guerreiro e Tiago Ribeiro

Estilista/Designer:
Nuno Velez

Entrevistas

Biografias

A nossa entrevista a ZanaA nossa entrevista a Paulo Abreu LimaA nossa entrevista a Jan van Dijck

Notícias sobre esta canção

Vídeo


Canção nº 4

RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL

© RTP


Título: Mais para dar

Intérprete:  Carla Ribeiro

Compositor: Hélder Godinho
Autor:
Marina Ferraz

Restantes elementos de palco:
David Jerónimo, Joana Campelo, Miguel Caiado, Pedro Martinho e Tânia Tavares

Estilista/Designer:
Cátia Castel-Branco

Entrevistas

Biografias

Entrevista a Hélder GodinhoEntrevista a Carla RibeiroEntrevista a Marina FerrazSegunda entrevista a Helder Godinho

Notícias sobre esta canção

Vídeo

 

Canção nº 5

RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL

© RTP


Título: Emoção

Intérprete:  Ricardo Afonso

Compositor: Ricardo Afonso, Luís Fernando e Rui Fingers
Autor:
Ricardo Afonso
Restantes elementos de palco:
André Rodrigues, David Jerónimo, Irina Furtado, Thierry Borges e Ricardo Quintas

Estilista/Designer:
Cátia Castel-Branco

Entrevistas

Biografias

Entrevista a Luís FernandoEntrevista de Ricardo AfonsoEntrevista 2 de Ricardo Afonso

Notícias sobre esta canção

Vídeo

 

Canção nº 6

RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL

© RTP


Título: Ao teu encontro

Intérprete:  Rui Andrade

Compositor: Marc Paelinck
Autor:
Rui Andrade

Restantes elementos de palco:
Ana Isabel, Cláudia Soares e Yura Silva

Estilista/Designer:
José Maria Oliveira

Entrevistas

Biografias

Primeira entrevista a Rui AndradeEntrevista a Marc PaelinckA segunda entrevista a Rui AndradeA terceira entrevista a Rui Andrade

Notícias sobre esta canção

Vídeo

 

Canção nº 7

RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL

© RTP


Título: O teu segredo

Intérprete:  Lara Afonso

Compositor: João Matos/Miguel Ferrador
Autor:
João Matos/Miguel Ferrador

Restantes elementos de palco:
Joana Silva, Marina Sani e Rita Costa.

Estilista/Designer:
Cátia Castel-Branco

Entrevistas

Biografias

Lara Afonso em entrevistaEntrevista a João Matos

Notícias sobre esta canção

Vídeo

 

Canção nº 8

RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL

© RTP


Título: Sonhos roubados

Intérprete:  Raquel Guerra

Compositor: Nuno Feist
Autor:
Nuno Marques da Silva

Restantes elementos de palco:
Ana Ferreira, Jonas Cardoso, Ricardo Quintas e Tânia Tavares

Estilista/Designer:
António Augustus

Entrevistas

Biografias

Entrevista de Raquel GuerraEntrevista de Nuno Marques da SilvaSegunda entrevista a Raquel GuerraEntrevista a Nuno Feist

Notícias sobre esta canção

Vídeo

 

.

Canção nº 9

RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL

© RTP


Título: Coração de filigrana

Intérprete:  Madalena Trabuco

Compositor: Tozé Santos
Autor: Tozé Santos


Restantes elementos de palco:
Tozé Santos

Estilista/Designer:
Cátia Castel-Branco

Entrevistas

Biografias

2ª Entrevista a Madelena TrabucoEntrevista a Tozé Santos

Notícias sobre esta canção

Vídeo

 

Canção nº 10

RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL

© RTP


Título: Quero ser tua

Intérprete:  Suzy

Compositor: Emanuel
Autor:
Emanuel

Restantes elementos de palco:

Estilista/Designer:
João Rôlo
 

Entrevistas

Biografias

Entrevista a SuzyEntrevista a Suzy

Notícias sobre esta canção

Vídeo



 

Canção nº 1

AS NOTÍCIAS

Data: 04/02/2014

CANÇÃO Nº1 MEA CULPA - A EQUIPA EM FORMAÇÃO

Fonte: Carlos Coelho

A primeira canção a subir ao palco do Convento do Beato tem o título de Mea Culpa e vai ser interpretada por Catarina Pereira, tem poema de Carlos Coelho e música de Andrej Babic. Neste momento estão a ser revelados alguns elementos de palco:
Nos coros:

Joana Almeida cantora (FC2008 nos Blá, Blá, Blá) (3ª foto da esquerda para a direita)
Estrela Fernandes
atriz e cantora (1ª foto)
E ainda Augusto Gonçalves como coreógrafo e bailarino. (2ª foto)
Assim em palco iremos ter 4 elementos. A questão é: Será que ainda vão ser preenchidos os 2 lugares possíveis?
Carlos Coelho revelou-nos hoje que a sua canção vai ter 6 elementos em palco, 3 mulheres e 3 homens, assim falta ainda saber quem irão ser os outros dois elementos do sexo masculino que irão estar em palco.

   
   
Data: 20/02/2014

CANÇÃO Nº1 MEA CULPA - A EQUIPA DE PALCO ESTÁ FORMADA

Fonte: Carlos Coelho  

A primeira canção a subir ao palco do Convento do Beato tem o título de Mea Culpa e vai ser interpretada por Catarina Pereira, tem poema de Carlos Coelho e música de Andrej Babic. Neste momento já são conhecidos todos os elementos de palco. A acompanhar Catarina Pereira vão estar
Nos coros:

Joana Almeida cantora (FC2008 nos Blá, Blá, Blá) (3ª foto da esquerda para a direita)
Estrela Fernandes
atriz e cantora (1ª foto)
Nuel d'Oliveira cantor (2ª foto)
E ainda:
Augusto Gonçalves como coreógrafo e bailarino. (4ª foto)
Alexander Alexandrov como bailarino. Este último elemento, agora revelado por Carlos Coelho ao nosso site, fez parte do elenco da Gaiola das Loucas (uma produção de Filipe La Féria) e também foi bailarino no Trumps. (5ªfoto)

 


 

Canção nº 1

AS ENTREVISTAS

 
FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA CARLOS COELHO
Data: 20/02/2014

exclusivo

 

Festivais da Canção – Como reagiu a mais um convite para participar no Festival da Canção?
Carlos Coelho - Feliz e obviamente grato à RTP pelo reconhecimento de um trabalho que pensarão ser bem feito, ainda mais sendo o 3º convite para preparar uma canção para o Festival da Canção.
 

FC – Descreva-nos a sua canção do ponto de vista poético (da letra).
CC - É uma canção de sedução, da sensualidade e do encontro. De festa, alegria e do Verão. Com simplicidade, elegância, modernidade e graciosidade. E condimentada com algum misticismo. Gravámos também uma versão em inglês, que mantém também este espírito feliz, forte e até maroto.
 

FC – O título do seu tema é “Mea Culpa”. Em que se inspirou para este título?
CC - Gostava de ter uma história mais romântica sobre uma inspiração extraordinária, mas é bastante mais simples. O Andrej Babic fez a melodia e para o refrão eu precisava duma palavra forte de 2 sílabas, com a primeira acentuada. “Culpa” era uma das palavras, que obviamente me levou a “Mea Culpa”, uma expressão forte, impactante, internacional. “Mea Culpa” ficou, e a letra nasceu a partir daí!
 

FC – O nome da sua canção é em Latim. Poderemos esperar mais palavras nesta língua ao longo do poema?
CC - Podem esperar, mas elas não irão aparecer. :)
 

FC -  “Mea Culpa” em que sentido é que este tema converge e/ou diverge dos temas que anteriormente apresentou no Festival
CC - É uma canção dance, portanto diverge desde logo nas batidas por minuto (bpm) de “Senhora do Mar” e “Vida Minha”. Das 4 anteriores, “Mea Culpa” estará mais próxima seguramente da estética de “Canta Por Mim”, dance com um toque étnico, até porque é a mesma cantora.
 

FC – É a primeira vez que repete um intérprete. Porque é que a escolha deste ano recaiu, de novo, em Catarina Pereira?
CC - Foi uma escolha natural. Quando a RTP me telefonou pelo convite, imediatamente os informei que iríamos escolher a Catarina Pereira. Só depois falei com ela que aceitou e se interessou muito neste projecto. Em 2010, a Catarina demonstrou ser uma aposta surpreendente e tivemos em palco uma actuação altamente “Eurovisionável”. Sendo o tema do Festival da Canção 2014 a “alegria”, resolvemos colocar alegria em palco e para já, a reacção dos fans ao regresso da Catarina Pereira tem sido essa: alegria!
 

FC – Já estão definidos todos os elementos que irão estar em palco com a Catarina? Quem são e que funções irão desempenhar?
CC - Sim, já. Temos uma feliz equipa em palco: jovem, talentosa, enérgica e motivada. A juntar-se à inevitável Catarina Pereira, temos a radiante Joana Almeida (backvocal), a carismática Estrela Fernandes (backvocal), o charmoso Nuel d’Oliveira (backvocal), o dedicado Augusto Gonçalves (coreógrafo e bailarino) e o empenhado Alexander Alexandrov (bailarino).
 

FC – Este ano a escolha da canção vencedora recai exclusivamente sobre o televoto. Concorda com este método de votação? Porquê?

CC - Já é o 5º Festival da Canção em que participo. Já vi votações online, já vi televotos com limite de votos, já vi televotos sem limites de votos, já vi júris nacionais… e nenhum sistema de votação é afinal perfeito. No entanto, tendo a preferir o televoto por ser o mais democrático, mesmo que comporte falhas.
 

FC – Como se sabe este ano comemoram-se os 50 anos do primeiro Festival RTP da Canção. Qual é a sensação de ser parte integrante deste certame num ano tão especial?
CC - Fazer parte das Bodas de Ouro do Festival da Canção é um motivo especial de orgulho e de festa! Mas por outro lado, começo a sentir-me envelhecido, porque puseram-me a pensar nisso... e afinal em 50 anos de Festival, já estive presente em 10% deles!
 

FC – À sua canção foi atribuído o nº 1 no desfile. Acha que a ordem do desfile poderá ter alguma influência na votação dos espectadores em casa?
CC - Penso que não faz grande diferença, pela minha experiência. “Senhora do Mar” venceu o televoto no n.º 5, “Canta Por Mim” venceu como n.º 5 e n.º 8, “Vida Minha” venceu o televoto no n.º 12. Até acho graça a sermos a canção n.º 1. Aliás, até será bom para todos que o espectáculo comece com uma boa canção!
 

FC – Dos temas que até hoje passaram pelos Festivais RTP qual ou quais considera a(s) melhor(es) letra(s)?
CC - Quando estiverem a ler esta entrevista, com certeza me terei lembrado de muitas mais, mas vou referir “Vinho do Porto, Vinho de Portugal” do genial Carlos Paião.
 

FC – Este espaço é seu para divulgar o seu tema e a sua equipa. (poderá escrever algumas linhas para divulgar a sua canção).
CC -
Antes de mais, obrigado ao vosso site pela simpatia e atenção que dedicam ao Festival da Canção e às nossas canções!

Irei divulgar apenas que temos uma equipa motivada e estamos a trabalhar com todo o esforço, a humildade e dedicação para 3 minutos memoráveis na noite de 8 de Março e que façam justiça à confiança que depositam em nós. E se gostarem, cada um de nós só poderá dizer… “MEA CULPA”!

   
 
FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA CATARINA PEREIRA
Data: 23/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção - Passados 4 anos vamos poder ver a Catarina de novo no Festival da Canção. O que a motivou a regressar ao Festival?

Catarina Pereira - É verdade! O Carlos Coelho e o Andrej Babic convidaram-me para mais uma aventura como a de 2010. Passados quatro anos achei que estava na altura de voltar àquele que foi um dos melhores momentos da minha carreira e percebi logo que não haveria outra resposta senão aceitar com muito orgulho este desafio!

 

FC - Como descreve Mea Culpa musical e poeticamente?

CP - Musicalmente é alegre, sensual e explosiva. Poeticamente é muito sensual e marota como diria o Carlos Coelho.

 

FC -O lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?

CP - Cumpre pois! Não há tempo para tristezas!

 

FC - Expectativas para a sua canção neste Festival?

CP - A expectativa que tenho é fazer um bom trabalho juntamente com toda a equipa que não podia estar mais focada. Vamos aproveitar cada momento e não desiludir as pessoas que nos têm apoiado.

 

FC - O sorteio ditou que fosse a primeira a abrir o desfile das 10 canções. Desiludida ou satisfeita?

CP - Não ligo muito a isso. Acho que se uma actuação for boa não importa a ordem. Convém é estarem ligados desde o inicio do programa para não perderem um segundo que seja. Hehe

 

FC – Conhecidos os 10 intérpretes deste Festival com qual dos restantes 9 preferia fazer um dueto, extra concurso se lhe fosse pedido?

CP - Sinceramente este ano o leque de concorrentes está muito interessante, e talento não falta. Tenho colegas que conheço e que admiro. Mas há bastante tempo que queria ter o prazer de conhecer o Ricardo Afonso pelo seu enorme talento e porque o admiro por todo o seu percurso… seria o Ricardo!

 

FC – A escolha das 5 canções finalistas é feita apenas na noite de 8 de março, cabendo a cada número telefónico apenas 1 voto, ou seja, o último voto anula o anterior. Concorda com este método de escolha dos 5 finalistas face ao anteriormente exposto?

CP - Concordo. É obvio que nenhum método é perfeito mas parece-me o mais justo.

 

FC – Este ano o método de seleção da canção vencedora é feito exclusivamente através do televoto sem restrição do número de chamadas por aparelho telefónico. Quer comentar?

CP - Não tenho muito a dizer. Acho que o público naturalmente escolhe quem gostaria de ver representar o seu país e penso que é justo que assim seja.

FC – Em 2010 foi a preferida do público, tendo vencido o televoto. Ficou a 1 ponto da vencedora. Qual a sensação?

CP - A sensação de dever cumprido. Agradeço mesmo muito às pessoas que nos apoiaram! Agora, este ano é outro desafio e o que lá vai, lá vai! Let’s go!

 

FC - Das canções que venceram os Festivais da Canção e que desfilaram também com o nº1, escolha a sua preferida referindo porquê, são elas:Oração (64), Ele e ela (66), Desfolhada (69) e Portugal no Coração (77).

CP - Desfolhada! Para além de achar a música muito boa, acho que a Simone fez uma interpretação muito boa. Presença e voz incríveis!

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos de existência sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de participar na edição que comemora este aniversário?

CP - Como disse anteriormente, já por si só participar no Festival da Canção vale o que vale, ainda para mais comemorando uma data como esta. Não poderia estar mais ansiosa.

 

FC – Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão…

CP - Eu não sei se vencer a Eurovisão só depende do tipo de canção, mas acho fundamental que quem compõe canções para este evento esteja muito bem contextualizado sobre o que funciona ou não na Eurovisão. O que é bom para nós nem sempre se enquadra naquele contexto e vice-versa.

 

FC – Este espaço é seu apele ao voto, fale da sua canção e ou da sua equipa.

CP - Espero que fiquem orgulhosos da nossa actuação. Estamos a trabalhar para que tudo corra da melhor forma e ultrapasse as expectativas do “canta por mim” ! 

   
 
  FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA ANDREJ BABIC E CARLOS COELHO
Data: 4/03/2014

exclusivo


Festivais da Canção – Como encarou o convite da RTP para compor uma canção para “Festival da Canção 2014”?

Andrej Babic - Para ser honesto participar no Festival da Canção 2014 não fazia parte dos meus planos. Também tinha a noção que já fizemos várias coisas nos Festivais e que era tempo de explorar outros caminhos para promover a nossa música. Se o concurso fosse aberto eu nunca teria concorrido com uma canção. Porém, o convite da RTP surgiu, o que muito me honrou e como tal não pude ignorar o facto de que eu representei o vosso maravilhoso país por duas vezes no Eurovisão, já para não mencionar que Senhora do Mar foi votada, pelo público, como a melhor canção de sempre.

Eu agradeço à RTP por ter apostado em mim e por me ter dado a oportunidade de ser o primeiro compositor estrangeiro a participar no Festival da Canção. Eu gosto do povo português e do vosso lindo país. Assim, quando eu digo nunca mais, não me levem a sério. Eu creio que o vício é mais forte do que pensava. J

 

FC – Porque escolheram de novo a Catarina Pereira para interpretar o vosso tema?
AB - Quando recebemos o convite ficámos agradavelmente surpreendidos porque estávamos em meados de Janeiro e eu suponha que a RTP tinha outros planos, talvez uma selecção interna ou qualquer outra coisa.
Eu tenho que ser completamente honesto, se o júri distrital existisse este ano eu agradeceria à RTP o convite e não participaria. Eu fui um dos que critiquei o sistema de votação anterior não sei se foi para o vosso site. Se Portugal quer fazer algo grande na Eurovisão e eu sei que há um grande entusiasmo dos fãs aí, um júri composto por músicos da área clássica a julgar canções que deveriam ser músicas pop na Europa não funciona.
Quando soube que o vencedor seria escolhido apenas pela audiência então eu disse vamos embora e quem é que mais poderia ser a nossa intérprete? A verdadeira vencedora de 2010 se nesse ano a decisão fosse 100% do televoto, nós gostaríamos de lhe chamar a “representante” portuguesa na Eurovisão… e quem sabe talvez o melhor resultado de sempre de Portugal.

 

FC – Compôs esta canção propositadamente para o Festival?

AB - Uma vez que o convite veio atrasado, meados de Janeiro, nós enfrentámos a questão de escolher a música e tivemos de decidir em muito pouco tempo. Eu tinha duas músicas, que poderiam resultar na Eurovisão, mas tínhamos de encontrar uma canção que resultasse em ambos os casos: em Portugal e para o resto da Europa. Então eu pedi ao Carlos apenas duas semanas e no início de Fevereiro, eu tinha composto uma nova melodia e o Carlos disse-me que eu tinha conseguido fazer um grande tema. Isto porque nós acreditamos que fazer parte do Festival da Canção só por participar não é para nós. Somos ambos lutadores e se estamos num jogo então jogamos com as nossas melhores armas.

 

FC – Esta canção é semelhante ao Canta por mim ou está mais próximo do Sobrevivo?

AB  - O tema é mais do estilo do “Canta Por Mim”… como se fosse uma sequela… não só na melodia, nos arranjos, mas também na letra. Também temos de aceitar o facto que a Catarina é agora uma jovem mulher muito bonita e não mais uma adolescente… então quisemos usar isso no nosso tema. Desta vez, há mais paixão, mais energia feminina e olhando para a melodia e para a produção, eu penso que demos um grande passo em frente, fazendo um tema mais próximo do que a Eurovisão é na actualidade. Claro que não queremos fazer uma canção muito distante de Portugal e das suas tradições. É por isso que temos novamente a guitarra portuguesa e talvez este seja o momento que é mais similar ao “Canta Por Mim”.

 

 FC – Concorda com o método de seleção da canção portuguesa para o ESC ser 100% televoto?

 AB - Se houvesse um júri constituído por pessoas que seguem a Eurovisão, DJs, eu seria favorável à presença dum júri. Mas, é muito complicado para músicos da área clássica julgar canções pop nos dias de hoje. Então, sim… estou muito satisfeito de ser 100% televoto, como é que não poderia estar? Nós já vencemos o televoto por três vezes, ahaa…. E depois de tudo, no final, nós somos todos julgados pela audiência, pelas pessoas que ouvem a nossa música, que vão aos nossos concertos e compram os nossos discos…

 

FC – Quais as suas expectativas para a sua canção Festival da Canção?

AB - Eu não estaria a ser honesto se vos dissesse que só participamos por divertimento. Nós temos uma canção feita para a Eurovisão e temos uma grande cantora: Catarina Pereira. Precisamos só do apoio do público e depois estamos prontos para mostrar um Portugal diferente ao resto da Europa. Eles já viram muitas vezes a vossa (posso dizer a nossa? J) dedicação para as belas tradições, agora deixem-nos mostrar-lhes que há discotecas em Portugal, que há belas mulheres… assim talvez eles decidam vir cá em 2015. J

 

FC – Vem assistir ao Festival da Canção?

AB - Ainda não tenho a certeza, eu já tinha eventos marcados antes ainda de ter recebido o convite. Por exemplo, durante a semifinal, a 8 de Março, eu estarei na Sérvia, num concerto com uma das grandes divas croatas, que já esteve por duas vezes na Eurovisão: Doris. Se eu for, será decidido à última hora. Eu adorava estar em Lisboa outra vez… ter estado aí em 2008 foi maravilhoso.

 

FC – Esta é a 5ª canção que apresenta nas finais portuguesas para o ESC, tendo vencido por duas vezes. Por favor diga-nos porque aceitou competir todas estas vezes nas nossas finais para o ESC? Fale-nos um pouco acerca de cada uma delas.

AB - Sabem, às vezes eu digo a mim próprio que nós devíamos libertar-nos da Eurovisão em geral… mas, como vos disse é um vício, mais forte do que eu penso. J Por outro lado, nós somos autores e a nossa tarefa é fazer canções… então, rejeitar convites seria como sabotar o nosso trabalho. Todas as cinco músicas que compus até agora têm uma história diferente e levaria muito tempo a analisá-las agora. Nós não podemos compará-las, são todas diferentes e os artistas também diferentes… mas existe algo que é chamado o estilo do compositor. Algumas pessoas que seguem o meu trabalho há algum tempo dizem que conseguem reconhecer a minha melodia das outras. Embora isso, alguns poderão dizer que todas as minhas melodias são iguais, eu vejo isso como um elogio. As pessoas comparam “Vida Minha” à “Senhora do Mar”, e provavelmente irão comparar “Mea Culpa” com “Canta Por Mim”. O melhor é seguir o meu próprio estilo do que copiar outros.

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos. Por favor escolha uma das seguintes 3 opções como a mais correta para si:
A) O Festival da Canção é uma marca importante da RTP
B) O Festival da Canção extravasa a própria RTP, sendo uma referência nacional

C) Uma marca a descontinuar

Carlos Coelho - A) e B)

O Festival é obviamente uma marca criada pela RTP, mas como já existe há tanto tempo e tem como propósito a eleição de um representante nacional, também é uma espécie de instituição nacional, à qual todos os Portugueses podem sentir-se afectivamente ligados.

 

FC – Como vê o atual panorama musical em Portugal quando muitos músicos e cantores estão sem trabalho?

CC - Seria ilusório achar que os músicos, cantores e até autores escapariam a um contexto específico de crise, a juntar-se às vicissitudes de um pequeno mercado como o nosso. Infelizmente, existem muitos Portugueses talentosos sem trabalho em todas as áreas, e os músicos não serão excepção.

 

FC – Fernando Tordo abandonou o país rumo ao Brasil face ao exposto na pergunta anterior. Quer comentar?

CC - Não comento o caso específico, porque parece-me um caso individual que está sobredimensionado pela exposição mediática. Muitos Portugueses emigram e, em última análise, será sempre uma perda para o País. No entanto, não vejo a emigração voluntária em busca de melhores condições de vida como uma fatalidade ou luto nacional.

 

FC – O facto de não existir em prime time um programa musical com cantores profissionais, com exceção para as imitações não contribuirá fortemente para o desempregos dos nossos cantores e músicos?

CC - O nosso mercado nacional não é pequeno, é minúsculo. Somos 10 milhões (com mais alguns pelo mundo) num mundo de 7 biliões, não se pode esperar que um país de 10 milhões tenha um mercado artístico com milhares de nomes a viver exclusivamente da música. O número de álbuns lançados não pára de crescer, mas o número de consumidores pagantes de música diminui a pique, é óbvio que nem todos poderão ficar no mercado.

Dito isto, obviamente que todos os programas e meios de divulgação de trabalhos artísticos originais (como aliás o é o Festival da Canção) são bem-vindos e desejáveis num país de pequeno mercado como o nosso.

 

FC – Quando existem cantores profissionais sem trabalho justifica-se existirem concursos para novos talentos?

CC - Obviamente que se justifica e os novos talentos não devem ser discriminados só por serem mais novos. Impedir isso seria o mesmo que impedir que os jovens estudantes concorressem à Universidade enquanto não houvesse emprego para todos os licenciados anteriores.

No entanto, também é de valorizar que se procurem talentos na escrita, na composição, na produção, nos arranjos musicais, em instrumento, na dança… nas várias vertentes artísticas.

 

FC – Este espaço é para a sua canção diga o que pretender sobre ela e toda a equipa.

CC- Trabalhamos dedicadamente para que “Mea Culpa” seja uma apresentação memorável e digna dos 50 anos do Festival da Canção! Não estamos muito preocupados em chegar a Copenhaga, mas estaremos seguramente bem preparados se tal acontecer! :-)

 


 

Canção nº 1

A BIOGRAFIA DE CATARINA PEREIRA


Catarina Pereira
nasceu a 13 de Junho de 1990. Frequentou a Escola de Bailado Alberta Lima, em Matosinhos, a que se seguiu a formação dum grupo de dança que actuou em diversos eventos. Desde cedo que além da dança também o canto sempre a cativou.

Em 2006 participou no programa “Portugal a Cantar”, na RTPN. Segue-se em 2007 o desafio que a torna conhecida do grande público. Participou na SIC no programa “Família Superstar”, em conjunto com o seu primo Fernando Pereira. Foram uma das duplas mais acarinhadas pelo público, tendo a interpretação de “A Moment Like This” sido um dos pontos altos do programa. Classificaram-se em 7º lugar, entre 12 famílias concorrentes.

Após o programa em 2008 foi convidada para integrar o projecto “O Melhor do Mundo”, onde interpretou o hino da campanha e o tema “Carrossel de Papel”. Ainda nesse ano protagonizou o musical “High School Musical”, primeiro no Teatro Tivoli e depois no Teatro Avenida, em Vila Nova de Gaia. Este espectáculo esteve em cena de 28 de Fevereiro até 25 de Maio.

Catarina Pereira interpretou o tema “Mais que Perfeito”, que fez parte da novela Feitiço de Amor da TVI, em 2008/2009. Mais tarde, cantou o tema “Acredita em Mim”, na novela Sentimentos da TVI, em 2009/2010.

Em 2009 surgiu o desafio de participar na peça “A Gaiola das Loucas”, de Filipe La Féria, no papel de Bárbara, filha de um casal conservador e que namorava com o filho de um dos protagonistas. A peça esteve em cena de Agosto de 2009 até Agosto de 2010, primeiro no Rivoli, depois no Politeama e mais tarde no Centro de Congressos de Arade, em Portimão.

Em 2010 é convidada por Carlos Coelho e Andrej Babić para interpretar o tema “Canta Por Mim”, sendo à partida uma das favoritas do público. Era uma canção pop que venceu a segunda semifinal e na noite da grande final, no Campo Pequeno foi a vencedora do televoto. No entanto, o júri distrital apenas lhe deu o 5º lugar, o que fez com que no resultado final ficasse em 2º lugar. O tema foi editado nas plataformas digitais em single e foi divulgado em vários programas da RTP.

No ano seguinte, Catarina Pereira foi a protagonista do musical “Cinderela XXI”, no Teatro Rivoli, no Porto, que esteve em cena de Março a Abril de 2011.

Em 2012 lançou um novo tema nas plataformas digitais intitulado “Carta de Despedida”. No ano seguinte, Catarina Pereira e Augusto Gonçalves participam num concurso da Pepsi e da MTV de imitações de Beyoncé. Foram os vencedores e tiveram a oportunidade de conhecê-la ao vivo. No início deste ano Catarina fez uma versão de “Pretty Hurts”, tema de Beyoncé, que também está disponível nas plataformas digitais.

Surge agora o convite para participar novamente no Festival RTP com a dupla Carlos Coelho e Andrej Babić, tendo um grande apoio dos fãs que anseiam pela sua vitória.
 

Fontes: Site Oficial de Catarina Pereira, Wikipédia, Festivais da Canção              Autor: Miguel Meira       Data: 18/02/2014

 


Canção nº 1

OS VÍDEOS COM ATUAÇÕES DE  CATARINA PEREIRA

Catarina Pereira - Canta por mim - FC2010 Catarina Pereira & Augusto Gonçalves (Beyoncé medley) Catarina Pereira - Carta de despedida

 

 

Canção nº 2

AS NOTÍCIAS

 

 

Data: 28/02/2014

UMA NOVA ENTREVISTA A IVO LUCAS

exclusivo

 
 

Ivo Lucas revelou-nos numa breve entrevista que vai estar bem acompanhado no palco Convento do Beato, assim este ator e cantor vai ter ao seu lado os seguintes elementos:
David Rangel (Guitarra de apoio, foto 2, esquerda para a direita), Filipe Ferreira (ritmo e percussão. foto 3) e nas vozes de apoio estarão Jonas Cardoso (foto 4), Pedro Coelho (foto 5) e Ricardo Quintas (foto 6). Uma equipa 100% no masculino.
Ivo referiu que apesar de ter marcas que usualmente o patrocinam vai ser vestida pela equipa liderada por Cátia Castel-Branco.

O intérprete da Canção nº2, o tema Eu vou, da autoria de João Só, referiu que a equipa está pronta e desejosa de subir ao palco para mostrar a sua canção.
 

 

 

Canção nº 2

AS ENTREVISTAS

   
 

A NOSSA ENTREVISTA A IVO LUCAS

Data: 04/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção - Como surgiu este convite para participar no FC2014?

Ivo Lucas - O convite surgiu por parte do João Só, com quem já tinha tido contacto antes para o meu projecto de música a solo. Convidou-me por conselho também da Lúcia Moniz, e depois de alguma reflexão da minha parte e de me aconselhar perto de próximos e experientes do assunto, decidi então atirar-me de cabeça. Música é algo que já faço desde os 8 anos, e tenho um álbum prestes a ser editado (onde a música "Pinta a Lua (no tom dos teus olhos" fez parte já de uma banda sonora de uma telenovela), mas este passo do Festival da Canção é o passo mais "forte" que dou. Nunca tinha posto a hipótese de participar, e confesso que o vou fazer completamente para me divertir, divertir quem vê, e para mostrar mais uma vez o meu lado musical e fazer cada espectador "viajar" neste belo mundo da música! O resultado? Depois penso nele! Mas não escondo que era um orgulho imenso representar as cores da minha bandeira lá fora!

 

FC - Como caracterizas o tema que irás interpretar?
IL- É um tema dentro do meu estilo musical. Felizmente o João Só foi impecável desde o início e ouviu as minhas ideias e vontades e escreveu de uma forma perfeita como só ele sabe (por alguma razão é um dos grandes talentos da actualidade). Vai ser algo novo/diferente do típico Festival da Canção que estamos habituados, o que é bom pois vai fazer com que todo o lote de mÚsicas desta edição seja diversificado. Gosto mesmo muito dela, e acredito que vai agradar toda a gente.

 

FC - Costumas seguir os Festivais da Canção e da Eurovisão? Que memórias tens destes eventos?
IL- Confesso que não sou um seguidor assíduo, mas claro que tenho bem presentes na minha mente algumas músicas que fizeram história! Em relação à Eurovisão, um dos momentos mais marcantes que ainda hoje revejo por gostar imenso, foi o momento em que um rapaz super simples, no meio de tanta música elaborada e forte, com palcos cheios de cenografia e luzes, aparece com uma só guitarra a representar a Bélgica, em 2010. Falo claro de Tom Dice, com a música "Me and my guitar".

 

FC - Qual é a tua canção preferida dos Festivais RTP (vencedora ou não)?
IL - Foram várias, o Festival da RTP tem músicas bastante marcantes que todos se lembram, de grandes artistas. Mas do mais recente, guardo um carinho muito especial pela música de Filipa Azevedo "Há dias assim", pois toda a melodia e interpretação faz qualquer um sonhar!

 
 

A SEGUNDA ENTREVISTA DE IVO LUCAS A FESTIVAIS DA CANÇÃO

 
Data: 14/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção -
O que o motivou a aceitar o convite de João Só para participar no Festival da Canção?
Ivo Lucas - Creio que só o privilégio de ser convidado por um artista como o João para um evento desta dimensão já foi um grande motivo/incentivo. Ao início até fiquei um pouco de pé atrás se poderia estar a altura deste desafio, mas após aconselhar-me com a Lúcia Moniz, não hesitei!

FC -
Como descreve Eu vou musical e poeticamente?

IL - É um tema bastante "orelhudo", animado, e convidativo a cantar, seja em que língua for. Uma refrão forte, para ser interpretado por qualquer país. Tenho muita confiança nesta letra/música.
 

FC -O lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?

IL - Cumpre do início ao fim. É impossível ficar indiferente a este tema, por se tratar de um estilo universal, festivo, e bastante alegre. 
 

FC - Expectativas para a sua canção neste Festival?

IL -  Sou ambicioso e acredito que tem todo o potencial para obter um bom resultado. Eu estou preparado para a contagiar a todos os espectadores. Por ser um estilo diferente, e com um refrão forte, tem tudo para agradar a todos!

 

FC - O sorteio ditou que fosse o segundo a subir ao palco. Desiludido ou satisfeito?

IL - Tento não pensar muito nisso. Se o público gostar, vai gostar independentemente da posição em que for apresentada. 

 

FC – Conhecidos os 10 intérpretes deste Festival com qual dos restantes 9 preferia fazer um dueto, extra concurso se lhe fosse pedido?

IL - Provavelmente com o Ricardo, por gostar do estilo que canta, ou com a Catarina Pereira por conhecê-la e admirar o seu trabalho.

 

FC – A escolha das 5 canções finalistas é feita apenas na noite de 8 de março, cabendo a cada número telefónico apenas 1 voto, ou seja, o último voto anula o anterior. Concorda com este método de escolha dos 5 finalistas face ao anteriormente exposto?

IL - Sim claro. Aliás, ajuda a comprovar a qualidade do artista, pois havendo só uma hipótese de voto, o espectador votará em quem realmente mais gostou.

 

FC – Este ano o método de seleção da canção vencedora é feito exclusivamente através do televoto sem restrição do número de chamadas por aparelho telefónico. Quer comentar?

IL -  Acho correcto. É o público quem decide e faz todo o sentido, sendo o público quem "consome". O artista que vencer comprova que a sua actuação atrai mais público.

 

FC – Considerando os seguintes dois factos:
Estar diariamente na telavisão (Beirais)
Ser um dos 3 intérpretes masculinos, havendo o historial que o televoto favorece os rapazes 
Acha que estas duas afirmações podem jogar a seu favor no televoto?

IL - Não, de todo. Beirais representa-me como actor. Existe historial de outros actores que participaram no FC e não foi por isso que conquistaram um lugar na Eurovisão ou mesmo na final do FC. Ser um dos 3 intérpretes masculinos também em nada influencia, basta vermos os vencedores do FC das últimas edições.

Creio que todos os votos que conseguir, serão de total mérito da canção e da minha actuação.

 

FC- Para além do Ivo quem mais poderemos ver em palco durante a sua atuação?
IL -
Não queria divulgar já isso! Mas o palco vai estar bem constituído ;)

FC
 - Das canções que venceram os Festivais da Canção e que desfilaram também com o nº2, escolha a sua preferida referindo porquê, são elas:
O vento mudou (67), Menina (71), Madrugada (75) e Amor de água fresca (92), Foi magia (2004).

IL -  Amor de água fresca claro! É uma música que 22 anos depois, ainda toda a gente canta.

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos de existência sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de participar na edição que comemora este aniversário?

IL - É uma sensação única. Poder fazer parte desta referência nacional, e ainda por cima no seu aniversário, é um dos momentos mais gratificantes da minha carreira. Estou muito grato pelo convite, e pela oportunidade que posso vir a ter em mãos. Não vou desiludir ninguém!

 

FC – Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão…

IL  Na minha opinião, a possível chave de uma vitória, é uma aposta num tema comercial, que se oiça facilmente numa rádio, aliado a uma interpretação animada e contagiante.


FC – Este espaço é seu apele ao voto, fale da sua canção e ou da sua equipa.

IL - Eu sou o Ivo Lucas, tenho 23 anos, sou actor, músico e cantor. Música está no meu sangue, e ponho-a em prática desde os meus 8 anos de idade. Sempre sonhei em levar o nome de Portugal com justiça além fronteiras. E tenho nas mãos a minha oportunidade. Juntamente com o João Só, acredito que criámos uma música pronta para fazer frente a qualquer outra na Eurovisão, e trazer o tão merecido título para a nossa /vossa casa. "Eu vou" é um tema alegre, divertido, e de bastante qualidade. Não tenho um grande apelo para fazer. Apenas prometer que vou dar o meu melhor, fazer aquilo que sei tão bem fazer em palco, e surpreender. Peço um voto sim de confiança, e de credibilidade. Irei pisar o palco do Convento do Beato com toda a seriedade, respeito, e vontade de mostrar que sou capaz.  


 

Canção nº 2

A BIOGRAFIA DE IVO LUCAS


Ivo Lucas
nasceu a 31 de Agosto de 1990, em Vila Franca de Xira. Entrou para o conservatório aos 8 anos, na vertente de piano. Durante 9 anos frequentou aulas de música, tocando para além de piano, viola, guitarra elétrica e saxofone e desenvolveu também aptidões de canto.

Participou na 6ª série de Morangos Com Açúcar, na TVI, onde desempenhou o papel de Gonçalo, personagem que também era músico, o que o fez por diversas vezes interpretar temas na novela. Seguiram-se várias participações como ator em novelas da TVI, das quais citamos Espírito Indomável, Remédio Santo, Doce Tentação e Destinos Cruzados. Participou também em Morangos Com Açúcar – o Filme.

Para além de ator, Ivo Lucas também é cantor, tendo interpretado desde 2009 vários temas, dos quais se destaca “Pinta a Lua (no tom dos teus olhos)”, presente na banda sonora da novela Destinos Cruzados.

Desde 2013 que desempenha o papel de Sandro Pedroso, na série da RTP, Bem-Vindos a Beirais, onde representa um jovem estilista numa pacata aldeia, uma série de qualidade que já vai em mais de 170 episódios.

O desafio chegou agora para participar no Festival RTP 2014, a convite do compositor João Só.

Fonte: Facebook Ivo Lucas, Blog de Fãs, Festivais da Canção    Autor: Miguel Meira   


 

Canção nº 2

OS VÍDEOS DE IVO LUCAS

  Ivo Lucas - Feelings Ivo Lucas - Use somebody Ivo Lucas - Pinta a lua no tom dos teus olhos


 

Canção nº 3

AS NOTÍCIAS

Data: 14/02/2014

CANÇÃO Nº3 NAS ASAS DA SORTE - OS 4 ELEMENTOS DO CORO

Fonte: Zana

em primeira mão


Zana
, a intérprete da Canção nº3, Nas asas da sorte, não vai estar sozinha em palco, antes pelo contrário, a cantora vai ter como back vocals 4 cantores do sexo masculino que revelamos em primeira mão;
Alexandre Sousa, cantor que esteve no Eurovision Live Concert integrado nos Be4rs e que a solo interpretou a canção vencedora do ESC 2007, Molitva. (foto 3 da esquerda para a direita)
Almir Moreno, cantor (foto 1)
David Guerreiro, vocalista do projeto Portugal ao Luar (foto 2)
Tiago Ribeiro, cantor (foto 4)

Está assim formada a equipa de palco da Canção nº3, nas asas da sorte, um tema de Jan van Dijck (música) e de Paulo Abreu Lima (letra).

   
Data: 24/02/2014

DIA 1 DE MARÇO NO URSUS BAR APRESENTAÇÃO DA EQUIPA DA CANÇÃO Nº3 NAS ASAS DA SORTE

Fonte: Jan van Dijck
 

A equipa da Canção nº3, Nas asas da sorte, convida todos os fãs a estarem presentes no próximo sábado, dia 1 de março, às 17h, no Ursus Bar, na Praça da Alegria, Lisboa, a fim de dar a conhecer os elementos responsáveis por esta canção.
Assim, vai poder estar em contacto com Zana, (a intérprete) e com os restantes elementos de palco: Alexandre Sousa, Almyr Moreno, David Guerreiro e Tiago Ribeiro.
Nas asas da sorte tem música de Jan van Dijck e poema de Paulo Abreu Lima, tema que não vai poder ouvir neste convívio porque todas as 10 canções estão interditas de apresentação publica até à noite de 8 de março, no Festival da Canção.

Deixamos aqui o convite feito pelos elementos da Canção nº3, Nas asas da sorte:
 

Aos Fans e simpatizantes do Festival RTP da Canção e da Eurovisão, 

Se quiserem conhecer a equipa que vai estar comigo em Palco no próximo dia 8 de Março a defender a Canção nº 3 “ NAS ASAS DA SORTE”, 

venham ter connosco no Sábado ao “Ursus Bar” na Praça das Flores a partir das 17h00. Ficarão a saber quase tudo !

Vai haver muita música e muitos convidados. A ideia é fazermos juntos a Festa.

   

Data: 1/03/2014

HOJE APRESENTAÇÃO PÚBLICA DA CANTORA E RESTANTE EQUIPA DA CANÇÃO Nº3 NAS ASAS DA SORTE

Fonte: Jan van Dijck


Vai ter lugar hoje, às 17h no Ursus Bar, na Praça das Flores nº43, em Lisboa a apresentação publica da equipa da Canção nº3, Nas asas da sorte.
Neste espaço vai poder confraternizar com Zana, a intérprete deste tema, assim como com os restantes elementos de palco: Alexandre Sousa, Almir Moreno, David Guerreiro e Tiago Ribeiro, também irão estar presentes o compositor do tema Jan van Dijck e o autor do poema Paulo Abreu Lima.

Os elementos desta canção auto intitulam-se como a Equipa de Fogo e prometem para hoje música e alegria.

Hoje às 17h Zana e restante equipa esperam por si no Ursus Bar com música e alegria.
   

Data: 1/03/2014

HOJE APRESENTAÇÃO PÚBLICA DA CANTORA E RESTANTE EQUIPA DA CANÇÃO Nº3 NAS ASAS DA SORTE

Fonte: Festivais da Canção

Realizou-se hoje no Ursus Bar a apresentação da equipa da Canção nº3, Nas asas da sorte, um tema de Jan van Dijck (música) e de Paulo Abreu Lima (letra) para a voz de Zana.
Nesta apresentação estive presente a OGAE Portugal, sendo representada por José Garcia (o presidente da organização) e por alguns elementos mais. A nível de sites, nós fomos o único site a marcar presença nesta apresentação com uma equipa de trabalho formada por André Godinho, Maria Fernanda Fonseca, Luís Pereira e Carlos Portelo.
Queremos ainda destacar algumas presenças como Nucha (a vencedora do Festival da Canção de 1990, com um tema que Jan van Dijck foi co-compositor) e Nuno Valério (autor dos poemas que Nucha levou ao FC2010 e que Tânia Tavares defendeu no FC2011).

Da equipa da canção nº3 marcaram presença Zana ( a intérprete da canção), Jan van Dijck (compositor), Marco Quelhas (produtor da canção) e Nuno Velez (estilista) e os elementos que vão estar no coro: Alexandre Sousa (proprietário do Ursus Bar), Almir Moreno, David Guerreiro e Tiago Ribeiro.

Revelamos, em primeira mão, que Zana vai ser vestida por Nuno Velez e que o tema vai ser coreografado por Paulo Jesus.

A apresentação musical começou com a atuação de Alexandre Sousa com a interpretação de Molitva, seguiu-se David Guerreiro que interpretou uma das canções de Beto, depois Tiago Ribeiro com uma canção de Andrea Bocelli, seguindo-se Almir Moreno, Zana em duo com Almir presenteram-nos a canção Perdoname de Pablo Alborán e Carminho. Os 4 meninos do coro interpretaram a canção de Luís Represas (Feiticeira), Marco Quelhas relembrou-nos a canção que em 2001 o levou também à Dinamarca (Só sei ser feliz assim) enquanto elemento dos MTM, Nucha foi convocada e juntamente com Almir Moreno interpretou Jardins proibidos de Paulo Gonzo e a terminar todos os elementos que vão subir ao palco em defesa da Canção nº3 interpretaram E depois do adeus.

Queremos destacar as grandes vozes dos 4 elementos que fazem parte do coro desta canção e foi unânime que eles são grandes intérpretes e que mereciam ser solistas neste ou em outro Festival da Canção.

No fim desta apresentação quisemos ouvir Zana que com a amabilidade e simpatia que lhe são características no disse estar muito emocionada e com os nervos à flor da pele por participar no Festival da Canção quando o mesmo comemora 50 anos, Zana sente-se honrada por fazer parte deste festival.
Sobre o tema que vai defender já no dia 8 no Festival da Canção Zana disse o seguinte: Posso adiantar que é uma fusão de estilos e que está dentro do estilo que eu mais gosto e que me vai perseguir para o resto da vida que é a música tradicional, não posso dizer muito mais que isto que é muito alegre e que tem muita força.


Canção nº 3

AS ENTREVISTAS

   
 

A NOSSA ENTREVISTA A ZANA

Data: 15/02/2014

exclusivo

Zana - Antes de começar a responder às vossas perguntas, quero enaltecer o apoio  que vocês dão ao Festival da Canção, dando-lhe o relevo e o reconhecimento de um evento por excelência da televisao pública, com a maior dignidade pela nossa música, e pelos artistas que deste país fazem parte, tratando de forma digna e igual cada um dos cantores que referem na vossa página, e muitas vezes até ajudando a promover os eventos e espetáculos que fazemos pelo país e não só. O meu obrigado a cada um de vós, ao Carlos Portelo, Luís Pereira, Miguel Meira, Guilherme Ruivo e André Godinho que trabalham para o sucesso do site Festivais da Canção.

 

Festivais da Canção - O que a motivou a participar no Festival da Canção 2014?

Zana - É algo que eu há muito desejava conseguir na minha Carreira e o facto do convite me ter sido feito por um Grande Compositor, “Yan Van Dijck”, com uma Canção que eu adoro e que tudo tem a ver comigo, e com a minha energia enquanto cantora.


FC - Como descreve nas Asas da sorte musical e poeticamente?

Zana - Nas Asas da Sorte é uma Canção com uma forte raiz Portuguesa abraçada á modernidade do arranjo musical, com um Poema lindíssimo do Paulo Abreu Lima

 

FC -O lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?

Zana - Está no tom perfeito.

 

FC - Expectativas para a sua canção neste Festival?
Zana - Essencialmente passar à final, para depois sim sonhar com a viagem à Dinamarca.

 

Festivais da Canção - O sorteio ditou que fosse a terceira a subir ao palco neste Festival. Desiludida ou satisfeita?
Zana - Nem uma, nem outra! Eu acredito no destino.

 

FC - Conhecidos os 10 intérpretes deste Festival com qual dos restantes 9 preferia fazer um dueto, extra concurso se lhe fosse pedido?
Zana - É obvio que tudo dependia do estilo da música em questão já que este festival tem grandes Vozes com características completamente distintas.

 

FC – A escolha das 5 canções finalistas é feita apenas na noite de 8 de março, cabendo a cada número telefónico apenas 1 voto, ou seja, o último voto anula o anterior. Concorda com este método de escolha dos 5 finalistas face ao anteriormente exposto?
Zana – Eu penso que esta opção foi pensada, unicamente, para possibilitar as pessoas que se possam enganar ou sentem dúvidas em relação ás musicas que preferem, de poder corrigir o seu voto para a sua canção favorita. Não vejo outra explicação...

 

FC – Este ano o método de seleção da canção vencedora é feito exclusivamente através do televoto sem restrição do número de chamadas por aparelho telefónico. Quer comentar?
Zana - O senão é que o televoto é ingrato no sentido que uma grande maioria das pessoas vota no seu cantor preferido e não obrigatoriamente no melhor interprete e na melhor canção. Mas regras são regras....

 

FC – Em 1997 defendeu no Festival da Canção o tema Rosa dos ventos, como foi para si essa participação e para si esse festival?
Zana - Em 1997 estava a despertar para a música em inicio de carreira! Foi uma experiência fantástica que me deixou um gostinho doce em sonhar de um dia mais tarde voltar a participar com a música certa e no momento certo.

É AGORA. Tenho mais maturidade musical, vocal, e outra atitude. Mas é claro que foi uma experiência que guardo para sempre na minha vida e que tenho na minha aprendizagem enquanto cantora.

FC - Das canções que venceram os Festivais da Canção e que desfilaram também com o nº3, escolha a sua preferida referindo porquê, são elas:
Tourada (73), Neste barco à vela (87) e Deixa-me sonhar (só mais uma vez) (2003).
Zana – Sem dúvida alguma a música Neste barco á vela , pois pela sonoridade bem portuguesa que a caracteriza e pela fusão de estilos musicais, que é uma das coisas que eu mais gosto na música...

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos de existência sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de participar na edição que comemora este aniversário?
Zana – Uma sensação muito especial, será sem dúvida mais uma etapa na história da RTP. E fazer parte do evento que é o Festival da Canção, torna-se parte da minha história também. Estou sem dúvida muito feliz.

 

FC – Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão…

Zana – Em 1º lugar, assumir definitivamente que tem meios e parceiros que garantam a realização do Festival da Eurovisão ( creio que já se manifestou esse propósito) e em 2º lugar, encontrar as pessoas certas com critérios qualitativos e atuais sobre a escolha das Canções para a realização de respetivo Festival dentro de portas.

 

FC – Este espaço é seu apele ao voto, fale da sua canção e ou da sua equipa. 

Zana - Quero essencialmente referenciar toda a equipa de produção que envolve este tema, que faz jus ao velho ditado português...”os amigos são para as ocasiões”....deram-me  todo o seu apoio, tempo, experiência profissional, o que torna esta canção ainda mais especial e com mais energia! Era uma vontade minha trabalhar com quem mais gosto e faz sentido e faz sentido que sejam eles. No final terei todo o prazer em dizer um por um as pessoas fantásticas e que são e que com todo o seu talento voamos “NAS ASAS DA SORTE”.

Comigo vai estar em Palco um coro masculino formado por:       

        - Tiago Ribeiro

        - Alexandre Sousa

        - Almyr Moreno

        - David Guerreiro

 

   
 
  FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA PAULO ABREU LIMA
Data: 21/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção – Como surgiu a parceria para participar como letrista neste Festival RTP?
Paulo Abreu Lima -
Foi com alguma surpresa mas enorme agrado que recebi em Janeiro o convite do Jan Van Dijck para participar no Festival da Canção. A nossa parceria já tem alguns anos e uma cumplicidade que me permite transmitir para o papel, com alguma facilidade as intenções que o Jan imagina quando compõe. Provavelmente foi esse entendimento a razão maior deste convite.
 

FC – Descreva-nos a sua canção do ponto de vista poético (da letra).
PAL -
Talvez que sugira aquele amor que nos prende ao mesmo tempo que contraditoriamente nos pode libertar… Ao sabor das marés ou “Nas Asas da Sorte”, mas sempre com a visão mais positiva.
 

FC – O título do seu tema é “Nas Asas da Sorte”. Em que se inspirou para este título?
PAL -
O título acaba por resumir de alguma maneira o cerne do poema, no contexto da música e tendo em conta a ideia que o seu compositor lhe queria dar.
 

FC – É a sua sexta participação como letrista neste certame. O que une ou diverge esta poesia das anteriores que levou ao Festival?
PAL -
O amor acaba por ser o elo de ligação entre todos os temas, ainda que com abordagens diferentes. As divergências terão a ver essencialmente com a construção do poema em si, sendo que alguns foram escritos ao mesmo tempo que a música, outros anterior ou posteriormente a ela. É evidente que este é um dos fatores que nos pode libertar mais ou limitar, em termos de poesia e do que se pretende transmitir.
 

FC – Este ano a escolha da canção vencedora recai exclusivamente sobre o televoto. Concorda com este método de votação? Porquê?
PAL -
Sem entrar em pormenores demasiado debatidos e com razão de ser, a exclusividade do televoto tem uma percentagem enorme de probabilidades de ser demasiado injusta, e outros festivais já comprovaram isso. Mas estas são as regras do jogo e é com elas que teremos de lidar quando aceitamos concorrer.
 

FC – Como se sabe este ano comemoram-se os 50 anos do primeiro Festival RTP da Canção. Qual é a sensação de ser parte integrante deste certame num ano tão especial?
PAL -
Sempre que concorro por convite, procuro corresponder integralmente às expectativas do compositor. E a melhor sensação é perceber que esse objetivo foi cumprido. Naturalmente que fazer parte dessa comemoração não deixa de ter para mim um sabor acrescido e que muito me honra, tendo em conta que se vão homenagear grandes nomes de compositores, letristas e intérpretes do panorama nacional. E para tantos e por vezes tão imerecidamente esquecidos, nunca será demais relembrar.

 

FC – À sua canção foi atribuído o nº 3 no desfile. Acha que a ordem do desfile poderá ter alguma influência na votação dos espectadores em casa?

PAL - Partindo do princípio que posteriormente todas as canções serão repassadas para que as dúvidas se possam dissipar… não! Quanto ao número em si, confesso que por ele nutro alguma simpatia. Quanto mais não seja porque nas corridas de carrinhos de rolamentos da minha infância sempre foi o meu número predileto e meio caminho andado para grandes vitórias.

 

FC – Dos temas que até hoje passaram pelos Festivais RTP qual ou quais considera a(s) melhor(es) letra(s)?
PAL - Sinto que seria uma enorme injustiça nomear alguns temas entre tantos que pela sua qualidade, seriam difíceis de medir ou comparar. A começar pelos Festivais da TV da “preto e branco” que guarda relíquias de cor e sabor incontornáveis, num baú com “sótãos” de riquezas que vale a pena explorar. “Canção de Madrugar” ressalta como exemplo na memória da minha meninice, como a primeira composição que me fez enaltecer grandes poetas e compositores, também eles tantas vezes sujeitos à injustiça de um evento que peca por ser imediato e breve.

 

FC – Este espaço é seu para divulgar o seu tema e a sua equipa. (poderá escrever algumas linhas para divulgar a sua canção).

PAL - “Nas Asas da Sorte” é um tema de Jan Van Dijck com muita alegria e de fácil ouvido, composto a pensar nas características do evento mas sem nunca descorar a qualidade de todos os seus componentes e intervenientes. A Zana e o Tiago Ribeiro, Alexandre Sousa, Almyr Moreno e David Guerreiro, serão provavelmente o epicentro de um vulcão com muito calor para vos dar… numa entrega d’ alma e coração!

   
 
  FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA JAN VAN DIJCK
Data: 25/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção – Ficou surpreendido com o convite da RTP para participar no FC deste ano?

Jan van Dijck  - Hmmmm que pergunta é esta?

    

FC – Porque escolheu Paulo Abreu Lima como o autor da letra da sua composição?

JVD - Não o escolhi! A canção já tinha nascido!

 

FC – Fale-nos da razão porque escolheu Zana para interpretar o seu tema?

JVD - Porque será?

 

FC – Já tinha esta canção feita ou compô-la propositadamente para o Festival?

JVD - Depois de ouvi-la falamos!

 

FC – Esta canção aproxima-se, afasta-se ou é uma rutura em relação às que apresentadou anteriormente nos Festivais da Canção?

JVD - A mesma resposta como na pergunta anterior

 

FC – Como vê o método de apuramento da nossa canção para o ESC, isto é, 100% televoto sem restrição do número de chamadas?

JVD - That’s the name of the game!

 

FC – Quem irá ser o estilista que vestirá a sua intérprete para a noite do Festival?

JVD - SURPRESAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!

 

FC – Como será a apresentação em palco da sua canção? Tem alguma coreografia/ marcação própria?

JVD - No dia 08 de Março próximo, vão ver!

 

FC – Na apresentação da sua canção em palco podemos ver algum efeito cénico especial?

JVD - Querem saber tudo antes do dia 8 de Março, assim não vale! São impacientes! Hahahaha!

 

FC – Que expectativas tem para a sua canção neste Festival?

JVD - Que acham?

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos. Por favor escolha uma das seguintes 3 opções como a mais correta para si:
A) O Festival da Canção é uma marca importante da RTP
B) O Festival da Canção extravasa a própria RTP, sendo uma referência nacional

C) Uma marca a descontinuar

JVD - A RTP sabe qual é a importância para ela! Se continuam a realizar o evento tenho a certeza que vale pena!

 

FC – Este espaço é para a sua canção diga o que pretender sobre ela e toda a equipa.

JVD - Vamos todos voar com “AS ASAS DA SORTE”

12 – Como vê  o atual panorama musical em Portugal quando muitos músicos e cantores estão sem trabalho?

 

13 – Fernando Tordo abandonou o país rumo ao Brasil face ao exposto na pergunta anterior. Quer comentar?

 

14 – O facto de não existir em prime time um programa musical com cantores profissionais, com exceção para as imitações não contribuirá fortemente para o desempregos dos nossos cantores e músicos?

 

15 – Quando existem cantores profissionais sem trabalho justifica-se existirem concursos para novos talentos?

 

16 – Este espaço é para a sua canção diga o que pretender sobre ela e toda a equipa.

Jan van Dijck optou por não responder a estas últimas perguntas face e passamos a citar:
 
Uma vez que se trata do FCRTP 2014, não respondi as perguntas 12, 13, 14, e 15 que não têm nada a ver com o mesmo.
Continuação de um bom trabalho, e é algo que até aqui o site "Festivais da Canção" tem prestado!


 

Canção nº 3

A BIOGRAFIA DE ZANA


Zana
é o nome artístico de Susana Pinto, nascida a 10 de Maio, em Lisboa. Começou desde cedo a interessar-se pela música, tendo o início da sua carreira musical sido na década de 90.

Em 1997 participou pela primeira vez no Festival RTP, com o tema “Rosa dos Ventos”, passando primeiro pelas semifinais, donde sai finalista, com um tema composto por Raimundo Martins e Simon Wadsworth e com letra de Fernando Soares. Ficou classificada em 7º lugar. Nesse mesmo ano participou no programa Chuva de Estrelas, onde interpretou o clássico “Son Of A Preacher Man”, numa imitação de Dusty Springfield, que apesar de elogiada não foi finalista.

No ano seguinte participou na Grande Noite do Fado, da qual se sagrou vencedora no Coliseu dos Recreios. A partir de 1998 a carreira de Zana consolidou-se através da participação em vários programas enquanto cantora residente. Primeiro com Paródia Nacional (1999) e Cantigas de Maldizer (2000), na SIC, com produção de Teresa Guilherme e depois fez parte do elenco magnífico do programa Sábado À Noite (2001), na RTP, produzido por Filipe La Féria. Neste último programa participou também enquanto actriz.

Em 2002, em conjunto com Marco Quelhas teve o projecto Duas Luas, do qual foi editado um CD e surgem inúmeros espectáculos. No ano seguinte Zana foi a cantora residente do Casino Estoril, onde permaneceu durante um ano. Em 2004 participou como cantora na tournée do espectáculo Portugal em Palco, dedicado unicamente à música portuguesa e onde estiveram presentes Marco Quelhas, Ana Paulino, Bruno Correia, Raquel Ferreira e Telmo Miranda, durante várias formações dado que este projecto permaneceu ao longo de vários anos em palco, correndo o país de lés a lés e que homenageava os últimos 35 anos da música portuguesa.

O ano de 2005 marcou o seu segundo trabalho discográfico e o primeiro editado a solo, com o título “Anel de Fogo”, que foi lançado no Midem em Cannes e no Womex em Newcastle. Este disco era composto por temas originais e três versões de temas de Jorge Fernando, Amália Rodrigues e Zeca Afonso. Os anos de 2005 e 2006 foram marcados pela tournée deste trabalho e nos anos seguintes continuou a participar no espectáculo Portugal em Palco.

Em 2009 gravou o seu terceiro álbum de originais em Inglaterra e nos anos seguintes participou em espectáculos com o seu novo projecto de pop, rock e dance intitulado Zana. No ano passado Zana foi uma das cantoras do espectáculo “50 anos, 50 cantigas” que esteve durante meses no Paradise Garage e que depois foi levado a vários sítios do país. Neste espectáculo eram interpretados alguns dos maiores êxitos da música portuguesa dos últimos 50 anos e contava no elenco com David Ripado, Lara Afonso, Rui Drumond e Suzana Pinto.

Actualmente Zana encontra-se a preparar um novo projecto e surgiu agora o desafio da participação no Festival RTP com o tema “Nas Asas da Sorte”, da autoria de Paulo Abreu Lima e Jan Van Dijck.


Fonte: Zana, Wikipédia
, Festivais da Canção
   Autor: Miguel Meira   


 

Canção nº 3

OS VÍDEOS DE ZANA

  Zana no musical 50 anos, 50 cantigas Zana & Silvana Faustino - Enough is enough Zana & Silvana Faustino - O destino marca a hora


 

Canção nº 4

AS NOTÍCIAS

   
 

CANÇÃO Nº4 MAIS PARA DAR - A EQUIPA DE PALCO REVELADA

Data: 21/02/2014  


Os  responsáveis pela Canção nº4 já revelou os elementos de palco que irão acompanhar Carla Ribeiro no Festival da Canção. Assim o tema Mais para dar, com música de Hélder Godinho e poema de Marina Ferraz vai ser defendido por Carla Ribeiro (a intérprete) e pelas vozes de suporte Joana Campelo (foto 5) e Tânia Tavares (foto 6), na bateria estará David Jerónimo (foto 4), no baixo Pedro Martinho (foto 3) e na guitarra Miguel Caiado (foto 2).


Canção nº 4

AS ENTREVISTAS

   
 

A NOSSA ENTREVISTA A HÉLDER GODINHO

Data: 08/02/2014

exclusivo


No passado dia 6, quinta-feira, revelámos, em primeira mão que Tiago Pais Dias tinha desistido de apresentar um tema para o Festival da Canção, tendo sido substituído por Hélder Godinho.
Hoje iremos apresentar a nossa entrevista feita a Hélder Godinho que amável e prontamente nos respondeu. Este compositor faz parte da banda The Agency que em 2010 participou no Festival com o tema As coisas são, porém é a nível individual que Hélder Godinho participa no Festival da Canção 2014.
Passamos desde já a publicar a respetiva entrevista.

 

Festivais da Canção - Como reagiu ao convite para participar diretamente no Festival da Canção?
Hélder Godinho - O convite surgiu de uma forma bastante inesperada mas confesso que reagi com entusiasmo e alegria.

 

FC – Qual a importância que tem para si ter um tema no programa de referência da televisão em Portugal? 

HG - Em 2010 tive já a oportunidade de estar presente no Festival da Canção. Tal como nesse ano, sinto agora que é uma honra apresentar um tema onde, antes de mim, passaram tantos nomes sonantes da música portuguesa.

FC – Já tem a sua canção pronta? 

HG - O convite, como já disse, foi inesperado. Encontro-me, de momento, a finalizar a música. 


FC
– Qual o título do seu tema? 

HF - Prefiro, para já, deixar esta questão em aberto.

 

FC – Por favor tente caracterizar a sua canção. 

HG - Trata-se de um tema dentro do estilo pop-rock.

 

FC – A letra e música são da sua autoria? Caso não seja com quem divide a autoria da sua canção? 

HG - A música é de minha autoria mas conta com letra da autora Marina Ferraz, com quem faço parceria na maioria dos meus temas originais. Podem ouvir em: https://www.facebook.com/heldergodinhomusic.


FC – Qual o cantor(a) que irá subir ao palco do Convento do Beato para defender a sua canção? 

HG - Mais uma vez, para já, prefiro não revelar.

FC – Costuma acompanhar os Festivais da Canção? 

HG - Costumo acompanhar sempre que tenho hipótese para tal.
 

FC – Qual a primeira memória que tem deles? 

HG - Não me recordo exactamente do primeiro festival que vi mas lembro-me de ouvir os meus irmãos a cantarolar as músicas do festival pela casa.

 

FC – De todas as canções vencedoras qual ou quais as suas preferidas? 

HG - Houve diversos temas que muito me disseram no festival mas a minha favorita foi, sem dúvida o "Sol de Inverno"

 

FC – E das não vencedoras? 

HG - Das não vencedoras, terei de dizer "As coisas são". ;)

   
 
 

A NOSSA ENTREVISTA A CARLA RIBEIRO

Data: 15/02/2014

exclusivo

 

Festivais da Canção - Depois de integrar vários coros nos Festivais e de ter estado em semifinais online, chegou a altura de ser a intérprete principal, Como surgiu o convite para participar no Festival?
Carla Ribeiro - O Hélder Godinho foi convidado e ligou-me para me convidar a cantar o tema dele.

 

FC - O que a motivou a aceitar esse convite?
CR - Gosto muito do Hélder e da Marina e já trabalhei com ele. Sabia que nos íamos entender e gostei do tema.

 

FC - Como descreve o tema Mais para dar musical e poeticamente?
CR - É uma canção pop rock com uma mensagem simples mas positiva.

 

FC - O lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?                

CR - A mensagem é positiva e a musica tem muita energia,  penso que sim, cumpre os requisitos.

 

FC - Expectativas para a sua canção neste Festival?
CR - Espero ir o mais longe possível. Se possível Copenhaga :)

 

FC - O sorteio ditou que fosse a quarta intérprete a subir ao palco neste Festival. Desiludida ou satisfeita?
CR - Preferia ficar mais para o final. Mas é indiferente, se o publico gostar vota!

FC – Quantos elementos irão estar em palco para além da Carla e que papéis irão desempenhar?
CR – Ainda não está decidido.

 

FC – Conhecidos os 10 intérpretes deste Festival com qual dos restantes 9 preferia fazer um dueto, extra concurso se lhe fosse pedido?
CR - Ricardo Afonso.

 

FC - A escolha das 5 canções finalistas é feita apenas na noite de 8 de março, cabendo a cada número telefónico apenas 1 voto, ou seja, o último voto anula o anterior. Concorda com este método de escolha dos 5 finalistas face ao anteriormente exposto?
CR - Acho preferível sim.

 

FC – Este ano o método de seleção da canção vencedora é feito exclusivamente através do televoto sem restrição do número de chamadas por aparelho telefónico. Quer comentar?

CR - Preferia que houvessem restrições para não existirem duvidas sobre a quantidade de votantes em cada canção.


FC – Em 2012 integrou a equipa da canção vencedora, como foi viver a experiência de ter estado no palco da Eurovisão?
CR - Foi muito bom, tenho memorias muito boas desses dias. Fiz muitos amigos no meio eurovisivo e o palco do eurovision é Avassalador.

 

FC - Das canções que venceram os Festivais da Canção e que desfilaram também com o nº4, escolha a sua preferida referindo porquê, são elas: A festa da vida (72), Esta balada que te dou (83),Como tudo começou (99) e Dança comigo (vem ser feliz) (2007).            

CR - Esta Balada que te dou porque foi das primeiras que me lembro de cantar como espectadora adolescente atenta do festival.

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos de existência sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de participar na edição que comemora este aniversário?
CR - É uma honra fazer parte da historia do festival!

 

FC – Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão¼
CR - Escolher uma canção com um som moderno e actual e não uma canção tradicional.

 

FC – Este espaço é seu apele ao voto, fale da sua canção e ou da sua equipa.
CR – Deixem-nos levar a nossa alegria, simpatia e jovialidade, lá fora queremos muito marcar a diferença. Beijinhos a todos e que ganhe o melhor.

   
 
 

A NOSSA ENTREVISTA A MARINA FERRAZ

Data: 16/02/2014

exclusivo

   

Festivais da Canção – Como surgiu a parceria para participar como letrista neste Festival RTP?
Marina Ferraz - O trabalho que tenho vindo a desenvolver, enquanto letrista, com o Helder Godinho, começou já há alguns anos, em 2010. Temos, em conjunto, bastantes originais, alguns dos quais podem ouvir na página de youtube do compositor. No que respeita a este Festival, a parceria manteve-se. Gostamos de trabalhar juntos e dos resultados finais dessa parceria.

 

FC – Descreva-nos a sua canção do ponto de vista poético (da letra).

MF - A letra da "Mais para dar" trata-se de um poema simples, sem grandes artifícios de escrita. É direta e foca uma situação comum, pela qual creio poder afirmar que quase todas as pessoas terão passado, num momento ou outro. Trata-se de um poema que foca, principalmente, o amor próprio e a esperança no futuro, apesar das adversidades da vida.

 

FC – O título do seu tema é “Mais para dar”. Em que se inspirou para este título?

MF - A canção foi intitulada como "Mais para dar" depois do poema estar escrito, pelo que "nasceu" de um dos versos mais fortes do mesmo.

 

FC – Este ano a escolha da canção vencedora recai exclusivamente sobre o televoto. Concorda com este método de votação? Porquê?

MF - Na minha opinião, o voto do público é e sempre será o mais importante (independentemente de haver, ou não, outro modo de votação). Fazemos músicas e letras para o público. Atuamos para ele. O televoto é, talvez, a melhor forma de sabermos como é que as pessoas a quem nos dirigimos respondem ao nosso trabalho.

 

FC – Como se sabe este ano comemoram-se os 50 anos do primeiro Festival RTP da Canção. Qual é a sensação de ser parte integrante deste certame num ano tão especial?

MF - Fazer parte do Festival da Canção, independentemente de qual o ano, é algo que me faz sentir muito orgulhosa e feliz. Sendo os 50 anos do certame, sinto-me ainda mais realizada. É realmente a concretização de um sonho.

 

FC – À sua canção foi atribuído o nº 4 no desfile. Acha que a ordem do desfile poderá ter alguma influência na votação dos espectadores em casa?

MF - Acredito que talvez a ordem possa ter alguma influência. Ainda assim, acredito mais que a qualidade da música o tem, pelo que, independentemente da ordem, acredito que passarão as favoritas do publico.

 

FC – Dos temas que até hoje passaram pelos Festivais RTP qual ou quais considera a(s) melhor(es) letra(s)?

MF - Conseguiria estar aqui infinitamente a enumerá-las. A "Sol de Inverno", a "Desfolhada", "Depois do Adeus", "Flor sem tempo", "Silêncio e tanta gente", "Chamar a música", "O meu coração não tem cor", "Lusitana Paixão", "Antes do Adeus" e  tantas outras... há muito boas letras na história do Festival...

 

FC – Este espaço é seu para divulgar o seu tema e a sua equipa. (poderá escrever algumas linhas para divulgar a sua canção).

MF - Acredito verdadeiramente que o tema "Mais para dar" se trata de uma canção forte, cheia de power e que poderá fazer com que muitos se identifiquem com ela. Quanto à equipa que acompanhará a Carla Ribeiro em palco, o que posso para já revelar é que é constituída por excelentes profissionais, com os quais, à partida, confesso ter imenso orgulho de poder trabalhar. Quem são? ;) Em breve saberão...

 

   
 
  FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA HÉLDER GODINHO
Data: 3/03/2014

exclusivo

 


Festivais da Canção – Ficou surpreendido com o convite da RTP para participar no FC deste ano?

Hélder Godinho - Sim, fiquei muito surpreendido com o convite, até porque sabia que já tinham sido escolhidos todos os compositores do Festival deste ano.

 

FC – Como descreve a sua canção?

HG - Trata-se de uma canção Pop/Rock com uma sonoridade, no meu entender, internacional.

FC – Fale-nos dos motivos que o levaram a escolher Marina Ferraz para escrever a letra da sua composição e Carla Ribeiro para a interpretar?
HG -
Já trabalho com a Marina há alguns anos e sempre combinámos perfeitamente a escrita com a música. Quando o convite me foi feito foi apenas natural que se tenha estendido à Marina Ferraz.

Quanto à Carla considerámos que ela tinha a voz perfeita para este tema e como já tinha trabalhado com ela sabia que faríamos uma boa equipa.

 

FC – Já tinha esta canção feita ou compô-la propositadamente para o Festival?

HG - Fiz o tema a pensar no Festival da Canção, curiosamente antes do convite. Iria enviar maquete na primeira oportunidade que surgisse. Foi mais cedo do que pensava... :)

 

FC – Esta canção aproxima-se, afasta-se ou é uma rutura em relação às que habitualmente compõe para o seu próprio reportório?

HG - O meu repertório é bastante vasto, por vezes passando pelo Rock outras vezes por música de orquestra. Este tema é sem dúvida um dos vários reflexos do que faço. Aproxima-se de um dos estilos que costumo compor ao mesmo tempo que se afasta de outros.

 

FC – Como vê o método de apuramento da nossa canção para o ESC, isto é, 100% televoto sem restrição do número de chamadas?

HG - As regras foram bem definidas pela RTP e aceito-as como estão. Enquanto músico e compositor o que desejo apenas é que gostem da nossa música.

 

FC – Quem irá ser o estilista que vestirá a seu intérprete para a noite do Festival?

HG - Deixámos o guarda-roupa nas mãos da RTP. A Carla será vestida pela Cátia Castel-Branco.

 

FC – Como será a apresentação em palco da sua canção? Tem alguma coreografia/ marcação própria?

HG - Não queremos revelar muito do que se passará em palco. O que posso dizer é que vão querer estar atentos à nossa atuação.

FC – Na apresentação da sua canção em palco podemos ver algum efeito cénico especial?

HG - Como disse na questão anterior, fiquem atentos.

 

FC – Que expectativas tem para a sua canção neste Festival?

HG - A expetativa é a de apresentar uma boa canção, uma boa atuação e proporcionar um bom espetáculo ao público no Convento do Beato e aos espetadores da RTP. O resto é bónus. :)

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos. Por favor escolha uma das seguintes 3 opções como a mais correta para si:
A) O Festival da Canção é uma marca importante da RTP
B) O Festival da Canção extravasa a própria RTP, sendo uma referência nacional
C) Uma marca a descontinuar

HG - Escolheria a B.

 

FC – Como vê  o atual panorama musical em Portugal quando muitos músicos e cantores estão sem trabalho?

HG - O panorama musical em Portugal é algo com que vivo diariamente. De facto, não é fácil... Estou solidário com todos os meus colegas e desejo que o panorama melhore. Até lá, cabe-me compor a melhor música que sei fazer.

 

FC – Fernando Tordo abandonou o país rumo ao Brasil face ao exposto na pergunta anterior. Quer comentar?

HG - Peço desculpa, mas sinto que não me cabe comentar esta temática.

 

FC – O facto de não existir em prime time um programa musical com cantores profissionais, com exceção para as imitações não contribuirá fortemente para o desempregos dos nossos cantores e músicos?

HG - Mais uma vez sinto que não sou a pessoa indicada para comentar esta questão.

 

FC – Quando existem cantores profissionais sem trabalho justifica-se existirem concursos para novos talentos?

HG - Acho que sim. Os novos talentos merecem uma hipótese apesar de tudo.
 

FC – Este espaço é para a sua canção diga o que pretender sobre ela e toda a equipa.

HG - A nossa equipa é formada por excelentes profissionais. Temos vozes e músicos fabulosos. Espero realmente que o público goste do nosso tema “Mais para dar”, porque estamos realmente a dar o nosso melhor. Levaria este tema não apenas ao Festival mas a qualquer lado porque independentemente do resultado me orgulho dele. Espero que o público goste tanto como eu e vote na canção nº 4.


 

Canção nº 4

A BIOGRAFIA DE CARLA RIBEIRO


Carla Ribeiro
nasceu a 20 de Junho. Desde cedo que começou a destacar-se no campo musical tendo já uma carreira com cerca de 20 anos. A sua estreia televisiva ocorreu em 1993, na rubrica “Um Lugar Ao Sol”, do programa Sons do Sol, apresentado por Júlio Isidro. Em 1996 concorreu à terceira série do programa Chuva de Estrelas, no qual foi finalista com a imitação de Tina Turner, no tema “What You Get Is What You See”, classificando-se em 3º lugar. Durante a década de 90 actuou em vários bares e em 1998 fez parte do elenco residente do programa “Canções da Nossa Vida”, onde interpretou vários estilos musicais. Ao longo da década de 2000 participou em vários programas televisivos como cantora. Participou na primeira edição do programa A Voz de Portugal (2011/2012), onde se classificou em 8º lugar, no entanto foi uma das melhores cantoras que passou pelo programa.

Para além disto tem cantado em especiais de programas como Marchas Populares, Praça da Alegria, Portugal No Coração, Somos Portugal, entre outros. Tem colaborado também em vários eventos da OGAE Portugal, nomeadamente na OGAE Summer Party 2012, na Feira de Santiago em Setúbal e também no Eurovision Live Concert do ano passado onde interpretou de forma magnífica o tema “Tu Te Reconnaîtras” e em dueto com Alexandros Panayi, o tema “Nomiza”.

No que diz respeito aos Festivais RTP esta é a sua quarta participação efectiva, para além de ter feito coros de diversas canções. Em 2001 participou pela primeira vez como vocalista do grupo Eden, com o tema “Na Promessa Desse Olhar”. Este tema fez parte da 4ª semifinal e classificou-se em 9º lugar, não tendo sido apurado para a final. Em 2009, Carla Ribeiro voltou a concorrer ao Festival como vocalista do grupo Infantes de Sagres, onde interpretou “O Beijo de Quando Te Vais Embora”. Este tema ficou-se pela semifinal online, em 15º lugar. O mesmo acontece em 2011, onde pela primeira vez a solo interpretou o tema “Só Acontece Uma Vez” e mais uma vez não ficou apurada para a final, dado o 17º lugar obtido na semifinal online. Fez coros para diversas canções dos Festivais, começando em 2007, no tema “Ai de Quem Nunca Cantou”, interpretado por Teresa Radamanto Em 2010 fez os coros dos temas “Quem É Que Será” e “Meu Coração Não É Meu”, interpretadas por David Navarro e Nina Pinto, respectivamente. Em 2011 e 2012 fez parte da equipa de Carlos Coelho nos coros, primeiro em “Sobrevivo”, interpretada por Carla Moreno e depois com “Vida Minha”, com a qual Filipa Sousa se sagra vencedora. Carla Ribeiro é uma das vozes que vai até Baku representar o nosso país.

Surge agora a oportunidade de Carla Ribeiro mostrar todo o seu potencial com “Mais Para Dar”, da autoria de Marina Ferraz e Hélder Godinho.

 

Fonte: Festivais da Canção    Autor: Miguel Meira   


 

Canção nº 4

OS VÍDEOS DE CARLA RIBEIRO

  Carla Ribeiro - Sol de Inverno Carla Ribeiro - Proud Mary Carla Ribeiro - River Work it out


 

Canção nº 5

AS NOTÍCIAS

   
 

RICARDO AFONSO FALA DO SEU TEMA EMOÇÃO

Data: 29/01/2014

exclusivo


Ricardo Afonso
falou, em exclusivo, ao site Festivais da Canção e revelou o título do seu tema: Emoção, assim como outros aspetos da sua aposta ao Festival da Canção 2014.
Sobre a sua canção Ricardo caracterizou-a do seguinte modo:

O Luis o Rui e eu próprio temos os três um "dentinho guloso" pela musica Rock. E a nossa proposta para a edição deste ano do Festival Da Canção é isso mesmo, uma vénia sem melancolismos ao Rock Português de varias gerações... estamos a trabalhar para que a musica e a letra inspirem com uma mensagem positiva, jovem e contemporânea...
 

Ricardo Afonso é o autor da letra da canção que vai levar ao palco do Convento do Beato e conta-nos como esta foi surgindo:

Comecei a escrever esta letra já há alguns anos... e tem-se vindo a desenvolver tal como eu... somos amigos de longa data! ;-)

Ricardo Afonso participou em várias produções de Filipe La Féria, entre muitas participações em programas de televisão e também em vários espetáculos teatrais. Nos últimos este ator e cantor anos tem estado a viver e a trabalhar no Reino Unido, onde tem feito enorme sucesso nos musicais ingleses, sendo protagonista no musical dedicado aos Queen, onde detém o papel principal.

   
REVELAMOS OS ELEMENTOS DE PALCO DA CANÇÃO Nº5 EMOÇÃO
Data: 26/02/2014

em primeira mão


Os elementos de palco da Canção nº5, Emoção, foram hoje revelados ao nosso site pelo seu intérprete.
Assim, a equipa de palco da Canção nº5, Emoção, vai ser constituída pelos seguintes elementos:
Ricardo Afonso - Vocalista, Irina Furtado - Tecla e Voz, André Rodrigues - Guitarra e Voz, Ricardo Quintas - Guitarra e Voz, Thierry Borges - Baixo e David Jerónimo - Bateria.

Esta canção é da autoria do próprio intérprete e também dos compositores Luís Fernando e Rui Fingers, segundo nos revelou Ricardo Afonso e também Luís Fernando trata-se de um tema pop rock, possivelmente o único a concurso com estas características.

 


Canção nº 5

AS ENTREVISTAS

A NOSSA ENTREVISTA A LUÍS FERNANDO

Data: 10/02/2014

exclusivo


Luís Fernando
é um dos co-autores da canção Emoção que Ricardo Afonso irá defender no Festival da Canção. Este tema tem ainda a co-autoria de Rui Fingers e do próprio intérprete.
Luís Fernando foi co-autor da letra da canção Penso em ti (eu sei) que Adelaide Ferreira levou à Eurovisão em 1985.  Nos anos 80 Luís Fernando trabalhou muito com Adelaide Ferreira quer na composição de algumas canções desta intérprete, quer mesmo a acompanhá-la em palco. Dos vários sucessos de Adelaide Ferreira o compositor e autor Luís Fernando deu o seu contributo a temas como: Vem no meu sonho (2º lugar no Festival OTI), Dava tudo, Coqueirando, Boa ou má arte, Foi por amar-te, Bichos, Baby suicida e Trânsito.
Mais tarde Luís Fernando acompanhou musicalmente Simone de Oliveira, nomeadamente, no programa da RTP Internacional, Café Lisboa e na produção do álbum e do concerto Simone me confesso aquando da comemoração dos 40 anos de carreira desta cantora.

 

Festivais da Canção - Como nasceu este projeto chamado Emoção?

Luís Fernando - Vem de um trabalho que eu, o Ricardo Afonso e o Rui Fingers, temos estado a desenvolver.

 

FCTanto quanto foi divulgado esta canção já existia independentemente do Festival da Canção. Como surgiu a ideia de a levar ao Festival?

LF - Foi um convite que o Ricardo Afonso recebeu e que aceitamos imediatamente.


FC –
Como surgiu a parceria com o Rui Fingers e o Ricardo Afonso?

LF - Remonta a 98/99 quando começamos a trabalhar num projecto nosso.

FCComo descreve o tema Emoção?

LF - Tem uma textura PopRock, por assim dizer e globalmente é uma canção positiva.

 

FCO lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?

LF - Completamente!

 

FCQuais as expectativas que tem em relação à sua canção neste festival?

LF - Que marque a diferença, já que o interprete é fora de série.

FC – O método de apuramento das 5 finalistas e da canção vencedora é assente 100% no televoto. Concorda que a canção vencedora seja escolhida apenas pelo método do televoto?

LF - Qualquer que seja o método, desde que seja justo…

FC – Há 29 anos foi co-autor da letra do tema Penso em ti (eu sei) que Adelaide Ferreira levou à Eurovisão, quer falar-nos dessa experiência?

LF - Foi isso mesmo, uma experiencia que deu para entender alguns pontos do funcionamento da Eurovisão.

FC – Em 2009 consta que concorreu ao Festival com o tema Não me importa com letra de Simone de Oliveira para Wanda Stuart, canção que não foi selecionada. Quer comentar?

LF - Fui totalmente apanhado de surpresa, já que não sabia de nada acerca dessa participação…


FC – O Festival da Canção comemora 50 anos de existência sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de ter uma canção a participar na edição que comemora este aniversário?

LF - É uma bela prenda de anos…


FC – Quais as canções que passaram pelos Festivais da Canção (vencedoras ou não) que mais gosta?

LF - Por motivos vários, não tenho seguido atentamente o evento…

 

FC – Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão…

LF - Quando houver uma verdadeira aposta de varias entidades…

Agradecemos a Luís Fernando a sua colaboração.

   
FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA RICARDO AFONSO
Data: 17/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção - O que o motivou a aceitar o convite da RTP para participar no Festival da Canção?

Ricardo Afonso - Não foi preciso grande motivação! É uma honra estar presente na maior tradição da televisão Portuguesa. Especialmente com a oportunidade única de interpretar uma música que eu compus juntamente com dois grandes amigos. Seja qual for o resultado final, nós os três já nos sentimos vencedores só por essa razão. 

 

FC- Como descreve Emoção musical e poeticamente?
RA - Nós tentámos trazer algo diferente à edição deste ano. A canção tem bastante energia, a mensagem é positiva e o discurso directo. Tenho vindo a desenvolver a letra já há algum tempo. E decidi basear o tema em nós, os Portugueses todos, cá e lá fora no estrangeiro. Sem querer deixar notas de rodapé, pois acho que a interpretação do significado da letra pertence a cada pessoa individualmente, a música fala da nossa paixão, do nosso querer e do nosso dever de inspiração do futuro. 

 

FC -O lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?

RA - Sem duvida. É um tema rock, bem disposto e divertido. E eu pessoalmente acho  que é próprio de uma noite de Eurovisão. Claro que isso será para os Portugueses decidirem. 

 

FC - Expectativas para a sua canção neste Festival?

RA - Que seja bem recebida tal como todas as outras. Aliás desejo que tudo corra bem a todos os outros concorrentes, para tornar a noite verdadeiramente inesquecível. E claro para fazer da escolha dos Portugueses uma tarefa difícil. 

 

FC - O sorteio ditou que fosse o nº5 a subir ao palco. Desiludido ou satisfeito?

RA - A posição é indiferente. Os números não me dizem nada. Mas pode-se dizer que no meio está a virtude... 

FC – Quais são os elementos que o irão acompanhar em palco e que funções irão desempenhar?
RA - Ainda não tenho a lista completa Carlos. Estamos quase lá...

 

FC – Conhecidos os 10 intérpretes deste Festival com qual dos restantes 9 preferia fazer um dueto, extra concurso se lhe fosse pedido?

RA - Infelizmente ainda não tive a oportunidade de ouvir as vozes todas, tenho estado bastante ocupado com a nossa canção. Mas faria de bom gosto um dueto com todos.  

 

FC – A escolha das 5 canções finalistas é feita apenas na noite de 8 de março, cabendo a cada número telefónico apenas 1 voto, ou seja, o último voto anula o anterior. Concorda com este método de escolha dos 5 finalistas face ao anteriormente exposto?

RA - Acho perfeitamente justo este método. 

 

FC – Este ano o método de seleção da canção vencedora é feito exclusivamente através do televoto sem restrição do número de chamadas por aparelho telefónico. Quer comentar?

RA - A decisão e os comentários sobre o método de selecção da canção vencedora à RTP pertencem... Eu irei cantar e representar a nossa música com o resto da nossa equipa. 

 

FC – Considerando os seguintes dois factos:

RA - A projeção que tem no Reino Unido e fazer parte do grupo restrito de portugueses que fazem sucesso no estrangeiro.

Ser um dos 3 intérpretes masculinos, havendo o historial que o televoto favorece os elementos do sexo masculino.

Acha que estas duas afirmações podem jogar a seu favor no televoto?

RA - Eu espero bem que sim!!! Pois olhando para a concorrência vou precisar de toda a ajuda exterior, não vai ser nada fácil... e eu não gosto de perder... Hehehe...

Sinceramente, eu espero que em casa escolham a música e a/o intérprete que dê a Portugal a melhor possibilidade de vencer a Eurovisão...

Ou seja A CANÇÃO NÚMERO 5!!! ;-)

 

FC - Das canções que venceram os Festivais da Canção e que desfilaram também com o nº5, escolha a sua preferida referindo porquê, são elas:

Verão (68), E depois do adeus (74), Conquistador (89) Lusitana paixão (91) e Senhora do mar (2008).

RA - Lusitana Paixão. Simples. A Voz da Dulce é fenomenal. 

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos de existência sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de participar na edição que comemora este aniversário?

RA - Com muita alegria. Já ouvi algumas das ideias, e o espectáculo deste ano vai estar repleto de surpresas. É um bom ano para fazer parte da lista de canções e intérpretes. Somos uns felizardos!

 

FC – Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão…

RA - É sempre difícil ganhar a Eurovisão. A concorrência é enorme... Eu até acho que Portugal já teve canções que podiam ter ganho... 

Sugestão? 

Talvez escolher a música que se enquadre com o ambiente de festa da Eurovisão. 

Talvez levar a música que tenha mais "Emoção" à Eurovisão. 

Talvez escolher a canção certa: A CANÇÃO NÚMERO 5!!! 

Mas isto são só sugestões... A decisão aos Portugueses pertence.

 

FC – Este espaço é seu apele ao voto, fale da sua canção e ou da sua equipa.

RA - A nossa canção fala da força da nação Portuguesa, fala de não baixar os braços quando a situação parece impossível de resolver. Nós queremos levar a nossa paixão e a nossa "Emoção" à Dinamarca. 

Visitem a página Ricardo Afonso Music no Facebook  e juntem-se à equipa EMOÇÃO!!

   
FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA RICARDO AFONSO
Data: 27/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção – Ficou surpreendido com o convite da RTP para participar no FC deste ano?

Ricardo Afonso - Sim mas muito satisfeito!

 

FC – Como também é co-autor do poema por favor queira referir sobre o que fala a sua canção.

RA - A autoria da letra é só minha. E como já tive oportunidade de referir na ultima entrevista: Nós tentámos trazer algo diferente à edição deste ano. A canção tem bastante energia, a mensagem é positiva e o discurso directo. Tenho vindo a desenvolver a letra já há algum tempo. E decidi basear o tema em nós, os Portugueses todos, cá e lá fora no estrangeiro. Sem querer deixar notas de rodapé, pois acho que a interpretação do significado da letra pertence a cada pessoa individualmente, a música fala da nossa paixão, do nosso querer e do nosso dever de inspiração do futuro

 

FC – Fale-nos como nasceu a parceria com Rui Fingers e Luís Fernando?

RA - Já nos conhecemos há mais de 15 anos. Conheci o Rui numa sessão de Estudio que fiz para os Sétimo Céu, e o Luís no espectáculo Quem Tem Boca Vai Ao Roma com a Simone de Oliveira. Anos mais tarde viemos a ter uma banda, e até tivemos contrato assinado com a Sony. Como o tempo passa...

 

FC – Já tinha esta canção feita ou compô-la propositadamente para o Festival?

RA - A canção já existia de certa maneira, embora não no formato que agora tem. Trabalhámos na harmonia, melodia, letra e estrutura para servir os vários critérios do Festival e da Eurovisão.

 

FC – Esta canção aproxima-se, afasta-se ou é uma rutura em relação às que habitualmente interpreta?

RA - É diferente. Embora a sonoridade Rock que tem é algo que eu gosto muito. 

 

FC – Como vê o método de apuramento da nossa canção para o ESC, isto é, 100% televoto sem restrição do número de chamadas?

RA  - 100% televoto parece bastante democrático e justo...

 

FC – Quem irá ser o estilista que o irá vestir para a noite do Festival?
RA - A informação que disponho é que seremos todos vestidos pelo mesmo estilista...

 

FC – Como será a apresentação em palco da sua canção? Tem alguma coreografia/ marcação própria?

RA - Surpresa!

 

FC -  Quem serão os elementos de palco que o irão acompanhar em palco e que funções desempenharão?

RA -  Irina Furtado - Tecla e Voz, André Rodrigues - Guitarra e Voz, Ricardo Quintas - Guitarra e Voz, Thierry Borges - Baixo e David Jerónimo - Bateria.

 
FC – Na apresentação da sua canção em palco podemos ver algum efeito cénico especial?

RA - Veremos...

 

FC – Que expectativas tem para a sua canção neste Festival?

RA - Como já tive oportunidade de referir: Que seja bem recebida como todas as outras. Aliás desejo que tudo corra bem a todos os outros concorrentes, para tornar a noite verdadeiramente inesquecível. E claro para fazer da escolha dos Portugueses uma tarefa difícil

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos. Por favor escolha uma das seguintes 3 opções como a mais correta para si:

A) O Festival da Canção é uma marca importante da RTP

B) O Festival da Canção extravasa a própria RTP, sendo uma referência nacional

C) Uma marca a descontinuar

RA - Opção B claro!

 

FC – Como vê o atual panorama musical em Portugal quando muitos músicos e cantores estão sem trabalho?

RA - Com tristeza...

 

FC – Fernando Tordo abandonou o país rumo ao Brasil face ao exposto na pergunta anterior. Quer comentar?

RA - Todos temos sonhos e ambições e alguns deles muito pessoais. Sobre o Fernando Tordo a ele terá de perguntar. Eu decidi arriscar em 2005 e vir para Inglaterra... O que me custou muito na altura... Mas era necessário para mim perseguir os meus desejos e por isso deixei a minha família e amigos para continuar a minha carreira noutro país... A aposta hoje prova-se certa pois fui feliz no momento da decisão... Eu acredito em "fazer". E não em "falar que vou fazer". Tem sido assim na minha vida profissional e pessoal. Esta é a única maneira que eu sei viver. 

 

FC – O facto de não existir em prime time um programa musical com cantores profissionais, com exceção para as imitações não contribuirá fortemente para o desempregos dos nossos cantores e músicos?
RA - Um pouco... Acho que se está a tocar ao de leve num assunto tão enraizado da cultura Portuguesa. Pode ser um bom princípio mas outras medidas terão de começar a ser feitas já para se colher mais tarde. A falta de oportunidades também se deve à situação económica da qual Portugal está a lutar para sair... Eu sou um optimista realista... Vamos pensar positivo para o resultado ser positivo. Mais apostas nos nossos jovens e na juventude musical. Eu acredito ser possível. 

 

FC – Quando existem cantores profissionais sem trabalho justifica-se existirem concursos para novos talentos?

RA - Portugal tem de se manter de igual com o resto do mundo. O que não se pode perder é o consagrar dos músicos que já existem. A situação do mundo da música para mim às vezes é difícil de engolir, mas não é por isso que eu vou desistir ou baixar os braços... Se não dá de uma maneira tenta-se de outra. A meu ver ninguém se deve sentir estabelecido. Eu próprio decidi fazer parte do The Voice no Reino Unido em 2013, porque queria acumular mais uma experiência e abrir mais portas... A minha carreira profissional tinha na altura 17 anos... Nunca é tarde para se tentar coisas novas... 

 

FC – Este espaço é para a sua canção diga o que pretender sobre ela e toda a equipa.

RA - A nossa canção fala da força da nação Portuguesa, fala de não baixar os braços quando a situação parece impossível de resolver. Nós queremos levar a nossa paixão e a nossa "Emoção" à Dinamarca. 

 

Visitem a página Ricardo Afonso Music no Facebook  e juntem-se à equipa EMOÇÃO!!

 


 

Canção nº 5

A BIOGRAFIA DE RICARDO AFONSO


 

Ricardo Afonso nasceu a 15 de Outubro de 1974, em Luanda. A sua carreira começou nos anos 90 a fazer-se notar, quer como cantor, quer como ator. No ano de 1996 concorreu ao programa Todos Ao Palco (RTP) com produção de Filipe La Féria. Foi um dos finalistas do programa o que o fez trabalhar em várias produções deste encenador no ano seguinte, entre as quais se destacaram o entre-act do Festival RTP 1997, onde interpretou o tema “Hold Me Now” de Johnny Logan e na gala de 40 anos da RTP. Nesse ano concorreu com a sua banda ao programa Reis do Estúdio, chegando à final deste concurso.
 

No ano seguinte participou como corista no Festival RTP 1998, nos temas interpretados por Carlos Coincas e Janot. Em 1998 participou também no musical “Camaleão Virtual Rock”, dirigido por Filipe La Féria. Fez várias participações especiais em filmes e séries portuguesas como ator, entre as quais “Jaime” (1999), “A Hora da Liberdade” (1999), “Jornalistas” (2000), “Uma Aventura no Palácio da Pena” (2000) e “Aniversário”. Em 2001 foi um dos cantores residentes do programa Danza Café na RTP.

Ricardo Afonso fez também dobragens para vários filmes de animação dos quais se destacam Spirit – Espírito Selvagem, Shrek, Os Lorax, 102 Dálmatas e A Bela e o Monstro, na qual interpretou o tema principal de forma excelente em dueto com Rita Guerra. Em 2000, em conjunto com Rui Fingers produziu os temas para a banda sonora da série Super Pai (TVI) posteriormente editada em CD.
 

Em 2005 mudou-se para o Reino Unido, onde tem tido um enorme sucesso. Foi durante três anos protagonista do musical de tributo aos Queen, “We Will Rock You”, onde teve um enorme sucesso, chegando a abrir a cerimónia dos Jogos Olímpicos de 2012, em frente ao Palácio de Buckingham. De 2011 a 2013, Ricardo Afonso desempenhou o papel de Alberto Beddini no musical Top Hat, no West End, também em Londres.
 

Em 2011 é convidado pelo maestro Nuno Feist para cantar na cerimónia dos Globos de Ouro (SIC) em conjunto com Sofia Escobar e Madalena Alberto, nomes que fazem um enorme sucesso nos musicais londrinos.

Ricardo Afonso voltou a ser falado o ano passado pela sua participação no programa The Voice UK, tendo deixado o júri boquiaberto com a sua interpretação de “Hard To Handle”. Com esta participação veio a Portugal a diversos programas de televisão onde fala do seu sucesso além-fronteiras.

Em 2014 é um dos compositores convidados pela RTP, que em parceria com Rui Fingers e Luís Fernando vão dar a conhecer o tema “Emoção”, interpretada pelo próprio Ricardo Afonso.
 

 

Fonte: Festivais da Canção    Autor: Miguel Meira   

 

Canção nº 5

OS VÍDEOS DE RICARDO AFONSO

Ricardo Afonso - No teu poema Ricardo Afonso - Show must go on Ricardo Afonso - Hard to handle


Canção nº 6

AS NOTÍCIAS

 

 

 

RUI ANDRADE VESTIDO POR JOSÉ MARIA OLIVEIRA

Data: 27/02/2014

em primeira mão


Rui Andrade o autor do poema e o intérprete da Canção nº6, Ao teu encontro, vai ser vestido no Festival da Canção pelo criador José Maria Oliveira que juntamente com o grupo a Cruzeta Torcida o apoiam no Festival da Canção de 2014.

Rui Andrade tem este ano a sua 3ª participação consecutiva nos Festivais da Canção e como pudemos observar desde os ensaios à grande noite Rui sempre primou por não deixar nenhum pormenor ao acaso, este intérprete é um grande profissional que valoriza as canções que lhe dão para interpretar, quer pelo seu potente poder vocal, quer pela sua imagem, quer ainda pelo seu excelente profissionalismo.
A presença de Rui Andrade nos Festivais da Canção de 2011 com Em nome do amor e em 2012 com Amor a preto e branco constituíram momentos muito altos dos respetivos eventos.


Canção nº 6

AS ENTREVISTAS

   
 

RUI ANDRADE EM ENTREVISTA

Data: 05/02/2014

exclusivo


Rui Andrade
, em entrevista, ao nosso site revelou que está cada vez mais apaixonado pela sua canção, não querendo desvendar muito sobre o seu tema para não quebrar muito a surpresa.
Esta vai ser a terceira participação de Rui Andrade no Festival da Canção, depois de Em nome do amor e de Amor a preto e branco chegará a vez de...

Festivais da Canção - Como caracterizas a tua canção, em que estilo musical a inseres?
Rui Andrade - Não vou desvendar por agora o estilo musical, nem as características da nossa canção... Tenho apenas a dizer que estou cada dia mais apaixonado por ela... Tem uma mensagem intemporal e positiva... Creio que será difícil ficar totalmente indiferente a uma canção como a nossa... mas estou muito ansioso pela chegada do festival para que possa levar a público esta canção...


FC - Qual o autor da letra?
RA - O autor da letra sou eu... Tendo eu uma ajuda importantíssima do meu amigo e produtor Dale Chappell...

FC - Caso a tua canção já tenha título e queiras partilhar... 

RA - Já tem titulo... Mas prefiro não revelar também :)

 

Quero desde já agradecer, todos os comentários, todas as formas carinhosas que tenho recebido relativamente a esta minha terceira participação no Festival... É o meu sonho... Vou lutar mais uma vez por concretizá-lo!


Agradecemos a Rui Andrade esta entrevista e a sua usual simpatia.

 

   
 

 

A NOSSA ENTREVISTA A MARC PAELINCK

Data: 09/02/2014

exclusivo


O compositor Marc Paelinck, autor do tema que Rui Andrade vai defender no Festival da Canção de 2014 concedeu-nos a entrevista que passamos a publicar, agradecendo desde já a sua colaboração. O poema desta canção é da autoria do próprio Rui Andrade.
 

Festivais da Canção - Como nasceu o seu projeto para Festival da Canção?
Marc Paelinck - O meu amigo Olivier Vanhoutte falou-me do Rui Andrade e no primeiro momento em que ouvi  a sua voz, numa sua prestação ao vivo, eu tive a certeza que ele seria o candidato perfeito para o Eurofestival, deste modo escrevi uma canção propositadfamente para ele. Quando o Rui ouviu a canção, pela primeira vez, ele ficou agarrado à sua cadeira e de boca aberta e isto foi apenas o princípio de um sonho maravilhoso. O melhor presente que um compositor pode ter é quando o seu cantor fica eufórico com a sua canção :)

 

FC – Como reagiu quando soube que o seu projeto tinha sido aprovado pela RTP? 

MP - Fiquei obviamente muito satisfeito. Nós iremos fazer com que a RTP nunca lamente esta sua decisão.

FC – Como descreve a sua canção? 

MP - É uma canção que encaixa a 100% no Rui. A melodia foi feita para o Rui poder mostrar todas as suas potencialidades vocais e acreditem que ele as tem. Ao longo da minha carreira não encontrei muitos cantores com estas qualidades. Para ir à Eurovisão é necessário um cantor estável que possa suportar a pressão em palco que atue e que pense como um profissional e tudo isto é o Rui. No que se refere aos detalhes da canção nós preferimos manter a surpresa total.


FC
– A escolha da canção vencedora do Festival vai ser da responsabilidade total do televoto. Quen pensa deste método de votação? 

MP - Honestamente eu não sou grande fã do método de votação baseado 100% no televoto porque tenho assistido a algumas vitórias, nas seleções para o ESC,  de alguns cantores apenas face ao seu elevado número de fãs, na medida em que se um um cantor for muito popular, isso o pode beneficiar. Porém, este facto não constitui uma garantia para o ESC, o que tem sido provado várias vezes. De facto isto não deveria pesar na decisão final. A única coisa importante deveria ser a canção e a interpretação que tocará o público no seu coração e nada mais que isto.

 

FC – Vai estar presente no Festival da Canção em Lisboa?

MP - Infelizmente não vou poder estar presente na semifinal devido a compromissos já assumidos há já alguns meses. Mas eu quero acreditar que Rui fará com que a canção passe à final e então, certamente, estarei presente na final.

 

FC – Quais são as suas canções portuguesas preferidas que representaram Portugal na Eurovisão? 

MP - Lusitana paixão por Dulce Pontes em 1991, O meu coração não tem cor (1996) por Lúcia Moniz e Senhora do mar por Vânia Fernandes em 2008.

FC – Por favor deixe aos nossos leitores uma mensagem acerca da sua canção e respetivo intérprete. 

MP - A mensagem que eu quero deixar a todos os portugueses é que de facto eu fiz uma canção do fundo do meu coração para o Rui Andrade de um modo honesto e puro e na verdade não posso imaginar um cantor melhor para a interpretar, ao vivo. Ele é realmente fantástico...!

   
 
 

A NOSSA SEGUNDA ENTREVISTA A RUI ANDRADE

Data: 15/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção  - Como nasceu este projeto para o Festival?

Rui Andrade - Este projeto nasceu a partir do facebook por incrível que pareça… Conheci através desta rede social aquele que viria a ser hoje em dia a pessoa que trata dos meus trabalhos internacionais… Através dele, conheci o Marc Paelinck, que escreveu a canção que até hoje me arrepia sempre que oiço, e que me emociona, e que tanta honra me dá de poder cantar no Festival da Canção 2014.

 

FC - Como descreve Ao teu encontro musical e poeticamente?

RA - Ao teu encontro, tem uma letra simples, as palavras certas para expressar aquilo que eu sinto perante os meus sonhos e tudo o que faço para os concretizar dia-a-dia… obviamente que a palavra Eurovisao não está escrita na letra, mas implicitamente está, assumindo eu que esta canção fala basicamente do meu sonho eurovisivo de representar com tudo o que tenho, posso e sei, a nossa bandeira, o nosso país. Musicalmente, é uma balada linda, uma melodia mágica, e um instrumental com uma sonoridade que não estamos habituados a ter no nosso festival…

 

FC -O lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?

RA - Cumpre no facto de a temática ser positiva… A canção deixa um sorriso em quem a ouve (pelo menos as que ouviram até agora)… Vá… e algumas lágrimas, de alegria portanto, também…

 

FC - Expectativas para a sua canção neste Festival?

RA - Espero obviamente, e como qualquer outro colega que subirá ao palco do Convento do Beato, que tenha a melhor classificação possível… Mentiria se dissesse que não, que a minha canção tem todas as hipóteses de ganhar… Mas quem decide é o publico como todos sabemos…

 

FC - O sorteio ditou que fosse o nº6 a subir ao palco. Desiludido ou satisfeito?

RA - Satisfeito… Gosto de números pares… É um numero redondo… Confesso que gosto muito!
 

FC – Quantos elementos irão estar em palco?
RA - Sem estar ainda 100% definido, provavelmente estarei eu mais 5 backing vocals…

FC – Quer revelar os nomes dos elementos de palco?
RA - Estão definidos, mas não irei revelar para já!

 

FC – O que distingue esta canção das 2 anteriores que levou ao Festival?
RA - Na minha opinião a canção mais forte que levei… “Em nome do amor” era uma canção épica… em que eu como cantor contava uma historia de amor transposta para o tempo das nossas descobertas… Portanto longe da minha realidade… “Amor a preto e branco” era aquela canção que as pessoas que gostaram, gostaram logo, as que não gostaram, odiaram ou que foram aprendendo a gostar consoante foram ouvindo… “Ao teu encontro” considero ser a mais verdadeira de todas… primeiro porque serão cantadas palavras minhas, segundo porque é positiva, é verdadeira… fala de mim… fala do meu sonho!!!

 

FC – Conhecidos os 10 intérpretes deste Festival com qual dos restantes 9 preferia fazer um dueto, extra concurso se lhe fosse pedido?
RA - Conhecendo a maioria deles, diria todos… Sempre gostei e apoiei a Catarina Pereira, e embora sendo amigos nunca cantámos um dueto “à seria” os dois… O Ivo, a Zana nunca tive oportunidade de os ouvir enquanto cantores, embora me lembre perfeitamente do Ivo, bem pequenino, quando a irmã, Diana Lucas, concorreu ao Ídolos, edicão onde também estive e nos conhecemos… Carla Ribeiro, já fizemos alguns trabalhos juntos… o Ricardo Afonso, é sem duvida uma das vozes que eu mais admiro, não tirando merito aos outros colegas… Eu, ator de musicais em Portugal, obviamente acompanho o trabalho dele, e é verdadeiramente extraordinário… Lara Afonso, uma voz muito agradável que daria realmente um dueto bastante engraçado entre nós… Raquel Guerra, fez comigo Morangos Com Açúcar
J, e é também uma voz que admiro e adoraria poder dividir o palco… Tanto a Madalena com a Suzy, não conheço realmente bem musicalmente, nem pessoalmente… Assim sendo, e mais uma vez não tirando o mérito, adoro dividir o palco com o Ricardo Afonso!

 

FC – A escolha das 5 canções finalistas é feita apenas na noite de 8 de março, cabendo a cada número telefónico apenas 1 voto, ou seja, o último voto anula o anterior. Concorda com este método de escolha dos 5 finalistas face ao anteriormente exposto?

RA - Não tenho ideia definido confesso… já pensei em vários cenários… Aquilo que eu mais espero e desejo é que o publico seja respeitado… e que seja realmente a canção que o público escolha…

 

FC – Este ano o método de seleção da canção vencedora é feito exclusivamente através do televoto sem restrição do número de chamadas por aparelho telefónico. Quer comentar?

RA - Mesmo comentário à pergunta anterior…


FC – Considerando os seguintes dois factos:
O facto de ser uma figura mediática que tem aparecido com alguma regularidade na televisão.
Ser um dos 3 intérpretes masculinos, havendo o historial que o televoto favorece os elementos do sexo masculino.

Acha que estas duas afirmações podem jogar a seu favor no televoto?

RA - Estamos a especular algo que não sabemos… o público sabe o que faz… e votará na canção, na imagem, na força do interprete que mais o fizer sentir algo com a sua actuação… assim sendo, estamos todos em pé de igualdade… acho eu… J

 

FC - Das canções que venceram os Festivais da Canção e que desfilaram também com o nº6, escolha a sua preferida referindo porquê, são elas:
Onde vais rio que eu canto (70), Silêncio e tanta gente (84) e Voltarei (88).

RA - Silencio e tanta gente é uma das mais belíssimas canções que se fizeram no nosso país… é sem duvida a minha favorita… Podendo eu recair também para o Voltarei da minha amiga Dora, por uma questão sentimental dada a nossa proximidade enquanto profissionais e enquanto amigos J

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos de existência sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de participar na edição que comemora este aniversário?

RA - Uma honra mais uma vez… Uma honra ainda maior pelo facto de sermos convidados pela própria RTP, para estar presente neste Festival… O Festival é sem duvida um dos pontos que nunca passa indiferente, para mim claro, na programação da RTP… e que na minha opinião tem vindo a crescer novamente com os últimos anos… e isso é extremamente positivo, para os músicos, para a propria RTP, para Portugal J

 

FC – Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão…

RA - Sugestao??? Quem segue a Eurovisão sabe que há muitos meandros que desconhecemos e que alteram as classificações finais… ao contrário de muitos, eu acredito que somos capazes… não pela nossa grandeza económica, mas pela nossa simplicidade… Uma das frases que mais me agrada ouvir a Ruslana (vencedora de 2004) no vídeo de apoio que disponibilizou na internet é dizer que eu tenho sorriso bonito, tal como Portugal tem um sorriso bonito… acredito que os europeus gostem do nosso país, e que consigamos a vitoria, com a nossa simplicidade, com o nosso “sorriso” característico… Ah… e acredito que será uma vitoria cantada em português… (Apenas palpite).

 

FC – Este espaço é seu apele ao voto, fale da sua canção e ou da sua equipa.

RA - Mais um festival… Mais uma possibilidade de realizar o meu sonho… O profissionalismo é o mesmo… o rigor e o espírito de entrega a este festival é ainda maior… como maior é a vontade de representar Portugal… Eu acredito que irão gostar muito do meu “Ao teu encontro”, e assim sendo, espero que façam justiça a esta canção tanto quanto eu acho que merece… e me deixem representar-vos com a minha voz, e com a minha força, e com todo o amor pelo meu país…

 

 
 
 

FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA RUI ANDRADE

Data: 1/03/2014

exclusivo


Festivais da Canção – Ficou surpreendido com o convite da RTP para participar no FC deste ano?

Rui Andrade - Não sei se surpreendido, mas efectivamente muito feliz… só significa que a RTP gostou dos meus projectos nos festivais anteriores e me deram mais esta oportunidade…

 

FC – Como também é autor do poema por favor queira referir sobre o que fala a sua canção.

RA - “Ao teu encontro” é uma canção que fala na sua generalidade sobre os nossos sonhos, o nosso futuro, tudo o que vida tem guardada para nos dar… estando implicitamente na letra da canção, e foi realmente o “mote” para esta canção, o meu sonho de representar Portugal na Eurovisao… Não é segredo nenhum, já o disse varias vezes… é sem duvida o meu sonho de criança, o sonho que eu quero muito alcançar.

 

FC – Fale-nos como nasceu  este projeto e a parceria com Marc Paelinck?

RA - Conheci o Marc através do meu actual manager internacional, Olivier Vanhoutte… E para felicidade minha, o Marc identificou-se bastante com a minha voz, com a minha entrega em palco… e entre outros projectos, surgiu este “Ao teu encontro”

 

FC – O seu compositor já tinha a música feita ou fê-la propositadamente para o Festival e para si?

RA - A canção foi escrita para mim… claro em inglês, sendo pensada para um futuro eurovisivo, tendo eu criado a letra da canção em português…

 

FC – Esta canção aproxima-se, afasta-se ou é uma rutura em relação às 2 que levou anteriormente ao Festival?

RA - Tenho dito que esta é a canção mais verdadeira, mais minha das 3. O “Em nome do amor” era uma canção épica, contando na sua letra, uma historia sobre amor, amor como sentimento, amor ao nosso país, amor a tudo o que conquistámos nos descobrimentos… “Amor a preto e branco” tinha um poema lindo na minha opinião, que na minha visão, falava sobre a “intermitência” dos nossos sentimentos… neste momentos gostas muito de algo, no momento seguinte nem tanto, sendo a vida um jogo onde esta “intermitência” esta sempre a acontecer… Como tal, “Ao teu encontro” fala de mim, fala dos meus sonhos, fala sobre o que eu quero que me aconteça… que é sem duvida, ganhar o festival e representar Portugal.

 

FC – Como vê o método de apuramento da nossa canção para o ESC, isto é, 100% televoto sem restrição do número de chamadas?

RA - Quero acreditar, que ganhará o concorrente com quem as pessoas mais se identifiquem… Neste tipo de jogo, há sempre quem não jogue desta forma, sendo na minha opinião um desrespeito para os portugueses… mas eu acredito que será uma selecção justa, sendo escolhido o concorrente que mais agrade e a canção que mais toque o coração dos espectadores…

 

FC – Quem irá ser o estilista que o irá vestir para a noite do Festival?

RA - Serei vestido pelo estilista José Maria Oliveira, criador que já me veste há sensivelmente um ano… Estou muito feliz com a escolha… Deixo um agradecimento ao José Maria Oliveira, e ao grupo Cruzeta Torcida que me estão a apoiar para este festival…

 

FC – Como será a apresentação em palco da sua canção? Tem alguma coreografia/ marcação própria?
RA - Temos algumas ideias, mas preciso de ver o palco na sua proporção real, para que possamos criar um momento televisivo bonito!


FC - Quem serão os elementos de palco que o irão acompanhar em palco e que funções desempenharão?

RA - Ainda não os apresentei… irá acontecer nos proximos dias J

 

FC – Na apresentação da sua canção em palco podemos ver algum efeito cénico especial?

RA - Vamos esperar…

 

FC – Que expectativas tem para a sua canção neste Festival?

RA - Tenho muita vontade de mostrar esta canção, de principalmente ser esta canção que trago a concurso naquele que é o Festival onde toda a minha vida sonhei entrar e ganhar… Quero muito que as pessoas oiçam e gostem do “Ao teu encontro”…

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos. Por favor escolha uma das seguintes 3 opções como a mais correta para si:
A) O Festival da Canção é uma marca importante da RTP
B) O Festival da Canção extravasa a própria RTP, sendo uma referência nacional

C) Uma marca a descontinuar

RA - Resposta B obviamente… embora com menos “seguidores” que no passado, vejo um “renascer” do festival e é sem duvida um dos pontos de honra da nossa RTP!

 

FC – Como vê o atual panorama musical em Portugal quando muitos músicos e cantores estão sem trabalho?

RA - Da pior maneira possível claro… Escolhi para mim uma área muito pouco estável para viver e trabalhar (hoje em dia todas são, eu sei)… E felizmente não me posso queixar que desde que comecei profissionalmente a trabalhar na área da musica/teatro/televisão, nunca parei… justifico esta minha não paragem, pelo facto de ser profissional, pelo facto de vestir totalmente a camisola dos projectos que abraço… mas sei que há muitas dificuldades… vivemos num país em crise económica é certo, mas também vejo muita crise ética e moral… oportunidades dadas não a quem tem talento, mas sim a quem já tem todas as oportunidades e mais algumas na vida; o dinheiro a movimentar muito os nossos dias, e isso reflete-se também na nossa área… Quero acreditar, e acredito, que Portugal vai recuperar brevemente, e que os portugueses vão olhar para nós, artistas, também de outra forma…

 

FC – Fernando Tordo abandonou o país rumo ao Brasil face ao exposto na pergunta anterior. Quer comentar?

RA - Não há muito para comentar… Um homem com um talento reconhecido por muitos, mas não “requisitado” por esses mesmos muitos… É de louvar a coragem e a força…

 

FC – O facto de não existir em prime time um programa musical com cantores profissionais, com exceção para as imitações não contribuirá fortemente para o desempregos dos nossos cantores e músicos?

RA - O conteúdo televisivo tem fases… talent shows vão existindo, sendo descobertas grandes cantores, mas que depois não são bem guiados, nem apostam como deveriam no seu futuro… sim, a musica deveria ter mais cobertura por parte das nossas televisões, mas como referi numa das perguntas anteriores, isto é um problema geral… de mentalidades… nem a televisão é culpada, nem os restantes media…

 

FC – Quando existem cantores profissionais sem trabalho justifica-se existirem concursos para novos talentos?

RA - Claro que sim… Ninguém tira espaço a ninguém… existem imensos novos cantores à espera de uma oportunidade… e porque não dar-lhe essa oportunidade? Creio é que tudo tem de ser mais pensado, mais estruturado, mais organizado para oferecer aos portugueses, mais e novas formas de crescerem culturalmente, buscando os cantores profissionais, aliando-se aos novos cantores que vao aparecendo, dando conteúdo e sabedoria e interesse a quem vê e ouve…

 

FC – Este espaço é para a sua canção diga o que pretender sobre ela e toda a equipa.

RA - Primeiro: obrigado ao “festivais.home.sapo.pt”, pela simpatia, e por sempre me darem oportunidade de expor o que a maioria das pessoas não sabe sobre os meus projectos…

Segundo: agradecer a todos os que me apoiam, que fazem questão de me enviarem mensagens de carinho e apoio, e que dizem sentir-se bem representados caso seja eu o escolhido para representar Portugal na Eurovisão 2014.

Terceiro: Espero que ao ouvirem a minha canção se emocionem da mesma forma que eu me emocionei quando a ouvi… Espero que vibrem da mesma forma que eu vibro cada vez que a canto… E, peço a todos que votem… que votem na canção que gostem mais obviamente, e que a minha seja a vossa favorita… J


Canção nº 6

A BIOGRAFIA DE RUI ANDRADE


 

Rui Andrade nasceu em Amarante a 1 de Janeiro de 1985. Conta com mais de 10 anos de carreira, com prestações notáveis em diversas áreas: música, teatro e televisão. Tem formação musical desde os 8 anos e que ainda actualmente tem aulas de canto com a professora Ana Luísa Cardoso.

A sua primeira presença televisiva foi no programa Reis da Música Nacional (TVI) e logo depois em 2003 participou em Nasci P’ra Música. No entanto, o seu talento veio a ser notado pela sua participação na primeira edição do programa Ídolos, também em 2003, onde se classificou em 11º lugar. Em 2005, Rui Andrade participou no programa Portugal a Cantar (RTP) e no ano seguinte foi o vencedor do passatempo “Canta com Rita Guerra” no programa Você Na TV, o que o levou em Março de 2006 a actuar ao lado da cantora no Coliseu dos Recreios. A partir daí a sua carreira não parou de crescer, quer como cantor, quer como presença habitual como actor em diversos musicais, programas televisivos e mesmo novelas.

Como actor, Rui Andrade protagonizou a peça José e o Deslumbrante Manto de Mil Cores, no Coliseu do Porto e no Teatro Gil Vicente, em 2006. Estreou-se pela mão de Filipe La Féria no musical Jesus Cristo Superstar (2007). Seguiu-se O Principezinho (2007) e Música No Coração (2007). Como protagonista assumiu o papel de Tony em West Side Story – Amor Sem Barreiras (2008). Dado a isto continuou a trabalhar com o encenador desde então em vários trabalhos: Um Violino No Telhado (2008/2010), Piaf (2009) e Uma Noite em Casa de Amália (2012), onde desempenhou o papel de militar.

Em televisão, Rui Andrade participou na 7ª série de Morangos Com Açúcar, onde desempenhou o papel de João Pedro Diniz no elenco principal. Nesta série gravou dois temas na banda sonora em CD: “Last Night A DJ Saved My Life” e “Leva-me À Descoberta”. Foi protagonista também do concerto “Morangos Com Açúcar ao vivo nos Coliseus”, em Setembro de 2010, primeiro em Lisboa e depois no Porto. Rui Andrade protagonizou também em 2011 o telefilme Até que a Vida nos Separe (TVI) e em 2012 foi um dos actores da novela Doce Tentação (TVI). Foi director vocal da 8ª série de Morangos Com Açúcar e das Galas TV 7 Dias, em 2012 e 2013, sendo que neste último participou também no espectáculo dedicado aos musicais.

Ao longo da sua carreira tem participado em vários programas televisivos dos quais se destacam Você Na TV, Uma Canção Para Ti e A Tua Cara Não Me É Estranha - Duetos.

Rui Andrade participou pela primeira vez no Festival RTP 2011, como intérprete do tema “Em Nome do Amor”, com letra de Carlos Meireles e música de Artur Guimarães. Foi um dos temas favoritos da noite, uma balada épica, ficando em 3º lugar. Actuou no Eurovision Live Concert 2011 onde interpretou um medley de temas eurovisivos. Em 2012 voltou a concorrer ao Festival com o tema “Amor A Preto e Branco”, da autoria de Miguel Majer e Inês Vaz, classificando-se novamente em 3º lugar. Em 2012 recebe o convite para participar no vídeo promocional da canção “Quédate Conmigo” de Pastora Soler e participou novamente no Eurovision Live Concert em Setembro. Representou Portugal no Festival Internacional de Música George Grigoriu, na Roménia, com o tema “Amor A Preto e Branco” e um tema tradicional deste país tendo recebido um prémio do município.
 

Desde Junho de 2013 que está no elenco principal da Grande Revista À Portuguesa, de Filipe La Féria, no Teatro Politeama, onde representa várias personagens.

Rui Andrade é um dos concorrentes ao Festival RTP 2014, com um tema com letra sua e música de Marc Paelinck.

Festivais da Canção, Facebook Rui Andrade Festival da Canção 2014, Wikipédia

 

Canção nº 6

OS VÍDEOS DE RUI ANDRADE

  Rui Andrade - Em nome do amor Rui Andrade - Amor a preto e branco Rui Andrade - Alive



Canção nº 7

AS NOTÍCIAS

   
Data: 27/01/2014

JOÃO MATOS NO  FESTIVAL DA CANÇÃO

Fonte: João Matos

exclusivo


Continuamos a divulgar os compositores convidados, pela RTP,  para o Festival da Canção de 2014. Hoje revelamos, em exclusivo, o nome de João Matos que nos confirmou que está a compor um tema para o Festival em parceria com Vítor Antunes.
No que concerne ao intérprete e caracterização do tema deixamos aqui as palavras de João Matos:
Em relação ao vocalista ainda não consigo confirmar neste momento quem irá cantar, assim como a própria canção uma vez que estamos numa fase de composição.

João Matos foi um dos dois produtores do primeiro cd de Áurea. Fica o suspense que será o intérprete.

   
   


Canção nº 7

AS ENTREVISTAS

   
 

FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA LARA AFONSO

Data: 16/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção - Como reagiu ao convite para participar no Festival da Canção?
Lara Afonso - Com um grande sorriso! Não estava a espera. Mas eu gosto de ser surpreendida e gosto muito do festival da canção! Só podia dizer que sim, ainda para mais com um convite feito pelo João Matos e pelo Miguel  Ferrador, não havia como recusar!  

 

FC - Como descreve O teu segredo musical e poeticamente?

LA - Como um segredo que tantos querem ver desvendado. Acredito que todos nós Já quisemos um dia saber um segredo assim! 

 

FC -O lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?

LA - Se cantar me faz feliz, só posso dizer que sim! Acredito que a mensagem do "nosso" segredo vai surpreender!


FC- Expectativas para a sua canção neste Festival?

LA - Que seja ouvida, sentida e muito aplaudida. E claro, que me leve ate à final! Depois, logo se vê! ;)

 

FC - O sorteio ditou que fosse a nº7 a subir ao palco. Desiludida ou satisfeita?
LA - Muito feliz! Gosto do número 7!

 

FC – Quantos elementos irão estar em palco? 

LA - Ainda estamos a decidir a melhor forma para apresentar o nosso segredo! ;)

 

FC – O que distingue esta canção da que levou ao festival em 2006 (Alma nova)?

LA - Tudo! A começar por mim! Estou mais segura. 

 

FC – Conhecidos os 10 intérpretes deste Festival com qual dos restantes 9 preferia fazer um dueto, extra concurso se lhe fosse pedido?
LA - Admiro cada um dos interpretes. Mesmo. Mas não posso negar que sou fã do Ricardo Afonso há muitos anos. Aceitaria cantar com ele num abrir e fechar de olhos.   

 

FC – A escolha das 5 canções finalistas é feita apenas na noite de 8 de março, cabendo a cada número telefónico apenas 1 voto, ou seja, o último voto anula o anterior. Concorda com este método de escolha dos 5 finalistas face ao anteriormente exposto?
LA - Sinceramente não penso muito nisso. Desde que seja uma votação clara e com consciência. Que ganhe de facto a canção que o publico mais gostar. Só assim faz sentido. 

 

FC – Este ano o método de seleção da canção vencedora é feito exclusivamente através do televoto sem restrição do número de chamadas por aparelho telefónico. Quer comentar?
LA - São as novas tecnologias. O evoluir dos tempos. Com este grupo de Canções, só espero que a rede telefónica não rebente! ;)

 

FC – Considerando os seguintes dois factos:

O estar frequentemente no CMTV.

Ser uma apoiante do Benfica, com visibilidade também no Benfica TV.

Acha que estas duas afirmações podem jogar a seu favor no televoto?
LA - Não podemos pensar assim! Quero que votem em mim se de facto gostarem da música. 

Canto há 12 anos, profissionalmente. Mas já estudava.  Tirei um curso superior e fui tentando a minha sorte, mas nunca deixei de cantar. 

 

FC - Das canções que venceram os Festivais da Canção e que desfilaram também com o nº7, escolha a sua preferida referindo porquê, são elas:

Sol de Inverno (65), Um grande, grande amor (80), Sempre (há sempre alguém) (90), Baunilha e chocolate (95) e Antes do adeus (97).

LA - Pergunta difícil!! Escolher só uma! 

Mas bem, vou escolher o Sol de Inverno! Porque adoro a letra e a forma  como casa com a melodia. E claro, uma interpretação sem igual de Simone de Oliveira.

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos de existência sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de participar na edição que comemora este aniversário? 

LA - É sentir que vale a pena sonhar. Que se um dia eu pensei que pisar este palco seria um sonho, hoje posso dizer que é real. 

 

FC – Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão…

LA - Não pensar em formulas. Não fazer uma canção a pensar que tem de ser "festivaleira". 

A música é arte! Logo tem de ser verdadeira de sentimentos, isenta de comparações e repleta de verdade. 

 

FC – Este espaço é seu apele ao voto, fale da sua canção e ou da sua equipa.

LA - O teu segredo é uma musica especial! Só peço que oiçam com atenção e com o coração! 

Se gostarem...já sabem o que fazer! 

Número 7!!  

   
 
 

FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA JOÃO MATOS

Data: 27/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção - Ficou surpreendido com o convite da RTP para participar no FC deste ano?

João Matos - Sim, foi uma surpresa.

 

FC – Como também é co-o autor do poema por favor queira referir sobre o que fala a sua canção.

JM- Prefiro deixar em segredo.

 

FC – Fale-nos dos motivos que o levaram a escolher Miguel Ferrador para dividir consigo a autoria da canção e de Lara Afonso para a interpretar?

JM - Em relação ao Miguel, ambos trabalhamos em conjunto nos estúdios da Blim Records, equipa de que fazemos parte e onde assumimos funções complementares em projectos da casa e outros clientes externos, dividindo papéis de produção e operação técnica entre cada um de nós. Neste caso é a primeira vez que estou a repartir a parte criativa e estou bastante contente porque o Miguel Ferrador é um excelente musico e produtor, dotado de uma sensibilidade musical muito característica e o resultado está, neste trabalho em equipa.

A Lara é minha amiga há muito tempo, uns anos já, o tempo passa depressa e nem nos apercebemos. Ja trabalhamos juntos noutras situações e em estúdio por isso o convite surgiu de uma forma muito natural e expontâneo. Para além da sua voz e da sua experiência, a Lara é uma pessoa que gosto de trabalhar pela sua abertura e dedicação. É, para além do seu talento, uma excelente pessoa, cheia de entusiasmo pelo Festival da Canção, e a combinação não poderia ser melhor.

 

FC – Já tinha esta canção feita ou compô-la propositadamente para o Festival?

JM - Este tema foi produzido por ambos neste caso já havia um rascunho e achámos em conjunto interessante terminá-lo para esta finalidade. Como esta edição do Festival vai fazer 50 anos, lembramos de fazer algo dentro dessa época musical, e sentimos que este tema, pelas suas características sonoras, encaixaria perfeitamente numa espécie de homenagem às primeiras edições do festival da canção.

 

FC – Esta canção aproxima-se, afasta-se ou é uma rutura em relação às que habitualmente compõe?

JM - Esta canção é uma canção, como qualquer outra canção que possa compor, como compositor não faço essa distinção.

 

FC – Como vê o método de apuramento da nossa canção para o ESC, isto é, 100% televoto sem restrição do número de chamadas?

JM - Esse é o método que os responsáveis do Festival decidiram e foi o método escolhido como tal, só desejo que as pessoas votem com vontade na musica que acharem que devem votar. Penso que o mais importante é que este sistema represente a real vontade do publico e se assim for será concerteza eleito o justo vencedor ou vencedora.

 

FC – Quem irá ser o estilista que vestirá a sua intérprete para a noite do Festival?

JM - Não há nenhum estilista em especifico até ao momento.

 

FC – Como será a apresentação em palco da sua canção? Tem alguma coreografia/ marcação própria?

JM - O tema irá ser interpretado pela Lara Afonso e terá a acompanhar 3 coros; Joana Silva, Marina Sani e Rita Costa.

FC – Na apresentação da sua canção em palco podemos ver algum efeito cénico especial?

JM - Não consigo confirmar, está a ser estudado ainda essa situação.

 

FC – Que expectativas tem para a sua canção neste Festival?

JM - Acima de tudo estou bastante contente e satisfeito pelo resultado final e agradeço a todos os que participaram e ajudaram no processo em particular ao Miguel Ferrador, Lara Afonso e a restante equipa João Castro, Joana Silva, Marina Sani, Rita Costa, Ricardo Ferreira e Joana Cardoso.

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos. Por favor escolha uma das seguintes 3 opções como a mais correta para si:
A) O Festival da Canção é uma marca importante da RTP
B) O Festival da Canção extravasa a própria RTP, sendo uma referência nacional

C) Uma marca a descontinuar 

JM - Resposta A

 

FC – Como vê  o atual panorama musical em Portugal quando muitos músicos e cantores estão sem trabalho?

JM - Vejo com alguma dificuldade como é lógico, as oportunidades são cada menos com a situação actual do pais mas há que tentar combater essa situação e não baixar os braços, temos que acreditar e ser positivos.

 

FC– Fernando Tordo abandonou o país rumo ao Brasil face ao exposto na pergunta anterior. Quer comentar?

JM - Eu vejo a ida de Fernando Tordo para o Brasil acima de tudo como uma decisão pessoal que concerteza teve mais factores em conta que simplesmente este acima referido.

 

FC – O facto de não existir em prime time um programa musical com cantores profissionais, com exceção para as imitações não contribuirá fortemente para o desempregos dos nossos cantores e músicos?

JM - Penso que seria óptimo se existisse um programa idêntico ou do mesmo genero ao de Jools Holland em Inglaterra, que seria sem duvida uma mais valia para todos os artistas nacionais. 

 

FC – Quando existem cantores profissionais sem trabalho justifica-se existirem concursos para novos talentos?

JM - Penso que uma coisa nao invalida a outra, há espaço para todos.

 

FC – Este espaço é para a sua canção diga o que pretender sobre ela e toda a equipa.

JM - Em nome de todos os que trabalharam e deram o seu contributo, esperamos que o nosso trabalho seja do agrado do publico que irá assistir ao Festival da Canção.


Canção nº 7

A BIOGRAFIA DE LARA AFONSO


 

Lara Afonso nasceu em Cascais a 29 de Novembro de 1979. A sua primeira experiência musical foi aos 15 anos, a bordo de um cruzeiro onde, por desafio dos pais cantou pela primeira vez em público. A sua carreira divide-se entre a música e a televisão.

Começou como repórter na SIC, em 2002, no programa Catarina.com e mais tarde no Flash, indo para a RTP no ano seguinte como repórter da primeira edição da Operação Triunfo. Passou pela TVI, onde foi repórter do programa Big Brother. De seguida passou pela SMS TV onde apresentou o programa Bandas de Garagem, depois pelo Canal V e pela Benfica TV, onde associada a esta estação interpretou também o “Hino do Benfica”.

Como cantora, Lara Afonso foi cantora residente no coro de St. Dominics Gospel Choir. Tem interpretado vários temas em bandas sonoras de novelas e séries da TVI. Interpretou o tema “Meu Amanhecer”, que era o genérico da novela Amanhecer, exibida em 2002/2003. Na novela O Teu Olhar (2003/2004) interpretou o tema “Utopia”. Em 2004 cantou o tema “Livro de Regras” na série Inspector Max. A sua última participação em bandas sonoras de novelas foi em 2008/2009, na novela Feitiço de Amor, onde interpretou dois temas “Dizer Adeus” e “Foi Feitiço”, que era o genérico da novela.

Em 2006 participou pela primeira vez no Festival RTP com o tema “Alma Nova”, com letra de António Avelar Pinho e música e produção de Luís Oliveira. No mesmo ano, foi editado o CD “Nostalgia”, com grandes clássicos da música portuguesa, interpretados por Lara Afonso, Rui Drumond e Fábia Rebordão.

No ano passado, Lara Afonso foi uma das cantoras do espectáculo “50 anos, 50 cantigas” que esteve durante meses no Paradise Garage e que depois foi levado a vários sítios do país. Neste espectáculo eram interpretados alguns dos maiores êxitos da música portuguesa dos últimos 50 anos e contava no elenco com David Ripado, Suzana Pinto e Rui Drumond.

A 18 de Dezembro colaborou no concerto solidário para a Associação Princesa Leonor – Aceita e Sorri, onde colaboraram vários cantores de referência em Portugal e onde Lara Afonso interpretou o tema “Só Tu”, dedicado à pequena Leonor. Os temas interpretados nessa noite foram editados em CD, cujos lucros revertem a favor da referida associação.

Lara Afonso actualmente apresenta o programa Flash Vidas, no CMTV. Agora surge a sua segunda participação no Festival RTP, com o tema “O Teu Segredo”, a convite do produtor João Matos.


Festivais da Canção, Lara Afonso

 

Canção nº 7

OS VÍDEOS DE LARA AFONSO

  Lara Afonso - Alma nova Lara Afonso - Telepatia Lara Afonso - Amanhecer



Canção nº 8

AS NOTÍCIAS

Data: 29/041/2014

NUNO MARQUES DA SILVA É O AUTOR DA CANÇÃO DE NUNO FEIST

Fonte: Nuno Feist

exclusivo

Nuno Marques da Silva é o autor da letra da canção do compositor Nuno Feist.
Esta dupla muito tem contribuído para os Festivais da Canção do século XXI:
A primeira canção desta parceria aconteceu em 2007 com o tema Além do sonho, com interpretação de Henrique Feist e Vanessa, no ano seguinte apresentaram o tema Do outro lado da vida, canção defendida por Vanessa no palco deste festival, em 2010 regressaram com Alvorada, também para a voz de Vanessa Silva e finalmente em 2012 Nuno Feist e Nuno Marques da Silva marcaram presença com a composição Gratia plena canção defendida por Ricardo Soler.

Uma parceria que escolhe sempre vozes poderosas, o que nos leva a perguntar: Quem será o cantor(a) escolhido(a) para defender a sua canção no Festival da Canção 2014 no Convento do Beato?

   
Data: 07/02/2014

RAQUEL GUERRA É A INTÉRPRETE DA CANÇÃO DE NUNO FEIST

Fonte: Nuno Feist

exclusivo

 

O compositor Nuno Feist acabou de nos revelar que a sua intérprete no Festival da Canção é a cantora Raquel Guerra.

Esta intérprete é possuidora de uma excelente voz. Lembramos que Raquel Guerra participou no programa da SIC "Família Superstar" como cantora residente, ao lado de Ana Ferreira e Vanessa Silva.

Raquel Guerra classificou-se em 2º lugar na 2ª edição dos Ídolos.

A equipa desta canção é composta por: Nuno Marques da Silva (Autor do poema), Nuno Feist (Compositor) e Raquel Guerra (Intérprete).

A dupla Nuno Feist/Nuno Marque da Silva participou nos seguintes festivais:

2007 - Além do Sonho por Henrique Feist e Vanessa

2008 - Do outro lado da vida por Vanessa

2010 - Alvorada por Vanessa

2012 - Gratia Plena por Ricardo Soler

   
Data: 07/02/2014

CANÇÃO Nº8 SONHOS ROUBADOS - OS ELEMENTOS DE PALCO

Fonte: Nuno Feist

exclusivo


A equipa da canção nº8, Sonhos Roubados, com letra de Nuno Marques da Silva e música de Nuno Feist já está completa.

Para além de Raquel Guerra, a intérprete desta canção, vamos poder ver em palco:
Ana Ferreira cantora (elemento do coro de Sabrina no ESC2007 (em baixo 2ª da esquerda para a direita)
Tânia Tavares
  cantora (FC2011) (4ª foto)
Jonas Cardoso
cantor e ator de musicais (3ª foto)
Ricardo Quintas
cantor, elemento dos Shout
(1ª foto)

Neste momento esta é a primeira canção com a equipa finalizada e divulgada.


   
Data: 22/02/2014

PAULO JESUS NA CANÇÃO Nº8 SONHOS ROUBADOS

Fonte: Nuno Feist


O coreografo Paulo Jesus vai ser o responsável pela mise en scène da Canção nº8, Sonhos roubados. Este bailarino e coreografo tem sido autor de algumas coreografias / marcações em palco de várias canções que têm passado pelos Festivais da Canção. Em 2008 Paulo Jesus foi o autor da mise en scène apresentada pela canção Senhora do Mar, tanto no Festival da Canção, como na Eurovisão.

A canção nº8, Sonhos roubados, tem poema de Nuno Marques da Silva, música de Nuno Feist, interpretação de Raquel Guerra que será acompanhada em palco por Ana Ferreira, Jonas Cardoso, Ricardo Quintas e Tânia Tavares.
O puzzle de cada canção começa a tomar forma, são 10 apostas para 5 lugares disponíveis na final de 15 de março.

   
Data: 24/02/2014

SIMONE DE OLIVEIRA APOIA A CANÇÃO Nº8 SONHOS ROUBADOS

Fonte: Face Nuno Marques da Silva


Segundo a página de facebook do letrista Nuno Marques da Silva, agora sim a equipa da canção nº 8, "Sonhos Roubados", estará completa.
 
Esta tarde a intérprete Raquel Guerra esteve em estúdio para ultimar o seu tema e recebeu a visita surpresa de Simone de Oliveira, nome incontornável da música portuguesa e que muito tem apoiado os Festivais RTP e os intérpretes mais jovens. Raquel Guerra já fez saber que foi uma grande honra ter Simone de Oliveira a ouvi-la cantar, a dar-lhe o seu apoio e os seus sábios conselhos.
 
"Sonhos Roubados" tem letra de Nuno Marques da Silva, música de Nuno Feist e vai ser interpretada por Raquel Guerra, sendo a oitava a desfilar no dia 8 de Março, no Convento do Beato. A equipa deste tema já foi divulgada e tem como elementos do coro Ana Ferreira (coros ESC2007), Jonas Cardoso, Tânia Tavares (FC2011) e Ricardo Quintas. A parte cénica e/ou coreografia estará a cargo de Paulo Jesus (coreógrafo FC/ESC2008).
 
Simone de Oliveira (FC1964, 1965, 1968, 1969, 1973 / ESC1965, 1969) tem estado em franca actividade tendo participado na última sexta-feira num episódio da série Bem-Vindos A Beirais, na RTP. No ano passado lançou um trabalho discográfico de muito bom gosto intitulado "Pedaços de Mim" e também a sua biografia "Força de Viver".

   
Data: 27/02/2014
Fonte: Nuno Feist

AUGUSTUS VESTE RAQUEL GUERRA A INTÉRPRETE DA CANÇÃO Nº8 SONHOS ROUBADOS


O estilista Augustus veste Raquel Guerra a intérprete da Canção nº8 Sonhos Roubados, um tema com música de Nuno Feist e com poema de Nuno Marques da Silva.
Em palco também vão estar (no coro) Ana Ferreira (ESC2007 coro de Sabrina), Jonas Cardoso, Ricardo Quintas e Tãnia Tavares (FC2011).

Lembramos que Augustus, um dos mais prestigiados estilistas portugueses, tem vestido inúmeras personalidades da vida cultural, social e política de Portugal e não só.
Augustus assinou o vestido que Manuela Bravo levou a Jerusalém em 1979 e o modelo que Dulce Pontes vestiu em Roma, No ESC de 1991, entre outros.


Canção nº 8

AS ENTREVISTAS

   
 

A NOSSA ENTREVISTA A RAQUEL GUERRA

Data: 08/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção - Como reagiu ao convite para participar diretamente no Festival da Canção?

Raquel Guerra - Ao receber o convite fiquei radiante não cabendo em mim de tanta felicidade, foi a concretização de algo por mim a muito desejado. Sinto-me lisonjeada não só pela participação mas por fazer parte do mesmo ao lado de uma grande dupla de profissionais como o Nuno Feist e Nuno Marques da Silva que tem vindo a marcar de forma digna o seu percurso musical no certame televisivo. O Nuno Feist eu já conhecia pois tive oportunidade de trabalhar com nele anteriormente, o "novo" Nuno estou a adorar conhecer  são dois extraordinários músicos e seres humanos.

 

FC– Qual a importância que tem para si participar, como concorrente, no programa de referência da televisão em Portugal?
RG - A minha participação no Festival da Canção 2014 e a realização do sonho de uma menina oriunda do Alentejo que ficava colada ao ecrã para assistir de forma religiosa ao programa musical de maior importância em Portugal. Passei muitas noites a imaginar como seria se um dia chegasse a minha vez e hoje poder transformar este meu sonho e desejo num momento real e palpável e de uma extrema importância, uma oportunidade que me foi dada e que eu vou agarrar com toda a minha alma. Sem dúvida o alcance de um marco de grande relevo na minha carreira musical e concretização pessoal.

FC – Fale-nos um pouco da canção que vai defender no Festival?
RG - Nao vos podendo falar muito da nossa canção pois preferimos deixar que persista o factor surpresa, o que posso dizer e que e uma música com uma carga e uma força enormíssima, e eu apaixonei-me por ela de uma forma  tão intensa que se torna quase incontrolavel conter me emocionalmente. 

 

FC – Costuma acompanhar os Festivais da Canção?
RG - Acompanho o festival da canção pelo menos desde os meus 11 anos, recordando me nessa altura de grandes músicas e interpretações como Dulce Pontes com "Lusitana paixão" e Anabela "A cidade até ser dia". Mas sem dúvida que quando penso no festival o meu marco de referência e e sempre será a grande senhora Simone Oliveira.
 

FC – De todas as canções vencedoras e não vencedoras dos Festivais da Canção qual ou quais as suas preferidas?
RG - De todas as canções vencedoras ou não que me marcaram e com as quais me identifico são Simone de Oliveira "Desfolhada", Dulce Pontes "Lusitana paixão", Sara Tavares, Rita Guerra, Vanessa Silva "Alvorada", Vânia Fernandes "Senhora do Mar". 

 

FC – Por favor complete a frase:P articipar no Festival da Canção 2014 é ….
RG - … a concretização de um sonho. 

   
 
 

FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA NUNO MARQUES DA SILVA

Data: 18/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção – Como surgiu a parceria para participar como letrista neste Festival RTP?
Nuno Marques da Silva - Recebi o convite do Nuno Feist que aceitei de imediato. É um prazer trabalhar com ele. Para além de um grande amigo é um magnífico profissional e um ser humano como poucos.
 

FC – Descreva-nos a sua canção do ponto de vista poético (da letra).
NMS - Penso que é um poema com muita força e muito actual suportado na fantástica composição do Nuno Feist e na interpretação brilhante da Raquel Guerra.
 

FC – O título do seu tema é “Sonhos Roubados”. Em que se inspirou para este título?
NMS - Ele resulta do próprio poema. Eu diria que ele é a essência do poema.
 

FC – É a sua quinta participação como letrista neste certame. O que une ou diverge esta poesia das anteriores que levou ao Festival?
NMS - Como todas as outras foi escrita propositadamente para o Festival e comporta à semelhança das anteriores vários subtextos.
 

FC – Este ano a escolha da canção vencedora recai exclusivamente sobre o televoto. Concorda com este método de votação? Porquê?
NMS - Como sempre tenho dito não existem modelos de votação perfeitos mas ainda assim tenho visto modelos de votação que ainda não foram utilizados no Festival da Canção e que aparentemente têm funcionado muito bem noutros países.
 

FC – Como se sabe este ano comemoram-se os 50 anos do primeiro Festival RTP da Canção. Qual é a sensação de ser parte integrante deste certame num ano tão especial?
NMS - É certamente um privilégio estar presente e tudo faremos para honrar a confiança que depositaram na equipa.
 

FC – À sua canção foi atribuído o nº 8 no desfile. Acha que a ordem do desfile poderá ter alguma influência na votação dos espectadores em casa?
NMS - Vale o que vale, mas gostei da coincidência de sermos a canção nº 8, no dia 8 de Março.
 

FC – Dos temas que até hoje passaram pelos Festivais RTP qual ou quais considera a(s) melhor(es) letra(s)?
NMS  - Se não estou em erro já passaram pelos festivais mais de 600 temas o que torna muito difícil fazer uma seleção mas aprecio especialmente todas as letras que se identificaram com os momentos em que foram cantadas e onde as letras do José Carlos Ary dos Santos, que muito admiro, se destacam de todas as outras.
 

FC– Este espaço é seu para divulgar o seu tema e a sua equipa. (poderá escrever algumas linhas para divulgar a sua canção).
NMS - Toda a equipa está animadíssima e muito identificada com a canção. Espero que ela contagie e emocione todos os que a ouvirem. Muito obrigado à Raquel pela interpretação que emprestou a este poema e permitiu que ganhasse vida própria.
 

NOTA: As respostas a esta entrevista não foram escritas com as regras do desacordo ortográfico que alguns desocupados inventaram. 

   
 
 

FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA RAQUEL GUERRA

Data: 19/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção - Como reagiu ao convite para participar no Festival da Canção?

Raquel Guerra -  Confesso que ao receber este convite fiquei estupidamente radiante e emocionada, era um desejo antigo que ganhou vida e se torna realidade. Fiquei ainda mais feliz por ter ser a intérprete escolhida por uma dupla de mérito que tem tido presença assídua de forma marcante pelo excelente trabalho e intérpretes que junta ás suas equipas no Festival da Canção.

 

FC - Como descreve Sonhos roubados musical e poeticamente?

RG – “Sonhos Roubados” é sem duvida uma grande canção, com uma força e garra arrepiante que eu acredito que toque o coração de todos da mesma forma como me tocou e me envolveu emocionalmente. É uma mensagem muito forte, directa e objectiva onde se  vêem refletidos os sonhos de um alguém, de todos nós ou de um país expressos de forma liberta através de uma canção. É quase como um canto de liberdade, onde se verifica de uma forma positiva que os nossos sonhos só serão roubados se calarmos as nossas vozes.  

 

FC -O lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?

RG - Cumpre sim é uma musica com muita força tanto na composição como poética, e que  transporta uma mensagem positiva, de esperança nos nossos sonhos e convicções fazendo-os ouvir principalmente porque não deixamos de acreditar neles.

 

FC - Expectativas para a sua canção neste Festival?

RG - A maior expectativa é honrarmos e defendermos a nossa canção com toda a alma e entrega que a própria dita e conquistarmos os corações de todos os Portugueses para que nesta primeira fase nos façam dar mais um passo e cheguemos á final. Sou muito terra a terra e gosto de concretizar e alcançar objectivos por etapas J


FC - Conhecidos que são os elementos que a vão acompanhar em palco no Festival, fale-nos do porquê das respetivas escolhas e que função ou funções irão ter.

RG - Uma grande canção requer sem dúvida uma equipa de excelência. Jonas Cardoso, Tânia Tavares, Ana Ferreira e Ricardo Quintas são cantores com vozes poderosas, com um currículo artístico exemplar, não poderia estar melhor acompanhada na defesa desta canção. Estamos todos ansiosos e muito satisfeitos.

 

FC - O sorteio ditou que fosse a nº8 a subir ao palco. Desiludida ou satisfeita?

RG - Muito satisfeita, como se diz na gíria “Ouro sobre azul”...adoro números pares e o nº8 é perfeito.

 

FC – O que distingue, em sua opinião, esta canção das outras que a mesma dupla de criadores apresentou nos anteriores festivais?

RG - Como é de conhecimento público e dos seguidores do Festival da Canção, Nuno Feist e Nuno Marques da Silva têm sido uma dupla de peso e sucesso no certame, apresentando sempre grandes musicas acompanhados de excelentes intérpretes. Todas elas foram diferentes, e esta canção não foge á regra primando pela garra na sua totalidade, considerando-a na minha opinião muito marcante e um ponto de viragem.    

 

FC – Conhecidos os 10 intérpretes deste Festival com qual dos restantes 9 preferia fazer um dueto, extra concurso se lhe fosse pedido?

RG - Conheço a maioria dos colegas, uns melhores que outros por já nos termos cruzado em diferentes tipos de trabalhos, mas de facto é difícil escolher apenas um pois são todas vozes muito boas e com características diferentes sendo que com qualquer um daria dueto bastante interessante. Mas porque esteticamente e a nível da conjugação e sonoridade de vozes entre um homem e uma mulher, um dueto é sempre envolvente e muito bonito, escolheria o Ricardo Afonso ou o Rui Andrade que são vozes masculinas com que me identifico.

 

FC – A escolha das 5 canções finalistas é feita apenas na noite de 8 de março, cabendo a cada número telefónico apenas 1 voto, ou seja, o último voto anula o anterior. Concorda com este método de escolha dos 5 finalistas face ao anteriormente exposto?

RG - Concordo que uma vez que este ano o publico será soberano tendo nas suas mãos o total  poder decisão, que esta votação fidelize realmente as suas escolhas nas 5 canções finalistas.  

 

FC – Este ano o método de seleção da canção vencedora é feito exclusivamente através do televoto sem restrição do número de chamadas por aparelho telefónico. Quer comentar?

RG - Desde que sejam respeitadas de forma consciente, justa e clara as escolhas do publico....que vença a canção que Portugal mais gostar J

 

FC – Considerando que o televoto beneficia, por vezes, mais os concorrentes masculinos o que pensa fazer para combater essa tendência?

RG - O género do interprete neste caso penso que seja irrelevante .Apesar de se constatar em vários certames musicais televisivos esse facto, sinceramente penso que no Festival o que prevalece é a musica com a qual os Portugueses mais se identificam e que na sua opinião melhor representará o que existe a titulo musical no nosso País.

 

FC - Das canções que venceram os Festivais da Canção e que desfilaram também com o nº8, escolha a sua preferida referindo porquê, são elas:
Uma flor de verde pinho (76), A cidade até ser dia (93), Chamar a música (94), O meu coração não tem cor (96). Se eu te pudesse abraçar (98), Sonhos mágicos (2000) e Coisas de nada (2006).

RG - As minhas preferências são “A cidade até ser dia” interpretada por Anabela e “Chamar a Musica” por Sara Tavares, pois são e foram as minhas primeiras referências de menina.

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos de existência sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de participar na edição que comemora este aniversário?

RG - Sinto-me privilegiada por pisar pela primeira vez este certame de extrema importância em Portugal numa altura tão especial e comemorativa. A minha entrega vai ser total de forma a honrar a confiança que foi depositada na minha participação, sinto-me realizada e feliz por ficar na história do Festival.

 

FC – Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão…

RG - Sermos fieis ás nossas próprias raízes nacionais, na minha opinião... vale o que vale...não deveríamos inventar estilos que não fazem parte da essência do País, pois para vencer lá fora o publico têm de nos reconhecer musicalmente. Vamos ter um espectáculo muito diversificado e todos enquadrados no que eu referi concerteza, a escolha este ano levará Portugal a uma boa classificação.  

 

FC – Este espaço é seu apele ao voto, fale da sua canção e ou da sua equipa.

RG - Olá a todos os fãs do Festival, Olá Alentejo e Olá Portugal J O meu lema de vida é... Acreditar é Fundamental... e no dia 8 de Março, eu e toda equipa da canção nº8 “Sonhos Roubados” vamos subir ao palco confiantes e com o coração cheio de vontade de podermos contar convosco para levar as nossas vozes mais longe e todos em conjunto acreditarmos que é possível carregarmos a bandeira do nosso País além fronteiras.

Entrega, Paixão, Verdade, Emoção e Confiança é o que vos prometemos J

Cumprimentos Musicais e Obrigado a todos vocês que nos apoiam e que são pilares importantes nesta equipa, é por vocês e para vocês todo este sonho faz sentido.

   
 
  FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA NUNO FEIST
Data: 28/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção – Ficou surpreendido com o convite da RTP para participar no FC deste ano?

Nuno Feist - Fiquei sim, e ao mesmo tempo honrado com o mesmo

 

FC – Queira descrever a sua canção. Em que estilo musical a insere?

NF - Não gosto de “rotular”.  É uma canção com imensa força em todos os aspectos

 

FC – Fale-nos dos motivos que o levaram a escolher Nuno Marques da Silva para autor do poema e de Raquel Guerra para intérprete da sua composição.

NF - O Nuno é um “companheiro” de armas há vários Festivais, portanto uma escolha natural – existe uma simbiose perfeita entre ambos

Quanto à Raquel, já tinha trabalhado com ela no passado, e estava bem ciente das excelentes capacidades vocais dela, e sei que é um desejo dela participar, portanto foi juntar “o útil ao agradável”


FC – Já tinha esta canção feita ou compô-la propositadamente para o Festival?

NF - Foi feita de propósito para o certame.

 

FC – Esta canção aproxima-se, afasta-se ou é uma rutura em relação às que apresentou em Festivais anteriores?

NF - Ao contrário do que alguns dizem, todas as minhas canções foram diferentes, e esta não será uma execpção

 

FC – Como vê o método de apuramento da nossa canção para o ESC, isto é, 100% televoto sem restrição do número de chamadas?

NF - Sem restrição abre uma “caixa de Pandora” – isto é um Festival para eleger a melhor canção, ou é um Festival para ver quem tem mais fãs e poder económico?

 

FC – Que estilista vestirá a sua intérprete para a noite do Festival?

NF - Augustus

 

FC – Como será a apresentação em palco da sua canção? Tem alguma coreografia/ marcação própria?
NF - Está tudo entregue ao grande Paulo Jesus, que já conheço e trabalho há mais de 20 anos, e tenho a máxima confiança


FC – Na apresentação da sua canção em palco podemos ver algum efeito cénico especial?

NF - Ainda estamos a ultimar pormenores

 

FC – Que expectativas tem para a sua canção neste Festival?

NF - As mesmas que os outros concorrentes – fazer um bom trabalho e ganhar J

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos. Por favor escolha uma das seguintes 3 opções como a mais correta para si:
A) O Festival da Canção é uma marca importante da RTP
B) O Festival da Canção extravasa a própria RTP, sendo uma referência nacional

C) Uma marca a descontinuar

NF - A e B

 

FC – Como vê  o atual panorama musical em Portugal quando muitos músicos e cantores estão sem trabalho?

NF - Muito complicado mesmo, muitos lobbies....muito jogo de interesses

 

FC – Fernando Tordo abandonou o país rumo ao Brasil face ao exposto na pergunta anterior. Quer comentar?

NF - Existem sempre dois lados para cada moeda.  Mas compreendo a decisão de emigrar – existe pouco trabalho, o que existe é mal pago e pago tarde, e ao contrário do que muitos pensam os artistas são mal pagos em Portugal, e pagos muitas vezes a 30-60 e mesmo 90 dias (salvo algumas execpções)

 

FC – O facto de não existir em prime time um programa musical com cantores profissionais, com exceção para as imitações não contribuirá fortemente para o desempregos dos nossos cantores e músicos?

NF - Com certeza.  2 coisas – alimentam um “sonho” que não se vai concretizar um muitos casos.  Se houvesse formatos e apostas em artistas com carreira, seria um mal menor, mas quando tudo se concentra nestes formatos, pouco mais há a fazer.  Uma coisa muito importante de realçar, sempre que vamos à TV muitas vezes, é a custo zero, numa optica de “promover” o nosso trabalho

 

FC – Quando existem cantores profissionais sem trabalho justifica-se existirem concursos para novos talentos?

NF - Não

 

FC – Este espaço é para a sua canção diga o que pretender sobre ela e toda a equipa.

NF - Como muitos sabem, eu adoro o FC, vibro com ele, acompanho desde 19..(J), dou tudo o que sei e posso em cada participaçãoo, pois para mim, seria um HONRA representar o meu país, aquele onde há 32 anos dou “todo o meu ser”

Tenho uma equipa fabulosa mesmo, um ambiente magnifico com seres humanos fora de série, e estamos a dar tudo para que os nossos “Sonhos Roubados” agrade e convença o publico que é a escolha certa para representar Portugal na Eurovisão.


Canção nº 8

A BIOGRAFIA DE RAQUEL GUERRA


Raquel Guerra nasceu em Elvas a 11 de Novembro de 1984. Iniciou a sua carreira apenas com 11 anos de idade, passando pelas mais diversas áreas artísticas: canto, dança e representação.

Ficou conhecida após a sua participação na 2ª edição do programa Ídolos (SIC), em 2005. Neste programa classificou-se em 2º lugar, atrás de Sérgio Lucas. No que diz respeito à representação começou a fazer teatro amador com 15 anos. Ganhou destaque pela participação na novela Floribela (série I e II), em 2006/2007, sendo também um dos elementos da banda da novela. Em 2008 integrou o elenco adicional de mais outra produção desta vez da TVI, Feitiço de Amor e em 2009 participou também no elenco de Morangos com Açúcar – Vive o Teu Talento. A sua última participação em novelas deu-se em 2012, na novela Dancin’ Days (SIC), numa participação especial.

Em termos musicais, Raquel Guerra participou em vários programas tais como Cantigas da Rua (SIC), Big Show SIC (SIC), Os Principais (RTP) e Estrelas do Mar (RTP), onde foi finalista. Foi vencedora do concurso “Vou Ser Uma Estrela”, rubrica do programa SIC 10 Horas (SIC). Depois destas participações esteve também em várias galas entre as quais “As Melhores Baladas de Sempre” (TVI), “Especial de Natal” e Globos de Ouro (SIC). Em 2007 fez parte do grupo de cantoras residentes do programa Família Superstar, em conjunto com Ana Ferreira, Deborah Gonçalves e Vanessa Silva.

Raquel Guerra fez parte de vários projectos musicais por todo o país com Nuno Guerreiro, João Gil e Ala dos Namorados. Participou nos coros para as bandas sonoras das novelas Floribela e Chiquititas, editadas em CD. Deu voz ao genérico da série Uma Aventura na SIC.

No teatro participou em “4:48 Psicose” com encenação de Luísa Ortigoso e no cinema fez parte do elenco do filme “Al Fachada”. Em 2013 lançou o seu primeiro single “Desencontros” composto por Marios Gligoris e Nuno Valério, tendo sido apresentado em vários programas televisivos.

Surge agora a participação no Festival RTP 2014, a convite do maestro Nuno Feist, com quem tinha trabalhado no programa Família Superstar em 2007. A letra é de Nuno Marques da Silva e no coro estarão Ana Ferreira, Ricardo Quintas, Tânia Tavares e Jonas Cardoso. A coreografia estará a cargo de Paulo Jesus.

 

Canção nº 8

OS VÍDEOS DE RAQUEL GUERRA

  Raquel Guerra e Filipe Gonçalves - Solta-se o beijo Raquel Guerra - I'm with you Raquel Guerra - Desencontros



Canção nº 9

AS NOTÍCIAS

   
Data: 23/01/2014

TOZÉ SANTOS NO FESTIVAL DA CANÇÃO

Fonte: Tozé Santos

exclusivo

 

Tozé Santos revelou-nos há pouco que foi convidado para compor um tema para o Festival da Canção 2014, tendo aceitado prontamente. O compositor, elemento dos Per7ume, referiu que ainda não escolheu quem irá interpretar o seu tema, mas será definitavemente uma voz feminina do segmento do Fado-Canção, segundo as palavras do próprio Tozé Santos.

No Festival da Canção de 2012 Tozé Santos compôs a canção (Re)descobrir Portugal para o intérprete que lhe foi atribuído: Gerson Santos. Este ano o compositor parece estar apostado em algo diferente, na medida em que pretende uma intérprete na área do fado-canção. Uma aposta interessante e diferente do que é habitual nos nossos festivais.


Canção nº 9

AS ENTREVISTAS

MADALENA TRABUCO EM ENTREVISTA

Data: 06/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção - O que a levou a aceitar o convite do Tozé Santos para participar no Festival?
Madalena Trabuco - O Tozé apresentou-me uma maquete da canção cantada  por ele, Fiquei encantada pela qualidade da letra e da mùsica. Chorei de emoção.

 

FC - Como define a sua canção? Em que estilo musical a insere? 

MT - É uma canção autobiogáfica, no entanto, a letra refere-se também a milhões de portugueses ou luso-descendentes que vivem essa peregrinação pelo estrangeiro... O estilo musical é pop.

 

FC - Qual o título da canção?  

MT - O título é Coração de filigrana.

 

FC - Fale-nos um pouco de si e da sua carreira. 

MT - Comecei a escrever as minhas primeiras letras com 16 anos, nessa altura todas as letras eram em português. Integrei várias bandas com influências world, reggae em França e mais tarde em Portugal (2002). No meu regresso a França abri o meu reportório ao pop soul e bossa com vários compositores que encontrei. Em 2010, a difusão da música “Respectez-moi” (Respeitem-me) que fala sobre respeito à natureza, obteve grande sucesso nas radios francesas, o que me levou-me a assinar com a editora Warner França com quem trabalhei durante dois anos para defender o meu primeiro álbum “L’invitation au voyage” (O convite à viagem) Tive a oportunidade, nessa altura, de fazer a primeira parte da Anggun e de cantar em duo com Tony Careira na festa dos Santos Populares perto de Paris... e muito mais. Estou agora na criação do meu novo álbum que será, como o primeiro: franco-português.

 

FC - Contente por participar no programa de referência da televisão portuguesa?
MT - Fico muita feliz por cantar nesse programa que já conta com 50 anos de existência. É uma linda oportunidade que me foi oferecida pelo o Tozé Santos para me apresentar oficialmente em Portugal. Uma honra que nunca vou esquecer.

 

FC - Tem acompanhado os Festivais da Canção e os Eurofestivais?

MT - Tenho acompanhado alguns nestes útimos anos, lembro-me muito bem da linda Liana que cantava “Sonhos mágicos” no Festival RTP em 2000 ou da voz poderosa da Vânia Fernandes no Festival da Eurovisão em 2008. São programas a que não faltava na minha infância acompanhada dos meus pais. Deliciavamo-nos ao ver os artistas que representavam Portugal.

 
FC - Qual a canção portuguesa que mais gosta das que já representaram Portugal no Festival da Eurovisão?

MT - Gostei muito da Rita Guera não só pelo o seu timbre grave, mas também, pela sua presença no palco, mais, tinha o aspecto duma linda sereia.

Os nossos agradecimentos a Madalena Trabuco pela presente entrevista.

   

FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA MADALENA TRABUCO

Data: 18/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção - O que a motivou a participar no Festival da Canção 2014?
Madalena Trabuco - Fiquei seduzida pela canção que me enviou o Tozé Santos.

A letra e a música desta canção não podem ser ignoradas. Cantar neste fantástico Festival é uma oportunidade única. Fico muita feliz de participar oficialmente no Festival da Canção Português.

FC- Como descreve Coração de filigrana musical e poeticamente?

MT - É uma canção POP. Fala de um coração que entrega as suas esperanças.

 

FC - O lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?

MT - Uma canção que fala de esperança só pode ser alegre.


FC - Expectativas para a sua canção neste Festival?

MT - Esta canção é universal. Representa muito bem os portugueses espalhados pelo mundo. Acredito que podemos representar Portugal na Eurovisão 2014.


FC - O sorteio ditou que fosse a 9ª intérprete a subir ao palco neste Festival. Desiludida ou satisfeita?

MT - Fico satisfeita com o sorteio, não gosto subir em primeiro no palco.


FC - Quantos elementos para além de si vão estar em palco, quem são e que funções irão desempenhar?

MT - Só posso dizer que terei uma orquestra a acompanhar-me com um grande e famoso músico. Não posso dizer mais nada, é surpresa.

 

FC – Conhecidos os 10 intérpretes deste Festival com qual dos restantes 9 preferia fazer um dueto, extra concurso se lhe fosse pedido?

MT - Sou muito sensível às energias das pessoas. Preciso encontra-las e sentir empatia para poder colaborar artisticamente. Volto a responder durante o Festival.


FC – A escolha das 5 canções finalistas é feita apenas na noite de 8 de março, cabendo a cada número telefónico apenas 1 voto, ou seja, o último voto anula o anterior. Concorda com este método de escolha dos 5 finalistas face ao anteriormente exposto?

MT - Estamos todos expostos a erros e dúvidas. Acho bem que o público reflicta e determine quem deve ser finalista.


FC – Este ano o método de seleção da canção vencedora é feito exclusivamente através do televoto sem restrição do número de chamadas por aparelho telefónico. Quer comentar?

MT - Óptimo! Espero que não haja restrições para “Coração de filigrana”


FC – Das canções que venceram os Festivais da Canção e que desfilaram também com o nº9, escolha a sua preferida referindo porquê, são elas :

Sobe, sobe balão sobe (79) e Há dias assim (2010).

MT - Gosto muito do som dos anos 70, escolho “Sobe, sobe balão sobe” de Manuela Bravo. Acho que a sua interpretação é justa, simples e com muita alegria.


FC – O Festival da Canção comemora 50 anos de existência sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de participar na edição que comemora este aniversário?

MT - Uma jornalista informou-me que eu era a primeira luso-descendente a participar neste grande programa em 50 anos de existência. Sinto-me sortuda e emocionada. É uma linda prova de amizade entre a França e Portugal. Estou muito feliz por cantar no meio de grandes artistas portugueses.


FC – Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão…

MT - Temos que pensar numa canção universal, com muita emoção. Ao votar “Coração de filigrana” só podemos entrar no coração do mundo inteiro.


FC – Este espaço é seu apele ao voto, fale da sua canção e ou da sua equipa de trabalho para este festival.

MT - Sou Madalena Trabuco, sou autora, compositora e intérprete luso-descendente.

O grande Tozé Santos dos Per7ume convidou-me para interpretar a canção n°9 “Coração de filigrana”. A primeira vez que a ouvi chorei de emoção.

É uma canção autobiográfica. Quero destacar que a letra refere-se também a milhões de portugueses ou luso-descendentes que vivem essa peregrinação pelo estrangeiro. Espero que os portugueses gostem desta linda música tanto como eu. E com certeza, é com uma canção universal que podemos chegar à final

 da Eurovisão. Então vamos todos, apostar na canção n°9 “Coração de filigrana”!

   

FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA TOZÉ SANTOS

Data: 24/02/2014

exclusivo


Festivais da Canção – Ficou surpreendido com o convite da RTP para participar no FC deste ano?

Tozé Santos - Sim, confesso que sim. Já tinha sido convidado há 2 anos. Só é sinal que o meu trabalho foi considerado válido e que continuo a dar cartas no cenário e provas de valor, face a quem decide nestes âmbitos. Sinto-me lisonjeado por tal.

 

FC – Como também é o autor do poema por favor referir sobre o que fala a sua canção.

TS - A canção refere-se de uma forma transparente a alguém do nosso país que, por necessidade, tem de emigrar em busca de melhores condições de vida. Parte com saudade mas com vontade de regressar. É um pouco o ciclo em que vivemos. No passado a emigração era uma prática recorrente, neste momento voltou a ser de novo uma necessidade emergente.

 

FC – Fale-nos dos motivos que o levaram a escolher Madalena Trabuco para interpretar o seu tema?

TS - Existiam 3 candidatas a interpretar a canção em questão. A Madalena preenchia todos os requisitos e mais um, o de ter esta vontade de regressar a Portugal. Penso que é quem mais sente o teor exposto no poema...

 

FC– Já tinha esta canção feita ou compô-la propositadamente para o Festival?

TS - O tema foi escrito propositadamente para o efeito. Muito embora já tenha começado a escrever a linha melódica há mais tempo, a letra foi “desenhada” a pensar no espírito do Festival.

 

FC – Esta canção aproxima-se, afasta-se ou é uma rutura em relação às que habitualmente compõe para o seu próprio reportório e à que apresentou no Festival da Canção de 2012?

TS - Penso que tem muito a ver com as minhas composições na sua génese. Não tem, no entanto, muito a ver com o que foi apresentado em 2012.

Espero que o arranjo e a interpretação venham a fazer jus à carga emotiva que se pretende.

 

FC – Como vê o método de apuramento da nossa canção para o ESC, isto é, 100% televoto sem restrição do número de chamadas?

TS - Acho que, ainda assim, deveria haver um júri conhecedor e entendido na matéria com a sua cota-parte de poder decisivo, mas quem manda é a RTP. Confio no seu método de escrutinio, entidade esta que já experimentou várias formas e métodos. Eles saberão o que é ou pode ser mais fidedigno.

 

FC – Quem irá ser o estilista que vestirá a sua intérprete para a noite do Festival?

TS - Esta matéria está nas mãos da equipa que trabalha com a RTP. Ainda não podemos avançar com os nomes em cima da mesa, brevemente fá-lo-emos ;)

 

FC – Como será a apresentação em palco da sua canção? Tem alguma coreografia/ marcação própria?

TS - O que posso avançar neste campo é que irei acompanhar a minha interprete, não como vozes, mas como músico – guitarra. A composição é “low-profile”, de ambiente “acústico” e, como tal, defendo a minha presença, uma vez que a Madalena também faz questão.

FC - Quem serão os elementos de palco que acompanharão Madalena Trabuco em palco e que funções desempenharão?

TS - Como referi, provavelmente seremos apenas eu e ela.

 

FC – Na apresentação da sua canção em palco poderemos ver algum efeito cénico especial?
TS - Para já só sei que a equipa da RTP está a trabalhar esse pormenor com todas as canções / equipas / criadores e interpretes. A partir de dia 01 vamos tentar, em ensaio, várias soluções.

 

FC – Que expectativas tem para a sua canção neste Festival?

TS - Obviamente que a classificação é o barómetro que mede o sucesso da canção. Mas, mais que isso, só pretendo que a faixa seja respeitada e que tenha bom feedback e resultado nas carreiras, quer a minha, quer a da Madalena, que pretende “furar” em Portugal, com o seu próximo álbum.

 

FC – O Festival da Canção comemora 50 anos. Por favor escolha uma das seguintes 3 opções como a mais correta para si:
A) O Festival da Canção é uma marca importante da RTP
B) O Festival da Canção extravasa a própria RTP, sendo uma referência nacional

C) Uma marca a descontinuar

TZ - Sem dúvida a opção B. Qualquer que seja o músico, criador ou intérprete; ninguém terá ficado indiferente à história que o Festival deu à música de todos os tempos. Muito se conjectura em relação a isso, mas é do domínio público o termo “festival da canção”, tendo a sua própria valência e mérito.

 

FC – Como vê o atual panorama musical em Portugal quando muitos músicos e cantores estão sem trabalho?

TS - Vejo que está de muita má saúde e a piorar. Cabe aos músicos procurar novas soluções e formas de subsistência e de sobrevivência. Já não se pode falar de uma “indústria”, mas sim de um “artesanato” da música em Portugal. Já não se pode pensar numa carreira a longo prazo, mas sim no imediato, para se saldar dívidas e pagar contas. É triste que assim seja, mas a cultura é o segmento menos considerado hoje em dia, quando no dia-a-dia, as pessoas consomem desta fonte, só que a pensar que devem fazê-lo de borla, esquecendo quem precisa de viver “disto”...

 

FC – Fernando Tordo abandonou o país rumo ao Brasil face ao exposto na pergunta anterior. Quer comentar?

TS - Quero, pois. Fico sensível a que isto aconteça e comece a ser redundante. Tenho muitos amigos, muito e cada vez mais a fazê-lo.

Eu próprio, conhecendo o resto do mundo como conheço, começo a pensar a sério em ir pregar para outras comunidades onde vejo ser mais considerado, remunerado e acarinhado.

Por cá só vão dar pela nossa falta quando já estivermos instalados bem longe.

 

FC – O facto de não existir em prime time um programa musical com cantores profissionais, com exceção para as imitações não contribuirá fortemente para o desempregos dos nossos cantores e músicos?

TS - Voltamos a referir o termo descontinuado “Indústria” da música. Os programas que cita não são de todo focados em carreiras de artistas, mas na intenção de ter shares e de gerar e gerir orçamentos. Tudo o resto é periférico, e depois cabe aos artistas saber ou não gerir o problema que tiverem “comprado” com esses 15 minutos de fama.

 

FC – Quando existem cantores profissionais sem trabalho justifica-se existirem concursos para novos talentos?

TS - Sem querer fazer uso do sarcasmo, hoje já estão abaladas as fronteiras que dissociavam os músicos profissionais dos amadores; os aspirantes dos ilustres; os efémeros dos reincidentes...

Os programas proliferam porque são fórmulas importadas e que trazem já provas de valência. Quem sou eu para desacreditar que se deva continuar a busca por novos talentos?

Mas também se tem assistido a programas de televisão deste género aos quais concorrem e ganham artistas com décadas de carreira, por tanto acho que o problema não são os programas em si, mas a forma como são concebidos.

 

FC – Este espaço é para a sua canção diga o que pretender sobre ela e toda a equipa.

TS - Eu quis que esta canção tivesse uma razão de ser e não fosse apenas e só um trecho com o propósito de vencer por vencer. Estou a tentar fazer passar este sentimento a todas as pessoas envolvidas no processo e desejava, acima de tudo, que o tema ficasse para os anais da história, não só do Festival da Canção, mas da música Portuguesa contemporânea.

 

Obrigado pelo espaço de entrevista, bem hajam, bom trabalho!


Canção nº 9

A BIOGRAFIA DE MADALENA TRABUCO

Madalena Trabuco é uma cantora luso-descendente, nascida em França, mas que tem origens no Porto, donde são naturais os seus pais.

Começou a compor os seus primeiros temas em português em 1998, começando também nessa altura a cantar nos coros do grupo Rasbaille. Em 2002, veio para o Porto, onde colaborou com alguns grupos, entre eles o grupo Sativa e compôs novas músicas em francês, inglês e português. Fez a primeira parte do espectáculo do jamaicano Lee Scratch Perry, no Teatro Sá da Bandeira.

De regresso a França, Madalena Trabuco diversificou o seu repertório passando da canção à bossa-nova, na companhia do compositor Laurent La Rocca. Viajou para o sul de França em vários espectáculos com o grupo Daipivo. Em 2008, encontrou Antoine Essertier e começou o seu projecto para a edição de um CD. Em 2012 editou o seu trabalho intitulado “L’ Invitation Au Voyage”, pela Warner Music francesa.

Madalena Trabuco fez um dueto com Maria de Medeiros no tema “Porto em Setembro” e outro com Tom Frager: “Les

Étoiles”.
Desde essa altura tem feito inúmeros espectáculos, como as primeiras partes em concertos com Anggun e em duo com Tony Carreira para a festa da rádio Alfa.

Actualmente, Madalena Trabuco encontra-se a preparar o seu segundo trabalho, com a colaboração do compositor Frantz Fagot. Foi convidada por Tozé Santos para ser a intérprete de “Coração de Filigrana” no próximo Festival RTP 2014, no dia 8 de Março.

 

Canção nº 9

OS VÍDEOS DE MADALENA TRABUCO

  Madalena Trabuco e Zantar Reggae Madalena Trabuco - L'Hirondelle Madalena Trabuco - L'invitation au voyage

 

 

Canção nº 10

AS NOTÍCIAS

   
Data: 16/01/2014

EMANUEL NO FESTIVAL DA CANÇÃO

Fonte: Emanuel

exclusivo


Emanuel aceitou o convite da RTP para compor e produzir uma canção para o Festival.
Vamos ter de regresso ao Festival da Canção um tema com a assinatura e o profissionalismo a que o Emanuel nos habituou aquando da sua  participação, como produtor, compositor e co-autor de "Dança Comigo  (vem ser feliz)", quer no Festival da Canção de 2007, quer no  Eurofestival. O empenho de Emanuel e a sua forte aposta numa  representação aguerrida e digna no ESC2007 foram notórios.  
Para 2014 prevê-se uma aposta ainda mais possante porque, a juntar a todo  o seu profissionalismo e sentido artístico, o Emanuel possui a  experiência e o know-how obtidos em Helsínquia, em 2007, ao vivenciar todos os  meandros e mecanismos vitoriosos que se desenvolvem ao longo das duas semanas eurovisivas. Emanuel afirmou-nos que está a construir um tema que lhe permita  alcançar o melhor resultado aquém-fronteiras e, caso seja essa a vontade dos portugueses, na Dinamarca – um tema que nos permita sonhar com uma excelente classificação eurovisiva. Ou seja, e como é sempre seu apanágio, a sua atitude será sempre de combatividade e com uma enorme vontade de vencer e orgulhar todos os portugueses.
   
   
Data: 25/01/2014

DESMENTIDO:  ANA MALHOA NÃO É A INTÉRPRETE DA CANÇÃO DE EMANUEL

Fonte: Emanuel

exclusivo

 

Começou a ganhar forma em certos blogues e também nas redes sociais que Ana Malhoa seria a intérprete convidada por Emanuel para defender a sua canção no Festival.
Porém, o nosso site indagou, junto dos visados, se estes rumores tinha algum fundo de veracidade e tanto o produtor da cantora, como o próprio Emanuel desmentiram estes rumores.
Jorge Moreira referiu que como produtor de Ana Malhoa nunca rececionou nenhum convite neste sentido e Emanuel confirmou que não endereçou nenhum convite a este intérprete.

Depois de resposta a verdade, estamos em condições de adiantar ainda hoje algumas característica sobre a intérprete ainda não confirmada mas pretendida pelo compositor Emanuel.
A intérprete contactada por Emanuel, mas ainda não confirmada, tem um aspeto visual muito agradável e um forte poder vocal, segundo nos foi referido. O compositor ainda não quer revelar o nome da cantora selecionada porque por motivos profissionais da mesma o convite ainda não foi confirmado a 100%.

À imagem e semelhança de 2007 prevê-se uma intérprete com um excelente visual, um requisito sempre a considerar quando se trata de Festivais da Canção e principalmente da Eurovisão. Emanuel já nos habituou que não deixa nada ao acaso e o perfecionismo é uma das suas qualidades.

   
   
Data: 03/02/2014

EMANUEL EM ENTREVISTA  ASSINA A LETRA  DA SUA CANÇÃO

Fonte: Emanuel

exclusivo


Emanuel revelou-nos em entrevista que para além de compositor é também o autor da letra da sua canção. Sobre a sua participação no Festival da Canção Emanuel referiu-nos o seguinte:
A RTP escolheu compositores que garantem um Festival diversificado nas sonoridades e de qualidade. Profissional. É importante (independentemente dos muitos gostos, tendências e opiniões pessoais) que o espectáculo seja feito por profissionais com experiência.
Acredito que os fãs do Festival e o público em geral vão gostar do resultado. Em março saberemos. Até  lá, faço um apelo aos mais interessados para apoiarem todos os candidatos de forma serena, justa e cordial.
Este Festival é de todos!
   
   
Data: 08/02/2014

SUZY É A CANTORA DE EMANUEL NO FESTIVAL DA CANÇÃO

Fonte: Emanuel

exclusivo


Foi agora revelado ao nosso site, em primeira mão, que Suzy vai ser a cantora do tema de Emanuel no Festival da Canção.
Esta intérprete está a viver no Dubai e regressará a Portugal no dia 15 do corrente. A partir desta data Suzy e toda a equipa de trabalho de Emanuel, cujo responsável pela ligação aos media é Vasco da Câmara Pereira, vão estar disponíveis para falar aos fãs do Eurofestival e dos Festivais da Canção sobre a sua presença no espetáculo de apuramento da nossa canção para o ESC..

A colaboração da cantora com o compositor Emanuel não se esgota neste Festival, de acordo com as informações obtidas, porém mais tarde estes mesmo projetos serão revelados.
Suzy cantou com os Anjos em 1999, nomeadamente no tema Nesta noite branca que constituiu um enorme sucesso.

Começa, assim, a completar-se o lote dos intérpretes que irão estar no Festival da Canção 2014.

   
   

Data: 08/02/2014

SUZY E EMANUEL SÃO OS REIS DO CARNAVAL DE BUARCOS, FIGUEIRA DA FOZ

Fonte: Emanuel

 

Suzy e Emanuel vão ser os Reis do Carnaval de Buarcos, Figueira da Foz. Nos dias 2 e 4 de março pode vê-los na referida localidade como Suas Majestades Reis do Entrudo-

No cartaz ainda aparece o nome de Susana Guerra, pensamos que o nome artístico de Suzy será estreado no Festival da Canção de 2014, onde a 8 de março tem lugar a semifinal com vista a apurar 5 temas para a grande final de 15 de março.
Emanuel é o responsável pela letra e música da Canção nº10 Quero ser tua (como a lua é do luar), título ainda provisório, a interpretação está a cargo de Suzy que chegou tecentemente do Dubai para trabalhar neste tema.
Tudo indica que a canção de Emanuel será algo que funde os seus 3 últimos mega sucessos:
O ritmo do amor aqui, I love kuduro aqui e Baby és uma bomba aqui.
   
   

Data: 23/02/2014

JOÃO ROLO VESTE A CANÇÃO Nº10 QUERO SER TUA (COMO A LUA É DO LUAR)

Fonte: Emanuel

 

João Rôlo foi o estilista escolhido por Emanuel para vestir Suzy e os restantes elementos de palco no Festival da Canção.
Este compositor, já em 2007, tinha optado pelo prestigiado estilista para vestir Sabrina, quer no Festival da Canção, quer na Eurovisão. Lembramos que caso Portugal tivesse passado à final Sabrina vestiria um segundo modelo criado propositadamente por João Rôlo, o que não aconteceu por apenas 4 pontos. Se o júri português não tivesse dado os 12 pontos à Moldávia  éramos nós que estaríamos na grande final. Este segundo modelo foi vestido por Sabrina, em 2008 aquando da passagem do testemunho a Vânia Fernandes.
   
   

Data: 23/02/2014

EMANUEL CONVIDA-O A CONHECER A SUZY

Fonte: Emanuel

 

O compositor Emanuel convida-o a conhecer a sua intérprete, Suzy,  no Festival da Canção 2014. Assim a equipa da Canção nº10 vai levar a efeito um almoço que vai ter lugar no próximo sábado dia 1 de março no Hotel das Caldas International para dar a conhecer a sua cantora no Festival.
Emanuel faz questão que os fãs dos Festivais da Canção e dos Eurofestivais conheçam a sua cantora que a 8 de março irá subir ao palco do Convento do Beato para defender o seu tema Quero ser tua (como a lua é do luar).
Neste encontro preparado especialmente para os fãs Suzy irá fazer um pequeno espetáculo, havendo preparada uma pequena surpresa para todos os presentes,

O almoço buffet (com pratos de carne e peixe) terá lugar no Hotel das Caldas International situado na Rua Artur Figueirôa, 45 - 2508-186 Caldas da Rainha, às 13.30h. O preço do almoço é de 10€.
Confirme desde já a sua presença para o seguinte endereço de email: querosertua2014@hotmail.com

 

Suzy foi a intérprete convidada por Emanuel para defender o seu tema no Festival da Canção de 2014, um projeto que irá para além do Festival segundo nos assegurou Emanuel.

   
   

Data: 1/03/2014

APRESENTAÇÃO PÚBLICA AOS FÃS E  SITES DA CANTORA DA CANÇÃO Nº10 QUERO SER TUA

Fonte: Emanuel

 
Emanuel, autor e compositor da Canção nº10, apresenta hoje a cantora Suzy aos sites e fãs dos Festivais da Canção e dos Eurofestivais. Esta apresentação vai ter lugar hoje no Hotel das Caldas International situado na Rua Artur Figueirôa, 45 - 2508-186 Caldas da Rainha, às 13.30h. O preço do almoço é de 10€. Não precisa de fazer qualquer inscrição prévia, apenas terá que aparecer.

Os organizadores têm preparado para si algumas atuações de Suzy e uma delas foi pensada para agradar e surpreender os fãs e mais não dizem, afinal surpresa é surpresa. A equipa da Canção nº10, Quero ser tua, vai ainda proporcionar-lhe conhecer Suzy de perto e poder confraternizar um pouco com ela e com Emanuel.

Suzy e Emanuel esperam por si hoje às 13.30h, no Hotel das Caldas da Rainha.
   
   

Data: 1/03/2014

APRESENTAÇÃO PÚBLICA AOS FÃS E  SITES DA CANTORA DA CANÇÃO Nº10 QUERO SER TUA HOJE NAS CALDAS DA RAINHA

Fonte: Festivais da Canção

 

Estivemos  hoje no almoço convívio da apresentação da cantora Suzy aos sites e aos fãs. Um encontro que contou com a presença da OGAE Portugal, representada pelo seu Presidente, José Garcia e por vários outros elementos desta organização, O nosso site fez-se representar por Carlos Portelo, Luís Pereira, André Godinho e Maria Fernanda Fonseca. Não esteve presente mais nenhum site.
 

Suzy deslumbrou a assistência pelo seu poder vocal demonstrado nas atuações com que nos presenteou, depois de ter interpretado dois temas em inglês, a cantora fechou a sua atuação com a canção Quedate conmigo, tema com que Pastora Soler representou a Espanha em 2012.  Este seu desempenho arrepiou a assistência e foi unânime que a interpretação de Suzy nada ficou a dever à original defendida por Pastora Soler.

Emanuel deu as boas vindas aos fãs e referiu que case ganhe o Festival o seu empenho será total no Eurofestival. Lembramos que a equipa de palco da canção Quero ser tua (título definitivo da canção) ainda não foi revelada. O estilista responsável pela imagem de Suzy no Festival e no ESC, caso seja esta a canção e nos venha a representar na Eurovisão, será João Rôlo. Como será a apresentação da canção em palco é uma surpresa que está muito bem guardada.

Depois da sua atuação Suzy deixou-se fotografar com os fãs e deu uma entrevista ao nosso site, onde deixou uma mensagem para todos os fãs fazendo votos para que todos se divirtam com este Festival da Canção e que haja muita energia positiva referindo o seguinte: Que ganhe a melhor canção, pelo menos eu vou fazer o meu melhor, vou cantar de coração e isso é o mais importante. Preciso de vocês (fãs) lá para nos apoiar.
Suzy levanta um pouco o véu sobre o a sua canção e disse-nos: É muito ritmada, muito alegre e cumpre realmente o tema do Festival da Canção.

Suzy para além da elegância que se lhe conhece é extremamente simpática. No fim do almoço Emanuel e Suzy dirigiram-se para Monchique para um espetáculo que está a acontecer, neste preciso momento.


Canção nº 10

AS ENTREVISTAS

FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA SUZY

Data: 26/02/2014

exclusivo

 

Festivais da Canção - O que a motivou a participar no Festival da Canção 2014?
Suzy - Esta maravilhosa e inesquecível oportunidade advém de um convite formulado pelo Emanuel e que prontamente aceitei. Surge aqui a oportunidade de concretizar um sonho de criança e de trabalhar com uma das maiores referências da música ligeira nacional.

 

FC - Como descreve Quero ser tua musical e poeticamente?
S - QUERO SER TUA, é uma canção muito ritmada e animada, sendo, por isso, um tema bastante alegre e positivo. Fala do Amor na sua vertente otimista! Infelizmente, em Portugal, necessitamos cada vez mais de “injecções de positivismo e alegria” e o tema QUERO SER TUA reflete, ou tenta trazer de volta, esses sentimentos a todos os portugueses.

FC - O lema do Festival da Canção deste ano é Alegria é o tom. A sua canção cumpre este requisito?
S  - Como mencionei anteriormente, QUERO SER TUA cumpre todos os requisitos requeridos pelos responsáveis da RTP. Basta os primeiros acordes para, inconscientemente, começar a dançar e esboçar um sorriso instantaneamente. Acredito que não deixará ninguém indiferente no convento do Beato, criará uma atmosfera de positivismo e alegria, levando o público a sentir-se tão bem quanto eu a cantá-lo.

FC - Expectativas para a sua canção neste Festival?
S - Prefiro não as ter. Quero sim, dar o meu melhor, viver esta experiência única com um sorriso e com leveza, aproveitar cada segundo do meu tempo no palco e que o público presente e os telespectadores no final do tema fiquem a esboçar um sorriso e com a alma cheia de sentimentos positivos. Esse sim, é o meu objectivo. Que haja muita alegria!

 

FC - O sorteio ditou que fosse a 10ª intérprete a subir ao palco neste Festival. Desiludida ou satisfeita?
S - É somente um número, mas sendo o número 10 (a última participante) é evidente que o meu estado de nervosismo está no seu pico máximo! Espero fechar o festival deste ano com chave de ouro e de forma inesquecível.

 

Quantos elementos para além de si vão estar em palco, quem são e que funções irão desempenhar?
S - A música tem uma vertente alegre, ritmada e enérgica. Como tal, suportamos o tema com um grupo que, em princípio, será constituído por 4 elementos.

 

FC - Conhecidos os 10 intérpretes deste Festival, com qual dos restantes 9 preferia fazer um dueto, extra concurso se lhe fosse pedido?
S - Não tenho preferências, porque são todos excelentes profissionais com um sonho comum: simplesmente cantar, partilhar o nosso dom e mexer com as emoções do público presente. Por isso, seria um privilégio cantar em dueto com qualquer um deles.

 

FC - A escolha das 5 canções finalistas é feita apenas na noite de 8 de março, cabendo a cada número telefónico apenas 1 voto, ou seja, o último voto anula o anterior. Concorda com este método de escolha dos 5 finalistas face ao anteriormente exposto?

S -Não concordo, nem tenho de concordar. São burocracias inerentes ao Festival da Canção, que não depende de nós, intérpretes. Depende sim, darmos uma excelente actuação no dia 8. Cantar com toda a garra e emoção e com todo o nosso profissionalismo. Como dizia a Maria da Fé, “cantar até que a voz nos doa”.

 

FC - Este ano o método de seleção da canção vencedora é feito exclusivamente através do televoto, sem restrição do número de chamadas por aparelho telefónico. Quer comentar?
S - Mais uma vez realço que os métodos de selecção transcendem os intérpretes. As regras, desde que pré-existentes terão que ser aceites por nós. Se não concordamos com elas ou se as achamos injustas, apenas nos cabe não “ir a jogo”. Penso que nós os intérpretes devemos apenas nos focalizar em dar o nosso melhor e fazer uma prestação memorável!

 

FC - Das canções que venceram os Festivais da Canção e que desfilaram também com o nº10, escolha a sua preferida referindo porquê. São elas:
Playback (1981), Bem Bom (1982), Penso em ti eu sei (1985), Só sei ser feliz assim (2001) e A luta é alegria (2011).
S - Sem sobra de dúvida, as Doce e “Bem bom” (1982). As Doce foram um grupo que fez história na música portuguesa, tendo tido grandes sucessos musicais, que ainda hoje perduram na memória de todos nós. Tudo na prestação das Doce foi pensado ao detalhe: a música, com um cheirinho a Portugal tradicional, a batida forte e segura, a indumentária, sensual e muito bem pensada, a coreografia, que todos ainda recordam.

É um tema incontornável no Festival e na música portuguesa.

 

FC - O Festival da Canção comemora 50 anos de existência, sendo o grande programa de referência da televisão em Portugal. Qual a sensação de participar na edição que comemora este aniversário?
S - É um privilégio e uma honra enorme, uma vez que estou a concretizar mais um sonho de criança. A minha família toda reunia-se no dia do Festival da Canção, para ouvir os temas que possivelmente nos iriam representar na Eurovisão. Nem imagina o quão importante é para mim esta participação. Mais ainda recaindo na comemoração dos 50 anos de existência deste concurso e no retorno de Portugal aos palcos eurovisivos.

  

FC - Esta sua participação no Festival significa o retomar da sua carreira, como cantora ou será apenas uma exceção?
S - O convite do Emanuel fez com que o “bichinho” (que estava adormecido e não morto) começasse novamente a pulsar fortemente dentro de mim. Acredito que nada o fará parar agora: sem dúvida que não vai ser a última vez que vão ouvir falar da cantora Suzy!

 

FC - Uma sugestão para que Portugal venha a ganhar finalmente o Festival da Eurovisão

S - Todo o tipo de concurso, é uma incógnita e a Eurovisão não foge à excepção.

Mas, não sendo uma verdade absoluta, deveríamos fazer-nos representar por um tema que a maioria dos países constituintes deste concurso se identificassem. Um tema internacional, forte e que agrade a “gregos” e a “troianos”. Sem esquecer, obviamente uma prestação em palco de tirar o fôlego e uma interpretação poderosa e inesquecível.

 

FC - Este espaço é seu: apele ao voto, fale da sua canção e ou da sua equipa de trabalho para este festival
S - Acima de tudo, por ser a comemoração dos 50 anos de existência do Festival da Canção, gostaria que se tornasse num Festival memorável e inesquecível, onde a prestação de todos contribuísse para tal. Quero sim, terminar com a sensação de “dever cumprido”, sentir que dei o meu melhor e que o publico saísse satisfeito e vote naquele que considere o melhor representante para Portugal!

   

FESTIVAIS DA CANÇÃO ENTREVISTA EMANUEL

Data: 5/03/2014

exclusivo

Festivais da Canção - Ficou surpreendido com o convite da RTP para participar no FC deste ano?

Emanuel - Confesso que a RTP me apanhou desprevenido. Fiquei bastante agradado com o mesmo e muito orgulhoso. É de facto uma enorme responsabilidade poder vir a ser responsável pela representação do nosso país num certame musical europeu com as proporções do Eurofestival.

 

FC - Como também é o autor do poema por favor referir sobre o que fala a sua canção.
Emanuel  - Fala de um tema universal: fala sobre o amor e sobre as relações humanas. Fala de amor, mas de uma forma positiva e alegre. De todas as sensações e sentimentos positivos que podem e devem surgir numa relação amorosa.

Estamos a viver um momento da nossa História muito complexo e bastante negativista, por isso, estou em querer que os portugueses necessitam de alegria e de positivismo em todas as vertentes das suas vidas. É preciso esquecer um pouco o mau momento que estamos a atravessar e falar da exaltação que pode surgir e acontecer entre duas pessoas.

O tema do Festival este ano é alegria e a minha canção fala disso mesmo da alegria e do júbilo proporcionado pelo amor. 

 

 

FC - Por favor queira falar-nos dos motivos que o levaram a convidar a Suzy para intérprete do seu tema?

Emanuel - Já há algum tempo que tenho estado em negociações com a Suzy no sentido de iniciarmos um projeto musical em conjunto. O Festival só veio acelerar essas negociações e por antecipadamente em marcha o que iria acontecer mais tarde ou mais cedo.

A Suzy é uma intérprete portentosa, com enormes capacidades vocais.

 

 

FC - Já tinha esta canção feita ou compô-la propositadamente para o Festival?
Emanuel - A canção foi composta propositadamente para o Festival e a pensar no que melhor poderá representar Portugal na Eurovisão, caso seja essa a vontade do público português.

O público português merece todo o meu respeito e merece que eu crie a melhor canção possível. Não nos esqueçamos que existe 10% de hipótese de vir a representar o meu país novamente na Europa e essa responsabilidade deve ser encarada com enorme respeito e seriedade.

Acima de tudo, espero que seja uma canção que agrade aos portugueses e aos fãs.

 

FC . Esta canção aproxima-se, afasta-se ou é uma rutura em relação às que habitualmente compõe para o seu próprio reportório e à que apresentou no Festival da Canção/ESC de 2007?

Emanuel - Nem se afasta, nem será uma ruptura. Eu diria antes que revela uma evolução natural. Acho que é uma canção que demonstra a minha maturidade como compositor e autor e que apelará não só ao meu público tradicional como também a novos públicos.

É uma canção ritmada, estruturalmente apelativa e que se enquadra nos ritmos latinos. Em certos momentos, exibe, também, uma sonoridade africada, que nos transporta para as vastas planícies deste continente. Tentei que a orquestração nos fizesse viajar por diferentes culturas e sonoridades.

 

FC - Como vê o método de apuramento da nossa canção para o ESC, isto é, 100% televoto sem restrição do número de chamadas?

Emanuel - Não há métodos ideais, não sendo melhor nem pior que outros. A votação estritamente distrital, de experts ou de uma mistura de diferentes possibilidades já foi diversas vezes testada pela RTP e nunca foi consensual, nem nos trouxe maior sucesso no Eurofestival.

Pelo menos nesta situação, será o público o grande responsável pela escolha do tema que quer que o represente na Europa.

Na final do Eurofestival, a votação também é feita exclusivamente por televoto. Acho que a RTP pretende estar já em sintonia com  o que ocorrerá na Eurovisão, testando já o grande público e o apreço que possa ter por um dos temas em concurso.

Uma coisa é certa, todos nós concorrentes sabíamos que as regras eram estas. Decidimos ir a jogo e agora, o público que escolha a que mais gostar.

 

FC - Quem irá ser o estilista que vestirá a sua intérprete para a noite do Festival?

Emanuel - Tal e qual como em 2007, o João Rolo será o responsável por toda a imagem da Suzy – desde a indumentária, à maquilhagem e ao cabelo.


FC - Como será a apresentação em palco da sua canção? Tem alguma coreografia/ marcação própria?

Emanuel - Acho que a surpresa será sempre uma mais valia e por isso, por agora, gostaria de não revelar muita coisa.

 

FC - Quem serão os elementos de palco que acompanharão Suzy em palco e que funções desempenherão?

Emanuel - Ainda estamos a ultimar o grupo que estará com a Suzy em palco. Muito em breve revelaremos mais detalhes.

 

Quer revelar-nos o nome do coreógrafo da sua canção?

Emanuel -O Paulo Magalhães está a trabalhar connosco desde o primeiro momento e é ele o grande responsável pela coreografia de QUERO SER TUA.

 

FC - Na apresentação da sua canção em palco podemos ver algum efeito cénico especial?

Emanuel - A verba que a RTP colocou à disposição dos produtores não possibilita muitos gastos ou grandiosas apostas em produções cénicas.

Estamos a estudar a melhor forma de otimizar um orçamento tão reduzido, por respeito ao público e aos fãs.

 

FC - Que expectativas tem para a sua canção neste Festival?

Emanuel - Acredito que todos os compositores a concurso gostariam de ganhar a possibilidade de representar o seu país na Eurovisão.

As escolhas da RTP este ano foram excelentes e acho que vamos ter 10 canções muito fortes a concurso e que todas elas serão mais do que dignas de ganhar o Festival RTP da Canção.

Da nossa parte, estamos a trabalhar afincadamente para não defraudarmos o público e fecharmos o concurso com chave-de-ouro.

Gostaria de ganhar, como é óbvio. Mas acho que todos os outros autores, compositores e intérpretes também gostariam. Cabe ao público decidir e escolher a canção que mais conquistar a sua simpatia.

 

FC - O Festival da Canção comemora 50 anos. Por favor escolha uma das seguintes 3 opções como a mais correta para si:
A) O Festival da Canção é uma marca importante da RTP; B) O Festival da Canção extravasa a própria RTP, sendo uma referência nacional; C) Uma marca a descontinuar.

Emanuel - É sem sombra de dúvida uma marca importante da RTP, sendo uma referência nacional.

Cabe à RTP e a todos nós trazer novamente o certame para a ribalta dos acontecimentos musicais nacionais, restaurando a sua importância e o brilho do passado.

Acho que este ano a RTP deu um enorme passo nesse sentido, estando patente nos convites formulados. São efetivamente compositores de enorme talento, que trarão mais vida e qualidade a este concurso.

Temos que continuar a trabalhar nesse sentido e, se possível, trazer de volta ao festival vozes consagradas do panorama musical português.

 

 

FC - Como vê o atual panorama musical em Portugal quando muitos músicos e cantores estão sem trabalho?

Emanuel - Estamos a viver momentos difíceis no nosso país, em todas as áreas profissionais.

A música também está a ser afetada, como seria expectável. Por isso, vejo alguns acontecimentos no panorama musical português atual com alguma preocupação.

 

FC - Fernando Tordo abandonou o país rumo ao Brasil face ao exposto na pergunta anterior. Quer comentar?

Emanuel - Acompanhei a situação através da comunicação social. No entanto, não conheço todos os contornos que levaram este grande artista a tomar esta decisão.

Não gosto de comentar algo, quando não conheço a fundo todos os factos. Mesmo assim, posso dizer que a música portuguesa ficou mais pobre desde a sua partida.

 

FC - O facto de não existir em prime time um programa musical com cantores profissionais, com exceção para as imitações não contribuirá fortemente para o desempregos dos nossos cantores e músicos?

Emanuel - A conjuntura económica e a forma como os artistas gerem as suas carreiras são as principais razões.  Recordo que ainda à muito pouco tempo havia bastante trabalho e esses programas não existiam.

Apesar de achar que deveremos dar mais tempo de antena aos profissionais da música portugueses, vejo alguma pertinência nesses programas. É uma forma de revelar novos talentos e de dar oportunidade a boas vozes ainda desconhecidas do grande público.

Preocupa-me os sonhos que se criam e que, na grande maioria dos casos, não têm continuidade. O talento e a capacidade vocal não chegam: há que existir um projeto inovador e bem pensado e um produtor que saiba por em prática esse mesmo projeto.

 

FC - Quando existem cantores profissionais sem trabalho justifica-se existirem concursos para novos talentos?

Emanuel - Claro que sim, a concorrência é a grande mais valia da novidade e constante evolução artística.

O importante é existir um projeto profissional, que atraia e conquiste o público. Com talento, persistência e trabalho árduo, sejam cantores profissionais, sejam novos talentos, a carreira musical terá continuidade e todos nós que gostamos de música ficamos a ganhar.

 

FC - Este espaço é para a sua canção diga o que pretender sobre ela e toda a equipa.

Emanuel - Sobre a minha canção, vou deixar o grande publico e os fãs do festival apreciarem e sentirem como acharem que devem. A minha equipa vai ser profissional e vamos trabalhar a fundo para criar um grande momento musical e de televisão. O meu grande objetivo é que todos se divirtam com a nossa participação e que esqueçam os problemas do dia-a-dia durante 3 minutos.

Quero “arrancar” sorrisos e boa disposição a toda a gente e gostaria de ver todos os presentes a cantar e a bater palmas no convento do Beato.


Canção nº 10

A BIOGRAFIA DE SUZY

Suzy é o nome artístico de Susana Guerra, nascida na Figueira da Foz a 24 de Janeiro de 1980. Desde muito cedo que mostrou prazer em cantar, subindo pela primeira vez a um palco, com 5 anos, no Cineteatro Caras Direitas, em Buarcos.

Durante a sua infância foi viver para Lisboa, tendo integrado o grupo Onda Choc, grupo infantil com enorme sucesso nos anos 90 e que lhe permitiu efetuar inúmeros espetáculos e também várias presenças em programas de TV.

No Natal de 1999 surgiu o tema que até hoje lhe dá uma maior visibilidade: Suzy interpreta com os Anjos “Nesta Noite Branca”, um enorme sucesso e que ainda hoje é uma canção obrigatória da quadra natalícia e que passa sem cessar nas diferentes estações de rádios portuguesas. Com este tema fez inúmeros programas de TV, em dueto com os Anjos.

Susana editou o seu primeiro trabalho a solo em 2002, onde teve a colaboração de João Portugal.

O prazer que sente ao cantar e a ter novas experiências levou-a, entre 2002 e 2003, a desempenhar o papel de Sally no musical “My Fair Lady”, de Filipe La Féria. Após esta experiência e depois de terminar a Universidade, decidiu viajar para o Canadá e para os Estados Unidos.

 

Em Dezembro de 2009 voltou a Portugal e integrou o elenco do musical “Alice e a Magia do Natal”, produzido exclusivamente para o evento “Óbidos, Vila Natal”, ao lado de Ricardo Soler, Helena Vieira, Luís Jardim, Bernardo Gavina e Beatriz Costa. Em 2010 apresentou o tema “Candyland”, na compilação Summer Jam 2010, voltando a cantar por inúmeros palcos em diversos locais de Portugal. O ano passado foi convidada a cantar em alguns eventos no Dubai, local onde reside atualmente.

Já este ano foi convidada pelo cantor, compositor e produtor Emanuel para ser a sua representante no Festival RTP da Canção 2014, onde interpretará a canção nº 10, no espetáculo que celebrará os 50 anos do Festival RTP. Para além desta participação estarão juntos como “Reis do Carnaval” da Figueira da Foz e preparam vários duetos, que sairão ainda este ano num álbum de originais.


 

Canção nº 10

OS VÍDEOS DE SUZY

  Susana e os Anjos - Nesta noite branca Emanuel feat Suzy - I love kuduro house
na Praça da Alegria na RTP
Emanuel feat Suzy - I love kuduro house
nas Sextas Mágicas na SIC




 



 

 ÉS O VISITANTE N.º

free counters

LIVRO DE VISITAS

Click for Lisboa, Portugal Forecast